Santuário Nossa Senhora Aparecida fatura R$ 100 milhões por ano

Basílica atrai 10 milhões de fiéis anualmente

O Santuário de Nossa Senhora de Aparecida é uma empresa da Igreja Católica – tem CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) – que fatura R$ 100 milhões por ano.

Tudo começou em 1717, quando três pescadores acharam uma imagem de Nossa Senhora no rio Paraíba do Sul, formando-se no local uma vila que se tornou na cidade de Aparecida, a 168 km de São Paulo.

Em 1984, a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) concedeu à nova basílica de Aparecida o status de santuário, que hoje é uma empresa em franca expansão, beneficiando-se do embalo da economia e do fortalecimento do poder aquisitivo da população dos extratos B e C.

O produto dessa empresa é o “acolhimento”, disse o padre Darci José Nicioli, reitor do santuário, ao repórter Carlos Prieto, do jornal Valor Econômico.

Para acolher cerca de 10 milhões de fiéis por ano, a empresa está investindo R$ 60 milhões na construção da Cidade do Romeiro, que será constituída por três hotéis, um centro de convenções com capacidade para 1.200 pessoas e áreas comerciais e de lazer. O BNDES deverá bancar até 60% desse valor.

O Santuário de Nossa Senhora de Aparecida tem 1.297 funcionários com registro em carteira pelo regime CLT. A folha de pagamento chega a R$ 1 milhão.

A estrutura administrativa da empresa é composta, entre outros, pelos departamentos de novos negócios, marketing, jurídico, RH, segurança e engenharia. Logo haverá um departamento para implantar e cuidar das vendas pela internet e telefone.

O principal executivo do negócio é o padre Luiz Cláudio. Ele fez MBA em administração na conceituada FGV (Faculdade Getúlio Vargas).

Como qualquer grande empresa, o Santuário da Nossa Senhora tem um conselho de administração, que é formado por padres e presidido pelo arcebispo de Aparecida, dom Raymundo Damasceno Assis. A contabilidade é vistoriada pela CNBB.

“Todos abaixo de mim são profissionais de mercado”, disse o padre Nicioli. “Somos de várias religiões --a evangélica, espírita, budista."

Os 560 mil devotos cadastrados garantem 60% dos recursos do Nossa Senhora. As doações dos visitantes ao santuário respondem por 20% e o restante vem do aluguel de 388 lojas e do rendimento do estacionamento.

O jornal não informou se a empresa conta com isenção de impostos sobre as doações por ser da Igreja Católica e nem em quanto aumentará o faturamento do santuário com a Cidade do Romeiro. Mas é possível especular que venha a dobrar.

O padre manifestou a confiança no crescimento da empresa, não só porque sua administração e funcionários têm dado a sua parte, mas também porque, disse, ela conta com a ajuda do Espírito Santo.

Judeus e muçulmanos se unem para atrair turistas cristãos à Terra Santa.
janeiro de 2011

Turismo religioso.

Comentários

  1. Anônimo6/17/2010

    "Os ponteiros apontam para o infinito".

    Padre Vitor era locutor e em seus programas, já na década de 50, falava de questões sociais, como salário justo e reforma agrária.

    Em 1967, sentiu o peso da censura do governo militar. Ousado, leu a Declarações dos Direitos Humanos. Não deu outra: a emissora de rádio foi lacrada e tirada do ar.

    Também criou vários bordões, até hoje divulgados. Entre os mais famosos estão: “Caríssimos”, ao se referir aos fiéis, “Os ponteiros apontam para o Infinito”, programa do meio-dia, que fez até a véspera de sua morte, em 21 de julho de 1987, e a ”Hora da Consagração a Nossa Senhora Aparecida”.

    http://www.delvalle.tur.br/conteudo.asp?link=15

    Eu morria de medo da invasão comunista e da terceira guerra nuclear.

    Para aliviar a permanente tensão infantil eu tomava, solenemente, a água do copo que a minha mãe colocava, às 15 horas do dia, sobre o rádio sintonizado para ouvir a "Consagração a Nossa Senhora” que o famoso Padre Vítor Coelho de Almeida celebrou durante os 31 anos da sua vida, a partir de 1956.

    Os ecos desse passado repercutem de forma romântica e indelével nos labirintos na minha mente.

