Artistas reagem à onda de censura de religiosos à arte


Milícia ficou chocada com
'Jesus Cristo Deusa Shiva',
de Fernando Baril

Artistas, intelectuais e curadores estão fazendo campanha nas redes sociais contra a milícia conservadora que tem agido para censurar obras de arte.

A campanha se chama "#342artes - Contra a censura e a difamação", com a participação de Caetano Veloso e Fernanda Montenegro.

Liderada por evangélicos, MBL e defensores em geral dos “valores cristãos”, a milícia já conseguiu suspender a exposição "Queermuseu" em Porto Alegre e impedir que ela fosse montada no Rio de Janeiro.

A milícia também agiu contra a performance no MAM (Museu de Arte Modera) La bête, acusando-a de promover a pedofilia.


O grupo de artista que está se opondo à onda de censura foi criado inicialmente pela produtora Paula Lavigne para afastar Michael Temer da presidência.

O “342” da campanha se refere ao número de votos de parlamentares necessários para que Temer seja julgado por seu envolvimento na Lava Jato, de acordo com denúncia da Procuradoria Geral da República.

Os artistas  evitam mencionar os motivos religiosos que estão por detrás da onda conservadora, mas pelo menos dois políticos evangélicos aparecem em um vídeo da campanha, o prefeito Marcelo Crivella e o senador Magno Malta.

Caetano Veloso critica abertamente o MBL: “Só gente idiota acredita que aquilo é pra valer”.

Para alguns artistas, a investida conservadora “é uma cortina de fumaça dos políticos oportunistas e grupos extremistas para desviar a atenção da Lava-Jato e da corrupção”.

A intenção dos artistas é também recorrer à Justiça contra o bispo Crivella, com a acusação de difamação.

Em um vídeo [ver abaixo] já com mais de 1,2 milhão de visualizações, a atriz Fernanda Montenegro faz um apelo aos “poucos e honestos políticos” para que saiam do silêncio em defesa da “cultura da liberdade”.

A campanha “#342artes” tem a adesão, entre outras pessoas, de Fernanda Torres, Marisa Monte, Leticia Sabatella, Mateus Solano, Cissa Guimarães, Marcos Caruso, Christiane Torloni, Lucinha Lins e Rafaela Mandelli.






Com informação das redes sociais.




Bancada evangélica elogia MBL por agir contra exposição
A pedido de evangélicos, Rouanet vai vetar crítica à fé


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.