Pular para o conteúdo principal

Abdelmassih põe bens à venda; MP pede às vítimas que apelem à Justiça

Casarão do estuprador foragido
A família de Roger Abdelmassih colocou à venda bens do ex-médico foragido que foi condenado a 278 anos de prisão por estupro de 56 pacientes de sua clínica em São Paulo de reprodução humana. O Ministério Público do Estado de São Paulo está recomendando às vítimas que recorram à Justiça para bloquear os bens, garantindo, assim, o pagamento de indenização.

A procuradora Dora Bussab disse que qualquer ex-paciente que se sente lesada por Abdelmassih pode solicitar a indisponibilidade dos bens, mesmo no caso de o médico ter feito promessa de gravidez absoluta sem consegui-la.

Maurício Faragoni, advogado de um casal, disse que, com a venda dos bens, as ações indenizatórias se tornam inócuas, porque “quem ganhar não leva”. O casal que ele representa está pedindo uma indenização de R$ 4 milhões porque Abdelmassih usou material genético de terceiro sem autorização. A gestação gerou uma criança que não é filho biológico do marido da paciente.

A vítima Cristina Silva (foto) disse ter ficado surpresa com a notícia da venda dos bens. “Tudo que o médico comprou foi com o nosso dinheiro”, afirmou.

Na semana passada, a TV Bandeirantes informou que a família do ex-médico colocou à venda o casarão onde Abdelmassih morava, na zona sul de São Paulo, e os seus móveis, peças decorativas, quadros, quase tudo.

Com uma câmera escondida, um repórter visitou o casarão e descobriu que uma peça de tapeçaria, por exemplo, está sendo oferecida por R$ 130 mil. Ele não conseguiu saber por quanto a família pede pelo casarão. Abdelmassih tem pelo menos dois outros imóveis em um condomínio em São Paulo.

Em novembro de 2009, a Justiça, a pedido do Ministério Público, congelou os bens e as contas bancárias de Abdelmassih. Ele recorreu e em setembro de 2010 o Tribunal de Justiça anulou a sentença sob o entendimento de que o MP não tem legitimidade para esse tipo de ação, cabendo somente às vítimas.

Com informação da TV Bandeirantes.

setembro de 2010

abril de 2010

Comentários

  1. Turcão tá vendendo tuuuuuuuuuuuuuuudo
    O ideal é uma turma de vitimas ir lá arrematar tudo e dar um cheque sem fundo pra ele....

    ResponderExcluir
  2. Anônimo das 18:16, você é racista!

    Toda genaralização como turcão, japonês, judeu, nordestino, árabe, europeu, americano, negão, etc, é racista.

    Fascismo puro. Eu que sou de descendência turca, sempre estive ao lado das vítimas do Roger. Você não tem o direito de exercitar esse racismo que prejudica todo um grupo que nada tem a ver com crimes desse tipo. Bandidos tem em todos os grupos, países e famílias.

    Esse termo "Turcão" é puro racismo. Você deveria ser processado. Infelizmente não temos o lobby para isso. Outros tem. Afirmar isso de outros no Brasil, já é crime.

    Racista!

    ResponderExcluir
  3. Sou uma galega, nada contra a chamar o ___ de turcão.

    Achei ótima idéia em arrematar tudo com cheque sem fundo, kaskasaksaskas.

    ResponderExcluir
  4. OOooo anonimo das 23:02...
    quer mais racismo do que sua própria raça... tsc tsc tsc

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. adooorei a idéia do cheque sem fundoo!!!
    kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Ministro de Israel que disse ser o Covid-19 castigo divino contra gay pegou o vírus

Nos EUA, cultos de igreja pentecostal contaminam 71 fiéis com o Covid-19

Cristianismo é a religião que mais perseguiu o conhecimento científico