Pular para o conteúdo principal

Sam Harris: não é Israel que explica as inclinações genocidas do Hamas. É a doutrina islâmica

O texto abaixo é um resumo do podcast de Sam Harris gravado em 7 de novembro de 2023. Ateu e judeu, ele não poupa crítica a Israel, até porque, explica, é "irracional" organizar um Estado em torno de uma religião. Mas Harris é duro com o que entende ser uma "confusão moral" de quem critica somente Israel pelo sofrimento da população de Gaza. Para ele, o Hamas é o grande responsável pelas barbaridades atuais na região porque, diz, seus jihadistas, autorizados por uma crença, espalham o terror acreditando que, assim, serão compensados no Paraíso




“Islamofobia é um termo criado
por fascistas e usado por covardes
para manipular idiotas”


Sam Harris
filósofo e neurocientista

Temos testemunhado uma confusão moral extrema desde que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro de 2023, matando aproximadamente 1.200 pessoas e fazendo mais de 200 reféns. Parte disso tem sido apenas antissemitismo franco, mas grande parte é confusão real. 

A maioria das pessoas no Ocidente ainda não compreende o problema do jihadismo. Falamos frequentemente de “terrorismo” e “extremismo violento” de forma genérica. E dizem-nos que qualquer ligação entre esses males e a doutrina do Islã é espúria e nada mais do que uma expressão de “islamofobia”. 

O termo "islamofobia", aliás, foi inventado na década de 1970 pelos teocratas iranianos para fazer exatamente isto: evitar qualquer crítica ao Islã e para considerar o próprio secularismo uma forma de intolerância. 

O Islã é um sistema de ideias subscrito por pessoas de todas as raças e etnias. É exatamente como o Cristianismo nesse aspecto. Ao diferentemente do Judaísmo, o Cristianismo e o Islã são religiões agressivamente missionárias e conquistam adeptos de todo o lado. 

As pessoas criticam constantemente as doutrinas do Cristianismo e preocupam-se com as suas influências políticas e sociais – mas ninguém confunde isto com intolerância contra os cristãos enquanto pessoas, muito menos racismo. 

Não existe “cristofobia”. Como alguém disse uma vez (não foi Christopher Hitchens, mas com certeza parece ele): “Islamofobia é um termo criado por fascistas e usado por covardes para manipular idiotas”.

Em qualquer caso, os cristãos fundamentalistas e os judeus ortodoxos não tendem a ficar confusos sobre o problema do jihadismo porque compreendem o poder das crenças religiosas, por mais que as pessoas seculares geralmente o sejam.

Imaginamos que as pessoas em todos os lugares, no fundo, desejam as mesmas coisas: querem viver vidas seguras e prósperas. Eles querem água potável e boas escolas para os seus filhos. E imaginamos que se grupos inteiros de pessoas começarem a comportar-se de formas extraordinariamente destrutivas – praticando terrorismo suicida contra não combatentes, por exemplo – devem ter sido levados ao extremo por outros.

O que poderia transformar seres humanos comuns em homens-bomba, e o que poderia levar um grande número de seus vizinhos a celebrá-los como mártires, além de toda a sua sociedade ser oprimida e humilhada até a loucura por algum poder maligno? 

Assim, no caso de Israel, muitas pessoas imaginam que a história macabra do terrorismo palestino indica simplesmente quão profunda tem sido a injustiça do lado israelita.

Agora, há muitas coisas a dizer nas críticas a Israel, particularmente à sua expansão de colonatos em terras contestadas. Mas não é o comportamento de Israel que explica as inclinações suicidas e genocidas de um grupo como o Hamas. As doutrinas islâmicas do martírio e da jihad sim.

O problema nem é o ódio,
embora haja em abundância,
mas a certeza religiosa


Essas são crenças religiosas, defendidas com sinceridade. São crenças sobre a estrutura moral do universo. E explicam como pessoas normais – mesmo as boas – podem cometer atos horríveis de violência contra civis inocentes propositadamente, e não como danos colaterais, e ainda assim considerarem-se boas. 

Quando você acredita que a vida neste mundo não tem valor, além de decidir quem vai para o Inferno e quem vai para o Paraíso, torna-se possível sentir-se perfeitamente à vontade matando não combatentes, ou mesmo usando suas próprias mulheres e crianças como escudos humanos, porque você saiba que qualquer muçulmano que for morto irá para o Paraíso por toda a eternidade.

Se você não entende que os jihadistas acreditam sinceramente nessas coisas, você não entende o problema que Israel enfrenta. O problema não é apenas o nacionalismo palestino, a competição por recursos ou qualquer outra queixa terrestre normal. Na verdade, o problema nem é o ódio, embora exista o suficiente para todos. O problema é a certeza religiosa.

É realmente possível criticar Israel e estar empenhado nos direitos políticos do povo palestino, sem ficar confuso quanto à realidade do fanatismo religioso islâmico – ou à ameaça que representa não apenas para Israel, mas para as sociedades abertas em todo o mundo. 

O meu amigo Christopher Hitchens foi extremamente crítico de Israel e apoiava abertamente a criação de um Estado palestino. Mas ele não estava nem um pouco confuso sobre o problema da jihad.

Houve perto de 50.000 atos de terrorismo islâmico nos últimos quarenta anos – e o grupo francês que mantém uma base de dados desses ataques considera que esta é uma contagem inferior. 

Noventa por cento deles ocorreram em países muçulmanos. A maioria não tem nada a ver com Israel ou com os judeus. Houve oitenta e dois ataques em França e mais de 2.000 no Paquistão durante este período. Quer que a França seja mais parecida com o Paquistão?

 Você só precisa de mais jihadistas. Só precisamos de mais pessoas susceptíveis de se tornarem jihadistas, o que é uma transformação que pode acontecer muito rapidamente – tão rapidamente quanto novas crenças podem criar raízes na mente de uma pessoa.

Você só precisa de uma comunidade muçulmana mais ampla que não condene o jihadismo, mas admita tacitamente que a teologia que o inspira será verdadeira e perfeita até o fim do mundo. Você só precisa de milhões de pessoas que protestem contra Israel por se defender, ou peçam a morte de cartunistas por retratarem o profeta Maomé, e ainda assim não deem uma espiada nas atrocidades jihadistas que ocorrem diariamente, em todo o mundo, em nome de sua religião.

No Ocidente, existe agora uma grande indústria de desculpas e ofuscação destinada a proteger os muçulmanos de terem de lidar com estes fatos.

Os departamentos de humanidades e ciências sociais de todas as universidades estão repletos de acadêicos e pseudo-académicos – considerados especialistas em terrorismo, religião, jurisprudência islâmica, antropologia, ciência política e outros campos – que afirmam que o extremismo muçulmano nunca é o que parece. 

Esses especialistas insistem que nunca podemos acreditar nas palavras dos jihadistas e que nenhuma das suas declarações sobre Deus, o Paraíso, o martírio e os males da apostasia tem algo a ver com as suas reais motivações.

