Padre ganhava R$ 1.200 por mês como funcionário fantasma

O juiz Manoel Costa Neto, da comarca de São Cristovão (SE), condenou o padre Givanildo Batista da Silva, da Igreja Ortodoxa, por ato de improbidade administrativa.

O padre era funcionário fantasma. Ele ganhava da prefeitura municipal R$ 1.200 por mês e nunca compareceu aos departamentos onde estava alocado. Silva disse que fazia “trabalho externo”.

São Cristovão tem 79 mil habitantes e fica na região metropolitana de Aracajú, capital do Estado.

Givanildo terá de devolver bens e valores obtidos como funcionário público, incluindo a totalidade dos salários. Ele não poderá exercer função pública e teve seus direitos políticos suspensos por oito anos. O padre poderá recorrer da sentença.

O Ministério Público, na denúncia (acusação formal à Justiça), informou que o padre foi nomeado para cargos públicos por conta de uma promessa feita durante campanha eleitoral por um candidato a vereador.

O juiz se irritou com a alegação do padre de que não sabia que tinha de comparecer ao local de trabalho. Na sentença, Neto escreveu “clara estão a imoralidade, a ilegalidade e a improbidade do ato praticado pelo réu, que agora pretende se fazer de vítima”.

Com informação do Infonet.

Comentários

  1. Esse padre, acostumado em conversar com amigos e amigas imaginários, fantasmas propriamente dito, pensou que, talvez, fosse um. Normal.

    ResponderExcluir
  2. O cara recebia por um serviço e não sabia que tinha que comparecer no local de trabalho kakakaka esta eu ri alto mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkk Vixi eu tambem rir kkkk safado¬¬

      Excluir
  3. Foi deus quem proveu.

    ResponderExcluir
  4. Sem comentários...a ilustração é impagável.

    Charles

    ResponderExcluir
  5. "O juiz se irritou com a alegação do padre de que não sabia que tinha de comparecer ao local de trabalho."

    - Nossa a hipocrisia cristã não tem limites mesmo. Daqui a pouco o padre vai alegar perseguição religiosa.

    Ah, vá!

    ResponderExcluir
  6. Colegas acima, quantos casos semelhantes não ocorrem com milhares de outras pessoas, independentes de crença religiosa? Não digo isso defendendo a pessoa da notícia, que certamente cometeu um crime, mas para que não utilizem argumentos do tipo: "um padre fez isso, logo todos os religiosos fazem o mesmo". Não achem que estão sendo mais inteligentes por isso. O "xis" da questão não é a "hipocrisia cristã", mas a hipocrisia da pessoa em questão.

    Isso me lembra uma tirinha do xkcd, onde quando um homem resolveu uma difícil equação, o amigo diz: "nossa, como vc é bom em matemática". Já na versão feminina, uma mulher resolve uma equação difícil e o homem ao lado diz "nossa, como AS MULHERES" são boas em matemática. Ao meu ver argumento do tipo está sendo utilizado com os cristãos e com o cristão em questão.

    Por favor, vcs não enobrecem em nada a "causa ateísta" (que eu duvido que exista) com este tipo de argumento.

    Pronto, falei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estamos falando de um religioso qualquer. Estamos falando de um "defensor da moral e dos bons costumes".

      Excluir
  7. Senhora Evangelica- Cruses, Deus me livre desse Demonio que Deus me ilumine e me guie porque acabo a pilha da minha Lanterna, nesse caso o Fantasma do Padre me iluminaria bem :-). Um Forte Abraço ao Paulopes eao Luan da Senhora Evangelica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário