Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Origem (não preconceituosa) da palavra 'cretino' é 'cristão'

Nos Alpes suíços, 'crétin' significava 'cristão' 
por Sérgio Rodrigues para o site de Veja

Muita gente se espanta ao saber que a palavra cretino, ao nascer num dialeto dos Alpes suíços como crétin, queria dizer simplesmente “cristão”. Não se trata, porém, como pode parecer, de algum tipo de preconceito religioso. Pelo contrário: aquela gente, ao chamar de cristãos seus cretinos, estava imbuída de um profundo sentimento cristão.

A explicação para isso está na lógica da compaixão e do eufemismo. Consta que a região vivia na época, devido a uma deficiência crônica de iodo em sua dieta, uma endemia de casos de disfunção da tiroide, com grande número de pessoas sofrendo de retardo no desenvolvimento físico e intelectual.

Chamar essas pessoas de crétins era uma forma de se condoer de seus problemas e enfatizar sua humanidade. Como dizer que, apesar de tudo, elas também eram filhas de Deus.

Essa ligação se perdeu quando, no século 18, a palavra dialetal dos Alpes foi incorporada à corrente principal da língua francesa, em que cristão é chrétien. A recém-chegada designava apenas quem sofria de crétinisme, termo médico cunhado a partir dela em 1786, segundo o Trésor de la Langue Française. Ao se espalhar para outras línguas, já não restava ao termo o menor traço de compaixão ou eufemismo.

Em português, cretino e cretinismo foram dicionarizados no fim do século 19. Como se sabe, as palavras não ficaram restritas ao território médico: como já havia ocorrido em outros idiomas, cretino passou a ser empregado entre nós como termo ofensivo, sinônimo de idiota e, num desenvolvimento semântico que parece ser uma originalidade brasileira, também de “inconveniente, atrevido”.

Batismo do café para que virasse 'bebida cristã' foi questão do Enem
outubro de 2011

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...