Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Evangélicos protestam contra os petistas Genoino e Cunha

Manifestação é um revide aos protestos contra a permanência do
pastor-deputado Feliciano na Comissão de Direitos Humanos
Cerca de 20 evangélicos fizeram um protesto silencioso na manhã de quarta-feira durante a sessão da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. 

Eles ostentavam cartazes pedido a saída da comissão dos deputados petistas José Genoino (SP) e João Paulo Cunha (SP) por serem condenados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) no processo do mensalão.

Genoino foi condenado a seis anos e 11 meses de prisão em regime semiaberto por corrupção ativa e formação de quadrilha. E Cunha a nove anos e quatro meses em regime fechado por peculato, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O ato foi um revide aos protestos — promovidos principalmente por militantes do PT e PSOL — contra a presença do pastor-deputado Marco Feliciano (PSC-SP) na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara por ele ser autor de afirmações homofóbicas e racistas.

O PSC vem sustentando a permanência de Feliciano na comissão com o argumento de que se trata de um “deputado ficha limpa”, ou seja, não condenado pela Justiça.

O site Verdade Gospel,do Silas Malafaia, afirmou que “evangélicos ensinam ativistas gays a fazer protesto”, transcrevendo comentário do pastor de que foi uma “aula de democracia e civilidade”.

“Nenhuma gritaria, nenhum palavrão, nenhum cartaz com ofensas morais”, disse Malafaia, segundo o site. “Na verdade, nenhuma palavra dita, apenas cartazes com dizeres civilizados.”

Continuou: “Será que o ativismo gay aprenderá com a gente? Pois nos chamam de fundamentalistas e antidemocráticos. É para rir, hahaha. Espero que a sociedade veja quem são os verdadeiros intolerantes”.

Trata-se de uma comparação com os protestos que ativistas gays e de direitos humanos e de partidos de esquerda têm realizado contra Feliciano.

Ontem, Feliciano impediu que essas manifestantes tivessem acesso à audiência pública da Comissão dos Direitos Humanos que discutiu a ação da Polícia Federal à área indígena Munduruku, no Pará.

Feliciano alegou que tinha de dar prioridade à participação na audiência de indígenas, deputados, assessores e jornalistas.





Fontes: Portal Terra e Verdade Gospel, entre outras.

Pai de vocalista dos Mamonas processa Marco Feliciano
abril de 2013

Marco Feliciano    Religião na política

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...