Paulopes

Religião, ateísmo, ciência, etc.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Como a muçulmana Ayaan Ali fez o percurso até o ateismo

por Nana Queiroz
para Veja

No sótão do prédio do Partido dos Trabalhadores holandês, o alvoroço que se ouvia vindo do andar inferior começou a incomodar. O relógio apontava quase 15 horas do dia 11 de setembro de 2001 e um dos colegas de coalizão da somali Ayaan Hirsi Ali (foto) pediu: "Por favor, desça e peça silêncio. Com esse barulho está impossível trabalhar".

Queda das torres
fez com que Ali se
 tornasse descrente 
Ao chegar, Ayaan encontrou todos os funcionários aterrorizados diante da TV. Um avião havia atingido um dos prédios do World Trade Center nos Estados Unidos e a repórter, confusa, dizia se tratar de um trágico acidente aéreo. Quando uma segunda aeronave se chocou contra o outro edifício, a jornalista concluiu, assustada: "Não! Estamos sofrendo um atentado terrorista". Ayaan ficou paralisada. E com as torres gêmeas ruíram os últimos resquícios de sua fé muçulmana. 

"As imagens se repetiram por toda a tarde e noite e, na manhã seguinte, eu descobri quem eram os fundamentalistas islâmicos responsáveis pelo ataque", conta ela, ao site de Veja.

"Eu lembro de ter pensado: 'poderia ter sido eu, porque acredito exatamente na mesma coisa que essas pessoas'. Todo o discurso sobre os Estados Unidos serem os inimigos e o valor da jihad (guerra santa) era familiar a mim. Essa visão de mundo preto no branco, como se fôssemos os mocinhos e Deus tivesse nos dado a missão de livrar o mundo do mal, também. Ironicamente, foi Osama bin Laden quem me libertou desse antolho", destaca ela, que registra as dificuldades da "conversão" no livro "Nômade: do Islã para a América".

Os primeiros passos de Ayaan rumo à cultura ocidental, contudo, começaram muitos anos antes desse trágico episódio de uma década atrás. Ela tinha 22 anos, morava no Quênia e, como era de costume, estava prometida a um homem escolhido por seu pai e que morava no Canadá. Mas na escala da viagem que deveria fazer para encontrá-lo, viu uma brecha para escapar: na Alemanha, onde milhares de somalis pediam asilo.

"Eu ainda não tinha formado um senso crítico sobre o islã, mas era muito claro para mim que tipo de mulher eu me tornaria dentro dessa cultura: uma que eu não queria ser. Eu evitei me transformar em minha mãe", explica ela, referindo-se à segunda de quatro mulheres de seu pai, descrita pela filha como submissa e ortodoxa no uso dos véus.

Fugiu, então, para a Holanda, que a acolheu. Quando seu noivo finalmente a encontrou, era tarde demais: ela já tinha visto de residência permanente, amigos e até a polícia estava do seu lado.

Mesmo abrigada em segurança, porém, o caminho para Ayaan assimilar essa nova cultura e se encontrar como cidadã e mulher ainda seria longo e tortuoso. Desde pequena, ela havia sido condicionada a acreditar que sua feminilidade era motivo de vergonha. Aos 5 anos, teve seu clitóris mutilado no bárbaro ritual de circuncisão feminina. "Apesar disso, meu clã me oferecia um senso de pertencimento que eu perdi quando cheguei à Holanda. Minha família inteira virou as costas para mim. Em compensação, esse país me presenteou com algo que meu clã nunca me deu: a chance de ser um indivíduo".

Durante esse início da transição cultural e religiosa, ela diz ter enfrentado também outro tipo de preconceito, que define como "racismo de baixas expectativas", que teria como fundo até uma boa intenção, explica. No intuito de compreender e respeitar as diferenças culturais, algumas pessoas tomam atitudes que consideram certas mas, na verdade, só prejudicam ainda mais os imigrantes - como ao relegá-los a guetos locais, privando-os da oportunidade de conhecer realmente os princípios daquela sociedade.

"Os funcionários do governo que ajudam na integração de estrangeiros têm expectativas extremamente baixas. Quando eu disse a um deles que queria ir à universidade e me tornar mestre em ciências políticas, ele olhou para mim como se eu estivesse planejando ir à lua. Em vez disso, me matriculou em um curso de contabilidade que, obviamente, não tinha nada a ver comigo", exemplifica ela, que superou em nível estratosférico as expectativas dos assistentes sociais.

Como queria, Ayaan foi à universidade, escreveu artigos, entrou para a política, foi eleita parlamentar, fez um documentário. Mas foi esse filme - Submissão, que recriminava duramente a posição servil das mulheres islâmicas - que a obrigaria a retomar sua vida errante.

Ela passou a receber ameaças de morte por e-mail, telefone e até na porta de sua casa, depois que o coautor do documentário, Theo van Gogh, foi assassinado por um radical islâmico, em 2004.

O medo a rondava. Então, ao fim de seu mandato como parlamentar, decidiu deixar a Europa. O abrigo escolhido, desta vez, foi a América.

"Eu sentia uma conexão com os Estados Unidos desde o 11 de Setembro. Havia percebido que esse país defendia um conjunto de ideais completamente oposto ao pregado pelo islã. O que me conduziu para lá foi a simbologia de mudar de lado nesse xadrez ideológico", salienta.

Nos Estados Unidos, Ayaan acredita ter encontrado, enfim, seu lar definitivo, colocando um ponto final à vida errante. Ao contrário da Europa, sua convivência com os 2,75 milhões de muçulmanos americanos é bem tranquila. O mesmo não se pode dizer de sua relação com o islamismo. A escritora desenvolveu ideias duras e, por vezes, até inflexíveis sobre a antiga religião.

Em "Nômade", chega ao extremo de recomendar que os muçulmanos que quiserem se livrar do atraso representado pelo Corão se tornem adeptos do cristianismo, muito mais flexível e atraente na opinião de Ayaan, que hoje é ateia.





Para Roth, mundo será melhor quando todos forem ateus


Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...