Muçulmana é morta a pedradas por participar de concurso

Katya pagou com a vida
por ter "ofendido" Maomé
A ucraniana Katya Koren (foto), 19, foi apedrejada até a morte por participar de um concurso de beleza. O seu corpo foi encontrado na região da Crimeia, perto de sua casa, uma semana após seu desaparecimento. Estava enterrado em uma floresta.

A polícia prendeu três suspeitos, e um deles, Bihal Gaziev, 16, disse que Katya, uma muçulmana, foi morta por ter “violado a Sharia” – a lei islâmica.

Gaziev teria dito que não se arrepende de ter reagido a uma ofensa a Maomé.

A Ucrânia situa-se na Europa Oriental e fez parte da antiga União Soviética. Tem cerca de 50 milhões de habitantes. O regime de governo é presidencialista. A religião predominante é o cristianismo ortodoxo. Os muçulmanos representam 1,7% da população.

Amigos de Katya afirmaram que ela gostava de usar roupas da moda e produtos de beleza, como, aliás, a maioria das moças de sua idade.

No concurso, ela ficou em sétimo lugar. Em seguida, foi assassinada.

Comentários

Anônimo disse…
Antes que algum patrulheiro cristão apareça pra defender que, sem o ensinamento jesuítico “quem não tiver pecado atire a primeira pedra”, estaríamos na mesma condição que a dos misóginos assassinos xiitas; convém lembrar que segundo Nawal al Saadawi, 79 anos, a primeira feminista árabe a denunciar a castração das mulheres,( no post "mulher é inferior em todas as religiões", 10/03/2011 paulolopes.com.br, do El País); “o problema da mulher é crônico, e está enraizado no patriarcado e na religião”. A religião antiga era predominantemente feminina, e também todo o sistema econômico e socio-político compreendido como matriarcado; anterior ao presente, agrícola-patriarcal, que evoluiu até o industrialismo capitalista, sob o qual vivemos, eminentemente masculino e produtor de guerras e muita violência. A feminista egípcia prova que mulheres são inteligentes, sob qualquer condição cultural ou religiosa que lhes seja adversa, pois é capaz de perceber que "a mulher não pode se libertar sob nenhuma religião, porque as mulheres são inferiores em todas as religiões"("mulher é inferior em todas as religiões", 10/03/2011 paulolopes.com.br, do El País). Religiões, geralmente criadas por homens, assim como mitologias e demais sistemas rituais, códigos morais, todos masculinos criados depois da revolução agrícola-patriarcal; substituíram o paradigma biológico, da vida, expresso na veneração ao seio, ao útero, símbolos maternos da geração e criação vitais; pelo falo, símbolo da violência metálica sobre a terra, no intuito de agricultá-la, sobre as árvores, para derrubá-las e sobre os animais, e seres humanos, para matá-los. Uma mudança de paradigmas; do cooperativismo, e associativismo primitivos, evolutivos, para o guerreiro-civilizador, escravocrata e competitivo; verdadeiro sistema de criação do padrão metálico de riqueza, depois substituído pelo dinheiro e pela guerra. Coincidência ou não, os historiadores e antropólogos apontam para o fato de que as mulheres foram oprimidas durante estes últimos 6 mil anos, coincidindo com o período da dominação das religiões patriarcais, da invenção da história “adâmica”(em que o homem é criado antes da mulher por um deus masculino, sua imagem) e do sistema econômico-jurídico agrário patrimonial, que regula a transmissão da posse da terra pela herança, ao filho primogênito, nascido do casamento, donde a equivalência dos termos patrimônio e matrimônio. Contemplamos porém agora uma revolução em curso, pois mulheres críticas e pensadoras, como Nawal Al Saadawi, representam e encarnam que está em andamento a futura revolução de paradigmas, universal e efetiva. Seu slogan: "Pedimos uma Constituição, um Código e um Estado SECULARES", atesta que a consciência política feminina, no islamismo ou em qualquer outra civilização masculina, é capaz de atingir um elevado índice de desenvolvimento, em direção à emancipação universal e inclusiva, não separando homens de mulheres; tal como as políticas afirmativas de segmentos particulares, em curso no Ocidente, que separam homens de mulheres, heterossexuais e gays, ricos e pobres, etc. Afirma Naawi: "não podemos separar uns dos outros, a mulher não pode se libertar se o homem não estiver livre e vice-versa”.
juliano disse…
certa vez eu estava vendo um video de um ufólogo em uma palestra no youtube e uma pessoa perguntou se ele teria medo de encontrar algum et e ele respondeu o seguinte:
eu não tenho medo de extra terrestres, eu tenho medo é de humanos !!
Anônimo disse…
mais um "mito" religioso cai por terra, demolido literalmente a pedradas...a inviolável dignidade humana. até quando os povos árabes serão submetidos à essa estupidez e violência, mistificados sob o manto dissimulador da religião? ao lembrarmos porém que até 1960 dC, o código civil brasileiro assinalava que a mulher casada precisava de autorização por escrito, do marido, para trabalhar fora...e que somos um país "cristão"...tenho medo de pensar que a feminista muçulmana esteja certa.
Anônimo disse…
Crentes e muçulmanos são uma praga humana....E a culpa é da Gibiblia e do Albobão , 2 livros imcecis que incentivam atos como este...
Nathan disse…
karakas! que sacanagem...
moça tão linda...

