terça-feira, 27 de outubro de 2015

Igreja Mórmon destina apenas 0,7% de sua receita à caridade

Empresas como a Wal-Mark superam
 igrejas em ajuda aos pobres
A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias — Igreja Mórmon — destinou de 1985 a 2008 à caridade cerca de US$ 1 bilhão. Isso pode parecer muito, mas, em relação ao montante de dinheiro movimentado pela igreja, trata-se de migalha.

Estudo da Secular Policy Institute apurou que a Igreja Mórmon emprega anualmente na caridade apenas 0,7% do seu rendimento.

Dados coletados em 271 congregações da igreja mostram que, na média, 71% das receitas vão para “despesas operacionais”.

Há um grande contraste em relação a organizações humanitárias como a Cruz Vermelha Americana, cuja quase totalidade da receita, na proporção de 92,1%, é destinada ao atendimento de pessoas. Para as despesas operacionais, vão apenas 7,9%.

Embora os fiéis façam doações às igrejas achando estar ajudando indiretamente pessoas necessitadas, nos Estados Unidos a Wal-Mart, cujo objetivo é o lucro, dá anualmente US$ 1,75 bilhão em alimentos a entidades de caridade.

Tal soma representa quase o dobro da caridade em 25 anos da Igreja Mórmon aos pobres e 28 vezes a mais da ajuda dada pela Igreja Metodista Unida.

O estudo apurou, também, que anualmente as igrejas deixam de recolher aos cofres públicos US$ 71 bilhões porque desfrutam de isenções fiscais, que são mais benevolentes em relação às das instituições de caridade não religiosas.

A percepção da maioria das pessoas é que as igrejas não possuem fins lucrativos, mas isso na prática não é verdade.

No Brasil, por exemplo, a Igreja Universal do Reino de Deus pode se descrita como um complexo grupo de empresas que obtém recursos para investimento e sua manutenção a baixíssimo custo  — a doação e dízimo dos fiéis.




Ajudar pobres é 'desvio' de recurso, diz site de R.R. Soares

Postar um comentário

Posts mais compartilhados na semana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...