    Eu não identificava aquela voz hipnotizante e carismática como o lado visível do embrionário complexo religioso e empresarial que se tornaria o Santuário de Aparecida.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo6/24/2010

    A Basílica fatura R$ 100 milhões por ano e recebe 10 milhões de visitantes por ano ?

    Então em média a "empresa" tem o equivalente a R$ 10 por visitante.
    É muito dinheiro para um centro nacional que as pessoas vem em peregrinação de todos os lugares do país ?
    Dá menos que 4 passagens de metrô. Dá o equivalente a um sanduiche simples do Macdonald.

    Se considerarmos que 60% do dinheiro vem de devotos cadastrados,
    e apenas 20% vem das doações dos visitantes, então CADA VISITANTE DOA EM MÉDIA R$ 2,00. Menos que 1 passagem de metrô, menos que 1 refrigerante ou 1 litro de leite.

    É tanto assim essa empresa ?

    Bom, no santuário se assiste missa "de graça", se tem banheiros para todos, bancos, acolhimento para passar o dia (12h) (como fazem muitos romeiros), folhetos de culto, folhetos de orientações, limpeza, organização, manutenção predial, energia elétrica, vigilancias, informações. Tudo por R$ 2,00/pessoa para o dia inteiro.

    Quanto será que é 1 ingresso de cinema para 2h? R$10.
    Quanto será que é 1 ingresso para o futebol de 2h?
    R$ 10.
    Quanto é o ingresso para o teatro de 1h30?
    R$25.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo7/17/2018

      É MENTIRA FUI LA NO DOMINGO, O PADRE DISSE NA HORA DA MISSA QUE AQUELE DIA A IGREJA RECEBEU 120 MIL FIEL, POXA A ENTRADA É 18 REAIS, TIRANDO O GASTO QUE TEMOS LA.. A IGREJA TIRA MAIS DE 500 MILHÕES POR ANO FÁCIL FÁCIL

      Excluir
  3. Anônimo7/12/2010

    Dez milhões de beneficiados por ano.

    E apenas R$ 2,00 em média por pessoa, para o dia inteiro, o custo mais baixo que qualquer outro programa cultural.

    O anônimo acima se esqueceu de acrescentar do serviço de aconselhamento humano e espiritual, ou ainda a própria confissão, fornecido diariamente por vários padres (uns 20) sem cobrar nada de cada fiel (centenas a milhares por dia), apenas ouvindo-os nas suas mazelas, angústias e sofrimentos, mas também planos, sonhos e histórias, consolando-os, aconselhando-os, orientando-os. Alguns mesmo deixam de cometer graves erros por causa da atenção e orientação.
    Atendimento gratuito.

    ResponderExcluir
  4. Anônimo7/12/2010

    Um psicólogo custa de R$50 a 300 por hora.
    E são muito úteis para a sociedade e o ser humano.

    Mas há aqueles que não tem como pagar isto.
    Os próprios padres orientam alguns fiéis necessitados a procurarem um especialista quando pertinente. Por vezes conseguem favores junto a psicólogos de boa vontade que também contribuem parcela do seu tempo gratuito.

    A propósito, todos os padres tem formação em filosofia e em teologia.
    Não raro, muitos tem mestrado e até doutorado nessas ciências, mas também em outras.
    Em psicologia.
    Em antropologia.
    Em sociologia.
    Em história.
    Alguns são médicos.

    E não cobram nada para aconselhar e orientar.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo9/15/2010

    como faço para fazer uma doação para ajudar a basilica de N Sra Aparecida?
    meu email é: francis_lecio@hotmail.com

    ResponderExcluir
  6. Anônimo11/12/2010

    vinicius de Oliveira
    ao santuario nacional de Aparecida parabenizo pois sei que todo este dinheiro nao fica parado. a cada ano o santuario esta mais bonito nao somente na sua arquitetura, mas nas obras socias que eles ajudam. isso é um tapa na cara da politica barsileira eles esta ajudando mais do que nossos governantes.

    ResponderExcluir
  7. HOJE VIROU UM COMÉRCIO DESENFREADO ..
    MUITAS VEZES PARECENDO QUE A FEIRA!
    PASSOU PARA O LADO DE DENTRO , DO SANTUÁRIO.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Carl Sagan escreve sobre um 'pálido ponto azul' nos cosmos, a Terra

Vicente e Soraya falam do peso que é ter o nome Abdelmassih

Gloria Perez diz não querer ampliar a voz de seus críticos