Liberais seculares não
consideram que a inspiração
do Hamas é a religião


Quando se pergunta quais são realmente as motivações dos jihadistas, deparamo-nos com um tsunami de ilusão liberal. 

Escusado será dizer que o Ocidente é o culpado por todo o caos que vemos nas sociedades muçulmanas. Afinal, como nos sentiríamos se potências externas e os seus cartógrafos tivessem dividido as nossas terras e roubado o nosso petróleo?

Essas pessoas sitiadas só querem o que todo mundo quer da vida. Eles querem segurança econômica e política. Querem ser livres para florescer de formas que sejam totalmente compatíveis com uma sociedade civil global, se ao menos lhes for dada a oportunidade. 

Os liberais seculares imaginam que os jihadistas estão agindo  como qualquer outra pessoa, dada uma história semelhante de encontros infelizes com o Ocidente. E desconsideram totalmente o papel que as crenças religiosas desempenham na inspiração de grupos como o Hamas e a Al-Qaeda, ou mesmo o Estado Islâmico – ao ponto de ser impossível para um jihadista provar que estava fazendo alguma coisa por razões religiosas.

Aparentemente, não é suficiente para uma pessoa educada e com oportunidades econômicas dedicar-se à versão mais extrema e austera do Islã, articular ad nauseam as suas razões religiosas para o fazer, e mesmo chegar ao ponto de confessar a sua certeza sobre o martírio em vídeo antes de se explodir no meio da multidão. 

Tais demonstrações de fanatismo religioso são de alguma forma consideradas retoricamente insuficientes para provar que ele realmente acreditava no que dizia acreditar. Claro, se um supremacista branco inicia uma onda de assassinatos numa igreja negra e diz que fez isso porque odeia os negros e pensa que a raça branca está sob ataque, esse motivo é aceito pelo seu valor nominal, sem a menor hesitação. Esse duplo padrão isentará sempre o Islã. O jogo está fraudado.

Não confunda o que estou dizendo agora com intolerância anti-muçulmana. Estou falando das consequências das ideias, não das origens étnicas das pessoas. Nem uma palavra que eu disse, ou direi sobre esse assunto, tem algo a ver com raça. Não sou nem remotamente xenófobo. Sou um xenófilo [pessoa que tem simpatia por estrangeiros e pelo que é estrangeiro]. 

O Oriente Médio produziu algumas das minhas partes culturais favoritas – algumas das minhas comidas, músicas e arquitetura favoritas. Adoro o som do chamado muçulmano à oração. 

Tudo o que estou dizendo sobre o problema do jihadismo é sobre o problema do jihadismo – a crença triunfal de uma certa percentagem dos muçulmanos do mundo de que devem conquistar o mundo para a única fé verdadeira pela força e que o Paraíso aguarda qualquer um que sacrifique a sua ou a sua vida. sua vida para esse fim.

É claro que muitas religiões produzem uma quantidade razoável de sofrimento desnecessário. Consideremos o escândalo do padre pedófilo na Igreja Católica, que é algo sobre o qual já escrevi e falei antes, espero que com suficiente indignação. 

Pode-se certamente argumentar, como eu, que o ensino católico é parcialmente responsável por esses crimes contra as crianças. Ao tornar a contracepção e o aborto um tabu, a Igreja garantiu que haveria muitos nascimentos fora do casamento entre os seus fiéis; ao estigmatizar as mães solteiras, garantiu ainda que muitas crianças seriam abandonadas em orfanatos geridos pela Igreja, onde poderiam ser vítimas de homens sexualmente pouco saudáveis. 


Maomé torturou, cortou
cabeças. Ele não se
compara a Jesus


Não creio que nada disso tenha sido planejado conscientemente; é apenas uma consequência grotesca de algumas ideias muito ruins. E, no entanto, a verdade é que não existe uma ligação direta entre as escrituras cristãs e a violação de crianças. 

No entanto, imagine se houvesse. Imagine se o Novo Testamento contivesse múltiplas passagens prometendo o Céu a qualquer padre que estuprasse uma criança. E então imagine que, no rescaldo de uma série interminável de violações de crianças dentro da Igreja, mais ou menos todos os jornalistas, políticos e acadêmicos negaram que tivessem qualquer coisa a ver com os “verdadeiros” ensinamentos do Catolicismo. Essa é a situação estranha em que nos encontramos em relação ao Islã.

O problema que devemos enfrentar – e por “nós” quero dizer tanto muçulmanos como não muçulmanos – é que as doutrinas que apoiam diretamente a violência jihadista são muito fáceis de encontrar no Alcorão, no hadith e na biografia. de Maomé. 

Para os muçulmanos, Maomé é a maior pessoa que já existiu. Infelizmente, ele não se comportou como Jesus ou Buda – de forma alguma. É importante que ele tenha torturado pessoas, cortado suas cabeças e feito escravas sexuais, porque seu exemplo pretende inspirar seus seguidores para sempre.

Existem muitos, muitos versículos no Alcorão que exortam os muçulmanos a travar a jihad – a jihad como guerra santa contra apóstatas e incrédulos – e pensa-se que os mais violentos deles substituem quaisquer que pareçam mais benignos. 

Mas a verdade é que não há muita coisa benigna no Alcorão; certamente não existe Jesus como o encontramos em Mateus exortando as pessoas a amarem seus inimigos e darem a outra face. Toda a decapitação que vemos ser praticada por jihadistas não é um acidente; está no Alcorão e no registro mais amplo da vida do Profeta.

Pior, na minha opinião, é a lógica moral que se obtém da doutrina do martírio e do Paraíso. Se você levar a sério o martírio e o Paraíso, será impossível cometer erros morais. Se você se explodir no meio de uma multidão, seus companheiros muçulmanos irão direto para o Paraíso. Você realmente fez um favor a eles. Os incrédulos irão para o Inferno, onde eles pertencem. Não importa quantas vidas você destrua, está tudo bem.

Mais uma vez, a maior parte deste horror não tem nada a ver com Israel ou com o Ocidente. Em 2014, seis jihadistas afiliados aos talibãs paquistaneses atacaram uma escola em Peshawar. Esses jihadistas vieram de fora do Paquistão; havia um checheno, dois afegãos e três árabes. Eles assassinaram 145 pessoas, 132 das quais eram crianças. Eles queimaram uma professora viva na frente de seus alunos e depois mataram todas as crianças que encontraram. Eles não fizeram nenhum refém. Eles não tinham uma lista de demandas. Eles pretendiam morrer para alcançar o martírio. E eles morreram, então conseguiram pelo menos metade do que queriam. 

É muito difícil para as pessoas seculares compreenderem como esse comportamento poderia ser possível. Eles presumem que apenas loucos fariam esse tipo de coisa.

Não é preciso ser louco
para se tornar jihadista.
Basta ser crente


Mas esse é o horror: não é preciso estar louco para ser um jihadista. Você nem precisa ser uma pessoa má. Você apenas tem que ser um verdadeiro crente. Você só precisa saber, com certeza, que você e todas as pessoas boas conseguirão tudo o que desejam depois de morrer e que o Criador do Universo não deseja nada mais do que que você mate os incrédulos. Aqui está o que um apoiador do Talebã paquistanês disse quando entrevistado sobre o massacre na escola:


A vida humana só tem valor entre vocês, pensadores materialistas mundanos. Para nós, esta vida humana é apenas um fragmento minúsculo e sem sentido da nossa existência. Nosso verdadeiro destino é a outra vida. Não apenas acreditamos que existe, sabemos que existe.

A morte não é o fim da vida. É o início da existência de um mundo muito mais bonito que este. Como você sabe, a palavra [urdu] para morte é “intiqaal”. Significa “transferência”, não “fim”.

O paraíso é para aqueles de coração puro. Todas as crianças têm corações puros. Eles ainda não pecaram... Elas ainda não foram corrompidas por [seus pais kafir]. Nós não acabamos com suas vidas. Demos-lhes novos no Paraíso, onde serão mais amadas do que vocês podem imaginar.

Eles serão recompensados ​​pelo seu martírio. Afinal, também nos martirizamos com eles. As últimas palavras que ouviram foram o slogan de Takbeer [“Allah u Akbar”].

Allah Todo-Poderoso diz na Surhah Al-Imran [3:169–170] que eles não estão mortos.

Você nunca vai entender isso. Se a sua fé for pura, você não irá lamentá-los, mas celebrará o seu nascimento no Paraíso.


O que quero dizer é que temos de aceitar declarações desse tipo pelo seu valor nominal, porque são confissões honestas de uma cosmovisão – e é uma cosmovisão que é totalmente antitética a tudo o que as pessoas civilizadas valorizam no século XXI. Esse problema é muito maior do que a crise em curso entre Israel e os palestinos.

Sempre tive uma posição paradoxal em relação a Israel. Eu disse que não creio que deva existir como um Estado judeu – porque, na minha opinião, organizar um Estado em torno de uma religião é irracional e causa divisão. 

Isto decorre diretamente das minhas opiniões sobre a religião organizada em geral. Portanto, obviamente, também não creio que deva haver Estados muçulmanos – ou cristãos, aliás. Contudo, há mais de vinte países onde o Islã é a religião oficial do Estado e mais de cinquenta onde os muçulmanos são a maioria – e há exatamente um Estado Judeu. 


Nenhum grupo foi alvo
de mais ódio e crimes de
ódio do que os judeus



Dada a história do anti-semitismo genocida, que persiste até hoje, principalmente no mundo muçulmano, dado que os judeus foram expulsos de todos os outros países do Médio Oriente e do Norte de África onde viveram durante séculos, se algum povo merece uma Estado próprio, organizado em qualquer premissa que queiram, são os judeus.

Em 1939, o SS St. Louis , um navio que transportava mais de 900 judeus que procuravam escapar do Holocausto, teve sua entrada negada em Cuba, nos Estados Unidos e no Canadá e depois foi forçado a retornar à Europa, onde muitos desses judeus acabaram no fornos de Auschwitz. 

Na minha opinião, essa é toda a justificação necessária para Israel. Nunca mais os judeus deveriam implorar para permanecer em algum pedaço seco de terra, apenas para serem negados e depois sistematicamente assassinados.

Nunca levei muito a sério o anti-semitismo moderno. Acho que fiz exatamente um episódio do meu podcast sobre o assunto. Eu estudei isso. Compreendo as suas raízes na teologia cristã – apesar do fato de Jesus, os seus apóstolos e a Virgem Maria serem todos judeus. 

Sou um estudante do Holocausto. E estou bem ciente do anti-semitismo que existia na Europa e nos Estados Unidos na altura. Leia o livro de David Wyman, "O Abandono dos Judeus", para compreender quão difundido era o anti-semitismo na América, mesmo quando os judeus eram mortos aos milhões na Europa. 

Claro, estou perfeitamente consciente do anti-semitismo que é endêmico no Islã – e da forma como foi comprimido num diamante de intolerância e ódio em todo o mundo muçulmano pela influência moderna do nazismo. Há uma história muito deprimente lá para quem quiser lê-la.

E tenho consciência de que, ano após ano, nos Estados Unidos, nenhum grupo foi alvo de mais ódio e crimes de ódio do que os judeus. Isso é algo que muitos americanos não estão cientes. Como eu disse, a esquerda americana quer que acreditemos que a “islamofobia” é uma grande preocupação. A vice-presidente Kamala Harris dirige agora uma comissão sobre a “islamofobia” na América, como se esse fosse o problema que temos visto recentemente – apenas uma manifestação massiva de ódio aos muçulmanos na América por parte de não muçulmanos. Isso já aconteceu?

Mesmo logo após o 11 de Setembro, os judeus foram muito mais visados ​​do que os muçulmanos. E isso tem sido verdade todos os anos desde então. De acordo com estatísticas do FBI, embora os judeus representem pouco mais de 2% da população, eles recebem mais de metade do ódio na América e cinco vezes mais que os muçulmanos (e penso que é seguro dizer que muito deste ódio vem dos próprios muçulmanos). As escolas e sinagogas judaicas sempre incorreram em custos de segurança maiores do que as instituições não-judaicas, e por boas razões, porque a ameaça para elas é maior.

Embora este status quo tenha sido desprezível, sempre acreditei que era tolerável. E digo isso como alguém que recebeu ameaças de morte durante duas décadas, e muitas dessas ameaças são muitas vezes explicitamente anti-semitas. Mesmo tendo em conta tudo isto, senti que o anti-semitismo, como uma ameaça real para os judeus, certamente no Ocidente, ficou para trás. Não posso dizer isso agora. Nas últimas semanas, com os judeus a serem abertamente insultados e ameaçados em todo o mundo, logo após as mais chocantes atrocidades cometidas contra eles desde o Holocausto, comecei a pensar que tudo é possível.

A propósito, se você já se perguntou como poderia ter se comportado se fosse alemão na manhã seguinte à Kristallnacht - se você já se perguntou se teria apenas cuidado de seus negócios ou feito algo para resistir ao deslizamento de sua sociedade para a depravação absoluta – mais ou menos todas as pessoas na Terra estão agora a ter a oportunidade de ver exatamente isso. Havia uma multidão cantando “Gás nos Judeus” em frente à Ópera de Sydney. 

Temos estudantes judeus nas universidades da Ivy League, encolhidos atrás de portas trancadas, temendo pela sua segurança física. Todos os administradores universitários, gênios da diversidade, equidade e inclusão e celebridades de Hollywood que se apressaram em assinar cartas abertas em apoio à causa palestina – sem parar um momento para entender o que realmente aconteceu em 7 de outubro, ou sem entender e não se importar – vocês estão todos agora parte da história.


