Hitchens combatia a nefasta influência de Deus na sociedade

Título original:
Ateu e polêmico, Hitchens, morto aos 62, vai fazer falta

Hitchens se considerava mais que ateu, era antiteísta

por Luiz Felipe Pondé para Folha

Para aqueles que creem em Deus, a morte é o grande momento de revelação dos maiores de todos os mistérios.

Existe vida após a morte? Existe um Deus do outro lado? Valeu a pena ser honesto, fiel e generoso?

Para um ateu, nada disso é importante. A morte é apenas a parada final de seu corpo. A máquina faliu.

O jornalista e escritor britânico Christopher Hitchens [na ilustração] morreu anteontem em Houston (EUA), vítima de um câncer no esôfago. Hitchens era ateu. E um ateu famoso por ser ateu.

Ele foi um dos maiores expoentes do chamado neoateísmo, ao lado de autores como Richard Dawkins, Sam Harris e Daniel Dennett. Seu livro "Deus Não É Grande" (Ediouro), de 2007, é um exemplo típico deste chamado neoateísmo: Deus não só não existe como a ideia de Deus é idiota, infeliz e faz mal à saúde física e mental.

Combativo, Hitchens defendia o termo "antiteísta" para sua posição, ao invés do clássico "ateu". E esta diferença é importante.

Um ateu seria alguém que, apesar de não crer em Deus, poderia guardar algum respeito pelo "personagem". Este respeito poderia levá-lo inclusive a reconhecer uma certa autoridade moral na "figura divina", o "Deus de Abraão". De repente, o ateu numa noite insone poderia pensar que "com Deus" o mundo seria melhor.

Para Hitchens, ser ateu não basta, há que endurecer contra a própria ideia de Deus, mostrando o caráter destrutivo do que há de valoroso no homem. Os crentes não só estão errados como atrapalham. Numa palavra: Jesus não era legal, seu pai tampouco, Maomé, um ridículo, Moisés, um chato.

Já um antiteísta seria alguém dedicado a combater a nefasta influência de Deus na sociedade, na moral, no pensamento, no futuro. Hitchens poderia dizer para Dostoiévski, escritor russo do século 19, em resposta a sua famosa afirmação "Se Deus não existe, tudo é permitido" que: "Ainda bem que Deus não existe, assim ficamos livres de suas bobagens e dos chatos que nelas creem".

Mas suas polêmicas foram além do combater a ideia de Deus. Sua recente biografia publicada em 2010, "Hitch-22" (Nova Fronteira), mostra seu trajeto de intelectual engajado nas controvérsias de nosso tempo e livre das amarras da academia.

Um tipo raro no Brasil onde os intelectuais costumam viver presos à barra da saia da universidade.

Hitchens foi um jovem socialista nos anos 70, e um defensor da intervenção americana no Iraque nos últimos anos. De socialista a neoconservador? Ele não era dado a "igrejinhas intelectuais", respondia às questões do mundo a partir de suas próprias ideias e intuições.

Usou termos como islamofascismo para se referir à associação entre religião islâmica e militância política antidemocrática. Por conta disso, foi odiado pela esquerda e por relativistas que dizem que "toda cultura é legal".

Não, para Hitchens a vida secular, democrática e liberal é a melhor. Concordo.

Morre Christopher Hitchens, o escritor de 'Deus não é Grande'.
dezembro de 2011

Mais sobre Hitchens.      Ateísmo

Semelhantes

Postagens mais visitadas deste blog