Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

domingo, 18 de agosto de 2013

Pastor luterano participou da matança de judeus, diz estudo

Walter Hoff
Hoff escreveu carta manifestando
orgulho por ter ajudado os nazistas
O pastor luterano Walter Hoff (foto) participou pessoalmente do extermínio de cerca de 700 a mil judeus na Bielorrússia e, em carta a seus superiores, disse que tinha orgulho disso.

Um estudo feito por Dagmar Pöpping, da Universidade Ludwig Maximilian, de Munique, revela que a colaboração de Hoff para com os nazistas foi muito além da retórica.

A Igreja Católica manteve um silêncio vergonhoso em relação às atrocidades dos fascistas, mas a Igreja Luterana nunca escondeu a sua admiração por Hitler.

Essa certamente é a explicação de a Igreja Luterana, após a Segunda Guerra, quando começou o acerto de contas, ter abafado o caso Hoff, porque expô-lo seria colocar em evidência os laços estreitos que a instituição manteve com o regime nazista.

Hoff morreu em 1977 sem sofrer qualquer punição. Ele já estava aposentado, recebendo da igreja uma razoável quantia.

Quando ao final dos anos 1950 a central de apuração dos crimes nazistas de Ludwigsburg começou a investigá-lo, o pastor disse ter inventado a sua participação na matança de judeus, para demonstrar às autoridades alemãs que ele era “um bom nazista”. E o caso foi arquivado.

Pai de seis filhos, o pastor era casado com uma integrante de uma associação nazista para mulheres. Ele fez carreira com o apoio de Joseph Goebbels, o poderoso ministro da propagada do regime.

Em 1934, Hoff foi promovido a chefe da Igreja em Berlim e Brandenburgo. Ele fazia sermões pedindo aos berlinenses que agradecessem a Deus “pela eliminação dos judeus da Alemanha”.

Na igreja de St. Petri, que pertencia à paróquia de Berlim, havia todos os anos, no aniversário do Führer, dia 20 de abril, um culto em agradecimento a Hitler pela sua luta contra “o judaísmo mundial”.

Durante a guerra, Goebbels o chamou para ser pastor da Wehrmacht, onde estavam as tropas que ocuparam a União Soviética e executaram o extermínio em 1943 dos judeus da Bielorrússia.

Somente agora parece que a Igreja Luterana está disposta a reconhecer o caso Hoff e assumir o seu passado de apoio ao regime nazista.

O bispo berlinense Markus Dröge afirmou que a Igreja falhou ao apoiar os nazistas e também ao não investigar esse passado depois da guerra.

“A Igreja Luterana foi em muitos casos criminosa e isso nos obriga hoje a uma posição crítica em relação a todas as ideologias”, afirmou.

Com informação de O Globo, entre outras fontes.





Comissão indeniza vítima da ditadura delatada por pastores
maio de 2012


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...