Hamas celebra o sadismo
genocida como sacramento 
religioso e culto à morte



A onda de anti-semitismo que temos testemunhado desde 7 de Outubro parece realmente marcar um novo momento, tanto nos Estados Unidos como a nível mundial. E pela primeira vez, agora me preocupo que minhas filhas vivam em um mundo onde seu judaísmo será importante para pessoas que não desejam o seu bem, e elas serão forçadas a fazer certas escolhas de vida com base nisso, escolhas que eu nunca fiz. 

Além de ser uma figura pública e de ter que lidar com pessoas desordenadas de todos os tipos, nunca me preocupei com o anti-semitismo nem por cinco minutos na minha vida. Agora sinto que fui bastante ingênuo. Isso é ser caridoso. Tenho sido totalmente ignorante sobre o que está acontecendo abaixo da superfície.

É claro que a fronteira entre o anti-semitismo e a estupidez moral genérica é um pouco difícil de discernir – e não tenho a certeza de que seja sempre importante encontrá-la. 

Não tenho certeza se importa por que uma pessoa não consegue distinguir entre danos colaterais em uma guerra necessária e atos conscientes de sadismo genocida que são celebrados como um sacramento religioso por um culto à morte. 

As nossas ruas têm estado cheias de pessoas que literalmente tropeçam em si mesmas na sua ânsia de demonstrar que não conseguem distinguir entre aqueles que matam bebés intencionalmente e aqueles que os matam inadvertidamente, tendo feito grandes esforços para evitar matá-los, ao mesmo tempo que se defendem contra as próprias pessoas que acabei de torturar e matar intencionalmente homens e mulheres inocentes e, sim... bebês; e que estão empenhados em fazer isso novamente em qualquer oportunidade, e que estão a usar os seus próprios não combatentes inocentes como escudos humanos; que matam pais na frente dos filhos e filhos na frente dos pais; que queimaram pessoas vivas num festival de música dedicado à “paz”, decapitaram outras pessoas e arrastaram os seus corpos desmembrados pelas ruas, tudo sob gritos de “Deus é grande”.

Se você está reconhecendo a humanidade dos verdadeiros bárbaros, enquanto demoniza as pessoas que realmente se preocupam com os crimes de guerra e que espalham panfletos e ligam para celulares durante dias, em um esforço para fazer com que os não combatentes deixem edifícios específicos antes de serem bombardeados, porque esses edifícios ficam em topo de túneis cheios de lunáticos genocidas que, mais uma vez, acabaram de torturar e assassinar diligentemente famílias como um sacramento religioso; se você pousou, com orgulho e hipocrisia, no lado errado dessa assimetria - esse vasto abismo entre a selvageria e a civilização - enquanto marchava pelo pátio de uma instituição da Ivy League usando calças de ioga, não tenho certeza se importa que sua confusão moral é devido ao fato de que você odeia os judeus. 

Se você é um anti-semita ou apenas um apologista de atrocidades, provavelmente é irrelevante. O ponto crucial é que você está perigosamente confuso sobre as normas morais e as simpatias políticas que fazem a vida neste mundo valer a pena.

Além do mais, vocês nem sequer se importam com aquilo que pensam que lhes interessa, porque não conseguiram ver que o Hamas, e os jihadistas em geral, são a principal causa de toda a miséria e disfunção que vemos - não apenas em Gaza, mas em todo o mundo. o mundo muçulmano. 

Gaza é apenas uma “prisão ao ar livre” porque o seu governo democraticamente eleito é uma organização jihadista que está ansiosa por martirizar todos os palestinianos pelo prazer de matar judeus. 

Um governo racional em Gaza que se preocupasse com o destino dos seus cidadãos poderia ter feito algo bonito – ou pelo menos não horrível – daquela faixa de terra no Mediterrâneo. Mas o Hamas gastou milhões de dólares em terrorismo. O sofrimento de Gaza deve-se ao fato de ter sido dirigida por um culto da morte, contra o qual Israel teve de se defender continuamente. 

A frase que continuamos a ouvir dos defensores de Israel – que “se os palestinianos largassem as armas, haveria paz; se os israelitas largassem as armas, haveria um genocídio” – é verdade.

Mas agora temos estudantes universitários nas nossas melhores universidades a rasgar cartazes de reféns detidos pelo Hamas – alguns dos quais são americanos, e alguns dos quais são crianças – imaginando que estão a apoiar a causa palestiniana. Isso confunde a mente. Temos ativistas LGBTQ apoiando o Hamas – quando eles não sobreviveriam um dia em Gaza porque o Hamas joga dos telhados qualquer pessoa suspeita de ser gay. São directamente apoiados pelo Irão, onde os homossexuais são regularmente enforcados.

Temos organizações feministas como a CodePink apostando tudo no Hamas e acusando os israelenses de genocídio. Eles entendem como o Hamas trata as mulheres? A CodePink apoiou as mulheres iranianas que foram presas e até mortas por ousarem mostrar o cabelo em público? Será que percebem que as mulheres são tratadas como propriedade em todo o mundo muçulmano e que isso não é um acidente?


O ódio e a confusão moral
tendem a acabar com o 
identitarismo da esquerda



Sob o Islã, a mensagem central sobre as mulheres é que elas são cidadãs de segunda classe e propriedade dos homens. Em vez de apoiarem os direitos das mulheres e das mulheres de não viverem como escravas, os liberais ocidentais apoiam o direito dos teocratas de tratarem as suas esposas e filhas como quiserem, desde que esses teocratas sejam muçulmanos.

Se algo de bom resultar dessa onda de ódio e confusão moral, será o fim da política identitária da esquerda. 

Uma amiga minha estava em uma inauguração de arte, onde se servia aperitivos, e uma jovem ela conhecia lhe perguntou se tinha comida nos dentes. E minha amiga respondeu: “Não, seus dentes são perfeitamente brancos e lindos”. 

A jovem, negra, considerou a associação dos termos branco e bonito uma microagressão. Ela ficou muito ofendida e saiu furiosa. O quê, ela queria dentes marrons? 

Não sei nada sobre essa pessoa além dessa anedota, mas garanto que esse prodígio de justiça social está completamente confuso sobre Israel, o Hamas e o jihadismo. 

Essa jovem é do tipo de pessoa para quem as palavras são violência, mas massacrar mulheres e crianças com facas, ou queimá-las vivas, é uma resposta completamente defensável à “opressão”.

A maior parte dos círculos de elite do Ocidente – a academia, Hollywood, os meios de comunicação social, as organizações sem fins lucrativos – foram envenenados, de uma forma ou de outra, por essa psicose de justiça social, em que os danos imaginários sejam encarados como se fossem preocupações existenciais, e o mal puro é facilmente ignorado. cancelada ou mesmo celebrada como uma vitória moral.

A linha clara, eticamente, entre Israel e os seus inimigos pode ser vista na questão dos escudos humanos. Há pessoas que os usam, e há pessoas que são dissuadidas por eles, ainda que de forma imperfeita. 

O Hamas colocou a sua sede em Gaza sob um hospital. Deixem-me repetir: o Hamas colocou o seu quartel-general em Gaza sob um hospital. 

Mais uma vez, imaginem os judeus de Israel a fazer isso, e imaginem quão pouco importaria para o Hamas se o fizessem. 

O Hamas está dizendo às pessoas para permanecerem em Gaza e até as impediu fisicamente de sair, para que fossem mortas pelas bombas israelitas. O Hamas está usando  o seu próprio povo como escudos humanos – além dos mais de 200 reféns que fizeram para esse fim. 

Ninguém se preocupa menos com as mulheres e crianças palestinianas do que o Hamas. Por mais horríveis que sejam as imagens que saem de Gaza, é o Hamas quem deve ser responsabilizado pela perda de vidas ali.

Você está pedindo um cessar-fogo agora? Houve um cessar-fogo em 6 de outubro. O Hamas quebrou-o assassinando deliberadamente mais de 1.400 pessoas inocentes.

É claro que Israel deveria respeitar os mais elevados padrões éticos para travar a guerra. Por duas razões: uma, porque deveria. É certo que as Forças de Defesa de Israel (IDF) façam tudo o que puderem para minimizar a perda de vidas inocentes. E, segundo, devem manter-se nos mais elevados padrões éticos porque o resto do mundo irá exigir-lhes padrões impossíveis.

Vejam esses protestos que estamos vendo em todo o mundo, que começaram antes de Israel ter lançado uma única bomba. Agora que houve vários milhares de vítimas palestinianas, cidades de todo o mundo fervilham de raiva. Mas Assad matou centenas de milhares dos seus companheiros muçulmanos na Síria. Os sauditas mataram bem mais de 100 mil muçulmanos no Iémen. Onde estão os protestos? 

Ninguém se importa, muito menos os muçulmanos. Eles só se importam quando os não muçulmanos produzem estas vítimas – e preocupam-se especialmente quando os judeus o fazem. 

Israel é sistematicamente condenado pelas Nações Unidas, e a ONU não conseguiu aprovar uma condenação do Hamas pelas atrocidades que cometeu em 7 de Outubro.

Como eu disse, não sei se uma invasão terrestre é a abordagem correta. Mas não há dúvida de que Israel teve de agir; eles têm que destruir o Hamas e, faça o que fizerem, os não combatentes serão mortos no processo. Mais uma vez, isto é culpa do Hamas.

Mas o problema é muito maior do que o Hamas. As pessoas civilizadas em todo o mundo – tanto não muçulmanas como muçulmanas – não têm outra escolha senão combater o jihadismo. Isto tem sido flagrantemente óbvio desde o 11 de Setembro de 2001, mas deveria ser muito mais óbvio agora. Para Israel, o 7 de Outubro foi muito pior do que o 11 de Setembro foi para a América. Quase não há comparação. 

A ameaça revelada a Israel é realmente existencial. Contudo, a longo prazo, penso que a ameaça do jihadismo é existencial também para o Ocidente.

Isso exige uma conversa muito mais longa sobre o que fazer em relação ao jihadismo. Acontece que penso que a maior parte da nossa resposta a isso deveria ser encoberta. Não sei por que razão os israelitas, os americanos, os britânicos ou qualquer outra pessoa têm de receber o crédito por alguma coisa. 

Não importa o tempo que leve, os membros do Hamas, do Hezbollah, da Al-Qaeda, do Estado Islâmico, da Al-Shebab, do Boko Haram, dos Taliban Paquistaneses e de todas as outras organizações jihadistas na Terra devem ser levados a compreender, todos os dias das suas vidas, que o o martírio que procuram lhes será concedido. 

Os jihaistas não são
antagonistas com
exigências racionais 


O jihadismo deve ser destruído de todas as maneiras possíveis – logisticamente, economicamente, informativamente, mas também no sentido mais material, o que significa matar muitos jihadistas. Podemos discutir com os seus simpatizantes. E podemos esperar desradicalizá-los. Mas também temos de matar jihadistas comprometidos. Esses não são antagonistas normais com exigências racionais. Essas não são pessoas que querem o que nós queremos. Isto não é política e nunca será política. É uma guerra muito longa.

Em 2016, lancei um episódio do meu podcast intitulado “What Do Jihadists Really Want?” [O que os jihaistas querem realmente?"], baseado numa edição da revista Dabiq , publicada pelo Estado Islâmico. 

É preciso que se entenda que a ideologia jihadista não tem nada a ver com Israel, a política externa americana, o colonialismo ou qualquer outra queixa racional, e não há nenhuma concessão que qualquer sociedade civilizada possa fazer para apaziguá-la.

Esquecemos do jihadismo nos últimos anos. Mas não desapareceu. Independentemente do que se pense sobre a nossa retirada do Afeganistão, ela foi certamente vista como uma vitória pelos jihadistas de todo o mundo – e as implicações disso ainda não foram sentidas.

No Ocidente, tendemos a permanecer inconscientes do terrorismo islâmico (que é apenas outro nome para o jihadismo), a menos que aconteça nos Estados Unidos ou na Europa. Não tendemos a reparar nas atrocidades jihadistas cometidas no Afeganistão, no Paquistão ou na Índia, muito menos na dúzia de países de África que as sofrem mais ou menos continuamente. E desconhecemos totalmente as conspirações frustradas, das quais houve muitas.

Como disse, também tendemos a pensar em termos de “terrorismo” ou “extremismo violento” e, embora eu próprio utilize essas palavras, temos de nos concentrar no jihadismo, porque esse é o compromisso ideológico subjacente.

Os próprios jihadistas não são uma frente unificada. Existe um cisma muito profundo entre sunitas e xiitas – apesar do fato de alguns grupos colaborarem nesse sentido, como vemos com o Hamas e o regime iraniano. 

Há divisões internas mesmo entre jihadistas da mesma fé. Os talibãs afegãos e paquistaneses nem sequer se dão bem neste momento. E isso é uma coisa muito boa. Esperemos que tenhamos um exército de pessoas inteligentes com as competências linguísticas necessárias, semeando ódio e confusão entre grupos jihadistas vinte e quatro horas por dia. Mas os jihadistas estão todos unidos no seu ódio aos valores liberais ocidentais, na sua certeza do Paraíso e na sua vontade de transformar este mundo num matadouro para a glória de Deus.

Não podemos tolerar jihadistas. Não podemos deixá-los imigrar para as nossas sociedades abertas. E por nós, quero dizer não apenas os não muçulmanos. Refiro-me a todos os muçulmanos que desejam viver vidas sãs no século XXI.

No caso de Israel e da Palestina, os palestinianos têm de se livrar dos seus jihadistas. E se isso não for possível, uma paz estável com os palestinianos não será possível.

Mas esse problema é muito maior do que Israel, ou mesmo do que o anti-semitismo global. Passe algum tempo lendo sobre como o Estado Islâmico trata os xiitas. Veja a história do terrorismo no Paquistão ou na Índia. Se você quiser uma maneira totalmente indolor de fazer isso, assista Hotel Mumbai —é um ótimo filme que retrata os ataques terroristas em Mumbai em 2008 pelo grupo paquistanês Lashkar-e-Taiba. 

Se você esqueceu, cerca de uma dúzia de jihadistas mataram mais de 160 pessoas em Mumbai, muitas delas no Taj Hotel, e o filme mostra isso com um realismo brutal. E embora também tenham matado alguns judeus, num centro judaico, esse ataque não teve nada a ver com Israel, a América, a raça, o chamado “colonialismo de colonos”, ou qualquer outro fator em que os companheiros de viagem esquerdistas se fixaram desde Outubro. 

Realmente, esse é o dever de casa menos chato que você receberá. Vá assistir ao Hotel Mumbai e, quando a matança começar, pergunte-se como alguém, oriental ou ocidental, muçulmano ou não muçulmano, pode viver com essas pessoas.

Existe uma intuição de que, para resolver os problemas do Médio Oriente, devemos compreendê-los em toda a sua profundidade e complexidade. E para isso, o mais importante a enfrentar é o chamado “contexto histórico”. Mas para efeitos de realmente compreender este conflito e a razão pela qual é tão intratável, o contexto histórico é uma distração – cada momento gasto a falar de algo diferente do jihadismo é um momento em que o oxigênio da sanidade moral está saindo da sala.

Não há como resolver isso com referência à história, porque qualquer grupo pode decidir arbitrariamente onde ajustar o mostrador de sua máquina do tempo. Em qualquer caso, os judeus em Israel são “povos indígenas”. Os britânicos eram colonialistas. Os colonialistas têm algum lugar para onde voltar. Para onde os judeus poderiam voltar? 

Tem havido uma presença contínua de judeus no que hoje é Israel há milhares de anos. A maioria dos imigrantes recentes – judeus do Iraque, da Síria, do Iémen, da Líbia e de outros países de maioria muçulmana – foram expulsos das suas casas pelos seus vizinhos muçulmanos depois de 1948, numa punição coletiva pela fundação de Israel. Alguém está falando sobre seu direito de retorno? Há pessoas deslocadas em todo o mundo, mas apenas os palestinos foram transformados num fetiche global pelo seu direito de regresso.


Manifesto de 100 mil pessoas 
em apoio ao Hamas significa 
que temos um problema



Aliás, se uma história de roubo de terras e opressão fosse suficiente para produzir terrorismo genocida, onde estão os homens-bomba suicidas dos nativos americanos? Onde estão os homens-bomba suicidas budistas tibetanos? Você percebe quanta opressão eles sofreram nas mãos dos chineses? Onde estão os homens-bomba cristãos palestinos? (Acho que houve um.) 

A verdade é que as ideias são importantes. É absolutamente importante o que as pessoas acreditam. A certeza sobre o Paraíso e sobre o martírio como forma de chegar lá é um dos venenos meméticos mais potentes que a mente humana já produziu. 

Qualquer que seja o contexto histórico, político ou económico que se queira aplicar a Israel e à Palestina, o jihadismo é real; as suas intenções para com os judeus, infiéis e apóstatas são genocidas; e este é um problema global, porque o jihadismo goza de um nível de apoio terrível em todo o mundo muçulmano, apesar de ser responsável por muito mais mortes e destruição entre os muçulmanos do que os atos de autodefesa de Israel alguma vez foram.

Agora, obviamente, há populações inteiras em todo o mundo muçulmano que são efetivamente reféns dos fanáticos religiosos que as controlam – e certamente uma grande percentagem dos palestinianos enquadra-se nessa descrição, tal como grande parte do Irã. Mas é muito fácil subestimar quanta simpatia existe pelo projeto jihadista entre os muçulmanos que não estão eles próprios a travar ativamente a jihad. E isso é uma coisa terrível de se contemplar. 

Quando 100 mil pessoas aparecem no centro de Londres em apoio ao Hamas, temos um problema. É claro que é uma questão em aberto quantas dessas pessoas realmente apoiam a jihad. Mas imaginar que poucos o fazem é pura ilusão. Temos que vencer uma guerra de ideias com essas pessoas. Porque se o futuro for remotamente tolerável, a grande maioria dos muçulmanos terá de repudiar o jihadismo e unir-se aos não muçulmanos para combatê-lo. 

Quando centenas de milhares de pessoas aparecerem em Londres para condenar o Hamas, o Estado Islâmico ou qualquer caso específico de selvageria jihadista, sem que ambos os lados afirmem nada, então saberemos que fizemos um mínimo de progresso. 

Quando milhões de muçulmanos saírem às ruas em protesto, não por causa dos desenhos animados que retratam o profeta Maomé, mas pelo assassinato de cartunistas pelos seus próprios fanáticos religiosos, saberemos que um futuro aberto de tolerância pluralista poderá ser possível.

Sim, existem muitos outros problemas no mundo neste momento. Há a guerra na Ucrânia e a possibilidade iminente de conflito entre os Estados Unidos e a China. Alguns desses problemas parecem muito maiores do que o jihadismo, mas todos admitem alguma base racional para negociação e compromisso. Por mais más que sejam as coisas com os Russos ou os Chineses, eles não estão gritando  “Nós amamos a morte mais do que os Americanos e os Europeus amam a vida”. 

Só o jihadismo tem o poder de transformar o nosso futuro num filme de zombies. Os jihadistas são o inimigo com quem não há compromisso racional ou pragmático a fazer – nunca.

Como já disse muitas vezes, o mundo muçulmano precisa de vencer uma guerra de ideias consigo mesmo, e talvez várias guerras civis. Tem que se desradicalizar. Tem de transformar a doutrina da jihad em algo muito mais benigno do que é, e tem de parar de apoiar os seus fanáticos religiosos quando estes entram em conflito com não muçulmanos.

Isto é o que é tão tóxico: os muçulmanos apoiam outros muçulmanos, não importa quão sociopata e insano seja o seu comportamento. E se o mundo muçulmano e a esquerda política não conseguem resistir ao jihadismo, é apenas uma questão de tempo até que a sua cegueira moral fortaleça totalmente o autoritarismo de direita no Ocidente. Se os liberais seculares não criarem fronteiras seguras, os fascistas cristãos o farã.


Existe uma linha clara
entre o bem e o mal
das más ideias



Pode haver dois lados do passado, mas realmente não existem dois lados do presente. A história de como os palestinos e os judeus começaram a lutar pela terra no Médio Oriente tem dois lados. Compreender tudo isto é importante – e penso que é importante compreender o jogo cínico que o mundo árabe tem jogado com a situação dos palestinos durante os últimos cinquenta anos. 

Se algum dia existir um acordo político estável a ser alcançado entre Israel e os palestinos, isso implicará um desemaranhamento total dos fatos de toda a propaganda que os obscurece, mantendo ao mesmo tempo o problema do jihadismo em vista. 

Também implicará que os lunáticos religiosos do lado judeu sejam marginalizados. Como disse, a construção de colonatos tem sido uma provocação contínua. Mas mesmo no que diz respeito ao fanatismo religioso, não há realmente dois lados sobre os quais valha a pena falar agora.

Independentemente das coisas terríveis que os colonos israelitas ocasionalmente façam – e esses são crimes pelos quais deveriam ser processados ​​– de um modo geral, o mundo não tem problemas com os fanáticos religiosos judeus que atacam os muçulmanos nas suas mesquitas e escolas. 

Você literalmente não pode abrir uma escola judaica em Paris porque ninguém vai garantir isso. Sim, existem lunáticos de ambos os lados, mas as consequências da sua loucura não são equivalentes – nem remotamente equivalentes. Não passamos os últimos vinte anos tirando os sapatos no aeroporto porque há muitos judeus fanáticos ansiosos por se explodirem em aviões.

Existe uma linha clara entre o bem e uma forma muito específica de mal que devemos manter em mente. É o mal das más ideias – ideias tão más que podem tornar impossível conviver até com seres humanos comuns.

Há um áudio de 7 de outubro que muitas pessoas comentaram. É a gravação de uma ligação de celular que um membro do Hamas fez para sua família, enquanto estava massacrando homens, mulheres e crianças inocentes. 

O homem está em êxtase, contando ao pai e à mãe, e acho que ao irmão, que acabou de matar dez judeus com as próprias mãos. Ele tinha acabado de assassinar marido e mulher e agora estava ligando para sua família do telefone da mulher morta.

Aqui está uma transcrição parcial do que ele disse:


"Oi pai. Abra meu WhatsApp agora e você verá todos os mortos. Veja quantos eu matei com minhas próprias mãos! Seu filho matou judeus!”

E seu pai diz: “Que Deus proteja você”.

“Pai, estou falando com você do telefone de uma judia. Eu a matei e matei o marido dela. Eu matei dez com minhas próprias mãos! Pai, dez com minhas próprias mãos! Pai, abra o WhatsApp e veja quantos eu matei, pai. Abra o telefone, pai. Estou te ligando no WhatsApp. Abra o telefone, vá. Pai, eu matei dez. Dez com minhas próprias mãos. O sangue deles está em suas mãos. [Acredito que seja uma referência ao
Corão.] Coloque a mamãe.”

E o pai diz: “Oh, meu filho. Deus o abençoe!"

“Mãe, matei dez com minhas próprias mãos!

E seu pai diz: “Que Deus o leve para casa em segurança”.

“Pai, volte para o WhatsApp agora. Pai, quero fazer uma transmissão ao vivo.

E a mãe agora diz: “Eu gostaria de estar com você”.

“Mãe, seu filho é um herói!”

E então, aparentemente conversando com seus camaradas, ele grita: “Matem, matem, matem, matem!"

E então seu irmão atende, perguntando onde ele está. E ele diz ao irmão o nome da cidade e depois diz: 

“Eu matei dez! Dez com minhas próprias mãos! Estou falando com você do telefone de um judeu!”

E o irmão diz: “Você matou dez?”

“Sim, eu matei dez. Juro!"

Então ele diz: “Eu sou o primeiro a receber a proteção e ajuda de Allah! [Certamente esta é outra referência ao Corão.] Mantenha sua cabeça erguida, Pai. Mantenha sua cabeça erguida! Veja no WhatsApp aqueles que matei. Abra meu WhatsApp.”

E seu irmão diz: “Volte. Volte."

E ele diz: “O que você quer dizer com voltar? Não há como voltar atrás. É morte ou vitória! Minha mãe me deu à luz para a religião. Que há com você? Como eu voltaria? Abra o WhatsApp. Veja os mortos. Abra."

E parece que a mãe está tentando descobrir como abrir o WhatsApp…

“Abra o WhatsApp no ​​seu celular e veja os mortos, como eu os matei com minhas próprias mãos.”

E ela diz: “Bem, prometa voltar”.<<


É uma cultura que ensina
o ódio aos judeus e o
amor ao martírio


Eu diria a você que este trecho de áudio é mais do que apenas o pior comercial do WhatsApp já concebido. É uma janela para uma cultura. Esse não é o tipo de chamada que teria sido feita do Vietname por um americano que acabou de participar no massacre de My Lai. Nem é a reação dos pais que se esperaria de uma família americana caso seu amado filho tivesse acabado de chamá-los de um campo de extermínio.

Por mais terrível que tenha sido o Vietnã, você pode imaginar uma ligação para Nebraska: “Mãe, matei dez com minhas próprias mãos! Matei uma mulher e o marido dela, e estou ligando do telefone da mulher morta. Mãe, seu filho é um herói! 

Você vê que aberração total isso teria sido, mesmo in extremis?

Esta ligação não foi uma aberração total. Esse não era Ted Bundy ligando para sua mãe. Tratava-se de um membro comum do Hamas, um grupo que ainda hoje poderá ganhar uma eleição, especialmente na Cisjordânia, convocando uma família palestina comum, e a mera existência desse apelo, para não falar do seu conteúdo, revela algo sobre o contexto mais amplo cultura entre os palestinos.

É importante salientar que não só os membros do Hamas, mas também os cidadãos comuns de Gaza parecem ter participado na tortura e no assassinato de israelitas inocentes e na tomada de reféns.

Quantos fizeram isso? E quantos cidadãos comuns de Gaza dançavam nas ruas e cuspiam nas mulheres e jovens capturadas que desfilavam diante deles depois de terem sido violadas e torturadas?

Que percentagem de palestinos em Gaza, ou na Cisjordânia, muitos dos quais dizem odiar o Hamas pela sua corrupção, incompetência e brutalidade, apoiam, no entanto, o que fizeram em 7 de Outubro com a consciência limpa, com base no que acreditam sobre os judeus e os ética da jihad?

Não sei, mas tenho certeza de que as respostas a essas perguntas seriam bastante alarmantes. Estamos falando de uma cultura que ensina o ódio aos judeus e o amor ao martírio nas suas escolas primárias, muitas das quais são financiadas pelas Nações Unidas.

É claro que todo este horror é agravado pela ironia de que os judeus que foram mortos em 7 de Outubro eram, na sua maioria, liberais empenhados e ativistas pela paz. 

O Hamas matou o tipo de pessoas que se voluntariam para levar palestinos doentes a Israel para tratamentos médicos. Eles assassinaram as pessoas mais idealistas de Israel. Estupraram, torturaram e mataram jovens num festival de música dedicado à paz, metade dos quais provavelmente tomavam MDMA [um tipo de anfetamina com efeitos estimulantes e alucinógenos] e não sentiam nada além de amor por toda a humanidade quando os jihadistas chegaram. 

Em termos de distância cultural e moral, é como se os vikings aparecessem no Burning Man e massacrassem todos que estivessem à vista.

Basta pensar no que aconteceu no festival de música Supernova: pelo menos 260 pessoas foram assassinadas das formas mais sadicamente horríveis possíveis. Decapitado, queimado vivo, explodido com granadas... e do lado jihadista isso não foi um erro. Não é que se eles pudessem saber o que havia nos corações daqueles lindos jovens, eles teriam pensado: “Oh meu Deus, estamos matando as pessoas erradas. Essas pessoas não são nossos inimigos. Essas pessoas estão cheias de amor e compaixão e não querem nada mais do que viver em paz conosco.” 