Não se trata de "crer em Deus", ou ser religioso...
Trata-se de o ser humano se achar no direito de julgar seus semelhantes, ou de o homem pensar que pode julgar a mulher (por mais "santa" ou "prostituta" que seja)... não há nada mais tolo do que isso...

julgamento em mãos dos homens não é Justiça, mas sim, com certeza, INJUSTIÇA....
Anônimo disse…
o religião mais sem vergonha é esta muçulmana,se eu fosse rei aqui não entrava.

Punk
Anônimo disse…
Coisa de religioso taradão maluco!
Anônimo disse…
Religião é tudo a mesma bosta.Esse retardado seguidor do pedófilo maomerda deveria receber o mesmo tratamento que deu à moça.
Anônimo disse…
Vejam o desatino absurdo que a religião produz na mente alheia.
Marcia disse…
A estupidez impera ,não pode bater, então nóis mata !!!
Anônimo disse…
O Islamismo é a religião do capeta...
Anônimo disse…
Religião de merda, fábrica de covardes e inúteis. Espero que a seleção natural dê um jeito nesse lixo de islamismo. E nas outras religiões, também.
Anônimo disse…
Maomé, um dos maiores bostas da humanidade. Vejam no que deu a porcaria que ele criou.
Anônimo disse…
uma cultura antiga cheia de tradiçoes antigas diria que emvolve varios fatores tradiçoes familiares, biblicas, teocracia etc tudo isso e não aprenderam a tolerar e a mudar ou atualizar seus costumes e tradiçoes.
não estão preparados pro mundo moderno de hoje
os mulçulmanos que cometeram esta barbaridade nunca ouviram falar de jessus cristo por que se ouvisem iriam se lembrar do
que jessus disse atire a primeira pedra aquele que nunca cometeu nenhum pecado .

se ate mesmo aqui no brasil os indios matavam bebes gemeos durante seculos ate que esse costume de matar os propios filhos mudou e os gemeos são criados em diferentes aldeias .

vai haver ou ja esta havendo uma separação cultural entre a velha e a nova geração que busca um mundo mais humano com mais liberdade,sabedoria,tolerante ,mais civilizado pois este ato de apedrejar mostra que ainda são um povo barbaro com tradiçoes antigas estacionado no tempo .
Anônimo disse…
Há outras versões:

"a Ucrânia uma jovem muçulmana de 19 anos foi apedrejada até à morte. Primeiro suspeitou-se que teria sido uma consequência de ter participado num concurso de beleza, o que é mal visto pelos muçulmanos. No entanto, as mais recentes conclusões levam a crer que o autor era um colega obcecado por ela

Depois de ter sido dada como desaparecida durante uma semana, o corpo de Katya Koren foi encontrado numa floresta da península da Crimeia, avança o The Telegraph.

Apesar de se ter suspeitado de que a morte pudesse ter sido um castigo de muçulmanos radicais enfurecidos, a policia diz que o caso «não tem contornos religiosos nem étnicos».

Ao que parece, o crime foi levado a cabo por um colega de escola perturbado e obcecado. O jovem terá dado boleia à jovem até ao bosque, onde roubou e, possivelmente, violou antes de a matar.

A polícia explica que a jovem sofreu múltiplas feridas na cabeça infligidas por uma ou mais pedras.

Alguns meios de comunicação locais contam que o assassino terá dito que cometeu o crime para reforçar a lei da sharia e que não tem remorsos, enquanto outros referem que confessou o crime, mas que foi incapaz de explicar os motivos que o levaram a cometê-lo."


http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=20666
Anônimo disse…
A religião é o câncer da humanidade!
Anônimo disse…
a religião e o que mantem a humanidade na linha desde que a humanidade saiba quando esta na hora de sair da linha .
Anônimo disse…
Ah, claro...e o Hesbollah é umas instituição flantropica
Anônimo disse…
*uma