Paulopes

Religião, ateísmo, teoria da evolução e astronomia

......................................................................................

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Padre ganhava R$ 1.200 por mês como funcionário fantasma

O juiz Manoel Costa Neto, da comarca de São Cristovão (SE), condenou o padre Givanildo Batista da Silva, da Igreja Ortodoxa, por ato de improbidade administrativa.

O padre era funcionário fantasma. Ele ganhava da prefeitura municipal R$ 1.200 por mês e nunca compareceu aos departamentos onde estava alocado. Silva disse que fazia “trabalho externo”.

São Cristovão tem 79 mil habitantes e fica na região metropolitana de Aracajú, capital do Estado.

Givanildo terá de devolver bens e valores obtidos como funcionário público, incluindo a totalidade dos salários. Ele não poderá exercer função pública e teve seus direitos políticos suspensos por oito anos. O padre poderá recorrer da sentença.

O Ministério Público, na denúncia (acusação formal à Justiça), informou que o padre foi nomeado para cargos públicos por conta de uma promessa feita durante campanha eleitoral por um candidato a vereador.

O juiz se irritou com a alegação do padre de que não sabia que tinha de comparecer ao local de trabalho. Na sentença, Neto escreveu “clara estão a imoralidade, a ilegalidade e a improbidade do ato praticado pelo réu, que agora pretende se fazer de vítima”.

Com informação do Infonet.

Postar um comentário
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...