Não, o verdadeiro horror é que, tendo em conta o que os jihadistas acreditam, esses eram precisamente o tipo de pessoas que qualquer bom muçulmano deveria matar e enviar para o Inferno, onde podem ser torturados no fogo durante toda a eternidade. 


Para jihadistas, tortura e 
assassinato de pessoas 
indefesas é ato de adoração



Do ponto de vista jihadista, não há erro aqui. E não há base para remorso. Por favor, absorvam este fato: para os jihadistas, todo este sadismo – a tortura e o assassinato de pessoas indefesas e aterrorizadas – é um ato de adoração. É um sacramento. Este não é um afastamento nauseante do caminho para Deus. Isto não é um progresso espiritual estagnado, muito menos pecado. Isto é o que você faz para a glória de Deus. Isto é o que o próprio Maomé fez.

Não há substituto para compreender o que os nossos inimigos realmente querem e acreditam. Tenho certeza de que muitos de vocês que estão lendo isso nem se sentem confortáveis ​​com o uso do termo inimigo porque não querem acreditar que têm algum. 

É preciso compreender, contudo, que as pessoas que massacraram mais de 1.400 homens, mulheres e crianças inocentes em Israel, no dia 7 de Outubro, praticavam sinceramente a sua religião. Eles estavam sendo tão espirituais, do ponto de vista deles, quanto os dançarinos de transe do festival Supernova estavam sendo do ponto de vista deles. 

Os jihadistas eram igualmente devotados aos seus valores mais elevados. Igualmente elevado. Em êxtase. Eles não gostariam de trocar de lugar com ninguém. Deixe esta imagem pousar em seu cérebro: eles gritavam “Allahu Akbar” (“Deus é grande”) o dia todo enquanto assassinavam mulheres e crianças. 

E essas pessoas estão agora sendo celebradas em todo o mundo por aqueles que entendem exatamente o que fizeram. Sim, muitos dos universitários de Harvard, Stanford e Cornell são apenas idiotas que têm muito a aprender sobre o mundo. Mas na comunidade muçulmana, e isso inclui as multidões em Londres, Sydney e Brooklyn, o Hamas está sendo celebrado por pessoas que compreendem exatamente o que os motiva.

Mais uma vez, assista ao Hotel Mumbai ou leia um livro sobre o Estado Islâmico para poder ver o jihadismo noutro contexto – onde literalmente nenhuma das variáveis ​​que as pessoas imaginam ser importantes aqui está presente. 

Não há colonos, bloqueios, humilhações diárias em postos de controle ou diferentes interpretações da história – e ainda assim temos a mesma distorção grotesca do impulso espiritual, o mesmo sobrenatural emoldurado pelo assassinato, o mesmo mal absoluto que não requer a presença de pessoas más, apenas pessoas confusas – apenas verdadeiros crentes.

Claro, podemos fazer o nosso melhor para diminuir a temperatura agora. E podemos confiar que o ciclo de notícias será capturado por outra história. Podemos voltar a dirigir a nossa atenção para a Rússia, a China, as alterações climáticas ou o alinhamento da IA, e farei isso no meu trabalho, mas o problema do jihadismo e o problema muito mais vasto da simpatia por ele não vão desaparecer. E as pessoas civilizadas – tanto não muçulmanas como muçulmanas – têm de lidar com isso. 

Como eu disse em um episódio anterior do meu podcast sobre esse assunto: todos nós vivemos em Israel agora. Acontece que a maioria ainda não percebeu isso.

> Esse texto foi publicado originalmente por Free Inquiry.

Comentários

Marco Antônio F disse…
Ex-ministra de Israel explica truque usado pelo país para se defender
—————————————-
Ministra de três pastas diferentes, Shulamit Aloni conhece o governo de Israel por dentro e mostra o truque que o país usa para se defender de qualquer acusação

A política, escritora, educadora israelense Shulamit Aloni nunca deixou de defender suas ideias nem de dizer o que pensava.

Lutadora em Israel pela separação entre religião e estado, defensora de uma Constituição civil, dos direitos dos homossexuais, Shulamit Aloni foi ministra da Educação e da Cultura no governo de Yitzhak Rabin, da Ciência e Tecnologia e ministra das Artes.

Nesta entrevista de 2002, ela explica estratégia que Israel usa para se defender de qualquer acusação, como agora a de genocídio contra os palestinos: “Acuse os acusadores de antissemitismo”.
===============================
https://revistaforum.com.br/global/2024/3/29/ex-ministra-de-israel-explica-truque-usado-pelo-pais-para-se-defender-156441.html
Marco Antônio F disse…
Verdades inconvenientes sobre Israel
—————————————
Neste artigo, vou abordar três verdades que são fatos históricos comprovados, frequentemente omitidos pelos sionistas e pelos defensores mais intransigentes do estado de Israel. Eles são: 1) As origens socialistas do estado de Israel; 2) As origens terroristas do estado de Israel; 3) O papel opressivo de Israel no conflito Israel-Palestina.
——————————
Israel é um país que foi fundado por judeus que, em larga medida, eram comunistas, socialistas, marxistas e ateus. Israel não foi fundado por judeus religiosos (embora alguns rabinos tenham sido posteriormente cooptados pelo movimento sionista, para fortalecer a sua legitimidade).
—————————–
Permita-me citar alguns exemplos muito interessantes: David Ben-Gurion — considerado o pai fundador do moderno estado de Israel, e que inaugurou o ofício de Primeiro Ministro do país — era um fervoroso admirador do revolucionário soviético Vladimir Lênin. Seu grande sonho era ser mundialmente reconhecido como o “Lênin sionista”.
========================================
https://rothbardbrasil.com/verdades-inconvenientes-sobre-israel/
Marco Antônio F disse…
A Psicopatia Bíblica de Israel
https://legio-victrix.blogspot.com/2023/11/laurent-guyenot-psicopatia-biblica-de.html
betoquintas disse…
A miopia do Samuel é impressionante. Nos EUA e Europa, a islamofobia é tão real quanto o antissemitismo. Miopia, porque Hamas não representa os Palestinos nem os muçulmanos. Ele faz várias alegações sem evidências, um "pecado" para o ateísmo.
Paulo Lopes disse…
Hamas não representa os palestinos? O Hamas governa a Faixa de Gaza desde 2007,
ddco disse…
Nojo desse sujeito Sam Harris é um filogenocida SIONISTA óbvio que é um assecla do Imperialismo USA/UE Ateu sionista e Não duvido algum dia aparecer como ex--ateu pois é apoiante do CRISTOFASCISMO que hoje está com o Sionismo e Islamfóbico. Ele tem o mesmo vitimismo cristão religião criada pelo maior império da Antiguidade e sempre se fazendo de vítima.
betoquintas disse…
Paulo, governar não é sinônimo de representar.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa