Pular para o conteúdo principal

Por que cristãos acham que os mórmons são bizarros. Oito motivos

Católicos e evangélicos não aceitam os mórmons como seguidores de Cristo


Do ponto de vista cético, as religiões cristãs, ao menos as fundamentalistas, são tão bizarras como  outras de adoração a deuses. As cristãs, por exemplo, acreditam que Deus criou o homem a partir do barro e a mulher, com uma costela dele. E isso é muito bizarro.

Entre as que se afirmam cristãs, contudo, uma das religiões é tida como muito estranha pela maioria delas. Trata-se da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias — a Igreja Mórmon.

Católicos e evangélicos não a aceitam como cristã. Para eles, a doutrina da Igreja criada pelo americano Joseph Smith Jr. está pontuada de bizarrices que nada têm a ver com o cristianismo. 

Seguem abaixo oito pontos da teologia mórmon pelos cristãos tradicionais.

1 — Deus já foi ser humano

Os mórmons acreditam que Jeová, antes de se tornar o poderoso Deus, já foi um prosaico ser humano, um desses que habitam a Terra. Para eles, Deus não é um ser imaterial porque continua ostentando carne e osso, Ele mora perto de um planeta ou estrela chamado Kolob, que foi citado no livro de Abrão, mas nunca localizado pela astronomia. Deus é casado com uma ou mais mulheres.

2 — Seres humanos podem se tornar deuses

A teologia mórmon ensina que os humanos podem se tornar em deuses algum dia, seguindo assim o mesmo trajeto de evolução espiritual de Jeová. Mas essa possibilidade, obviamente, só se aplica aos homens mórmons que defendem fielmente os ensinamentos de Deus.

3 — Já existimos antes de nascermos

A vida começa antes mesmo da concepção, porque, para os mórmons, todos, antes de nascerem, já existem como filhos espirituais por intermédio da relação sexual entre Deus e suas esposas. Por isso é que eles dizem que somos literalmente filhos de Deus (e de suas mulheres) e vivemos entre irmãos e irmãs.

4 — Jesus foi criado por intermédio do sexo

Jesus não nasceu de uma virgem, mas, pela teologia mórmon, por intermédio de relações sexuais de Deus com duas mulheres. Com sua mulher do céu ele teve a primeira relação, para o nascimento espiritual de Jesus, e com Maria teve outro encontro sexual, para o nascimento carnal. Isso significa que Maria deixou de ser virgem ao conceber Jesus, se é que ela já não tinha relações sexuais com seu outro “marido”, o carpinteiro José.

5 — Existem vários céus

Para os mórmons, existem vários céus, em diferentes patamares e uns melhores que outros. Os mórmons que seguem todos os ensinamentos de Deus vão para o céu mais elevado, o melhor deles. Os demais serão conduzidos para céus inferiores, conforme o que cada um deles agiu e se comportou na Terra.

6 — Mórmons não creem em pecado original

Os mórmons não acreditam que todos já nascem pecadores porque Adão e Eva desobedeceram a Deus comendo a maçã da árvore do conhecimento. Isto porque, para eles, o casal não cometeu um pecado, mas apenas uma transgressão. Para os mórmons, as pessoas só vão ter de responder a Deus pelos seus próprios pecados.

7 — Batismo de mortos

A teologia dos mórmons diz que só entra no Reino de Deus o batizado — nesta vida, aqui na Terra, ou na outra, no mundo espiritual. É por isso que os mórmons batizam mortos, a pedido de seus parentes. Cabe aos mortos aceitarem ou não o batismo, aceitarem ou não Jesus. 

O batismo dos mortos é ensinado em 1 Pedro 4:6: “Porque por isto foi pregado o evangelho também aos mortos, para que, na verdade, fossem julgados segundo os homens na carne, mas vivessem segundo Deus em espírito.”

Nos anos 90, os mórmons batizaram judeus que tinham sido mortos no holocausto. Houve familiares dos “novos” mórmons que ficaram indignados, e a Igreja se comprometeu a não mais incluir as vítimas do Holocausto nos chamados “batismos póstumos”.

8 — Contradições do Livro Mórmon

Os mórmons seguem as suas próprias escrituras e a tradicional Bíblia. Mas, para eles, a verdade de Deus, em sua inteireza, está no Livro Mórmon, deixado por Smith. 

Para o fiel e estudioso da religião não deve ser fácil tentar traçar uma linha de racionalidade, porque, como se não bastassem as contradições do texto bíblico, o Livro Mórmon também não se notabiliza pela coerência, além das diferenças inconciliáveis que há entre um livro sagrado e outro.

O Livro Mórmon é acusado de ser incompatível, em alguns pontos, com o ensinamento do próprio mormonismo. Exemplo: O livro diz que Deus é único, mas a teologia mórmon abre a possibilidade de haver vários deuses. Para o livro, Deus é imutável, mas o que os mórmons pregam é que Ele ainda se encontra crescendo, obtendo novos conhecimentos.


Mórmons seguem mais
o seu próprio livro do
que a Bíblia

  > Com informações do About, entre outras fontes.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal