Associação do Rio tem 1.200 processos contra erros médicos

A Avermes (Associação das Vítimas de Erros Médicos), como sede no Rio, tem no momento cerca de 1.200 processos tramitando na Justiça contra supostos erros médicos.

A advogada Célia Destri, 64, presidente da entidade, informou que atende por média 20 pessoas que se queixam de médicos e de hospitais, principalmente dos públicos.

Esse número não é maior porque a Avermes não recebe reclamações de pacientes de cirurgia plástica.

A associação só atende pessoas carentes. “Se a pessoa pode  pagar cirurgia plástica é porque também tem condições de pagar um advogado”, disse. “Temos só seis advogados.”

Ela encaminha a outros advogados os casos que não são do Rio.

Do total das reclamações, a maioria (40%) se refere a erros durante o parto. “Ou é a morte da criança ou da parturiente, ou a criança sofre deslocamento de clavícula, ou passa da hora de nascer e sofre lesão cerebral”, disse ela à repórter Ana Cláudia Barros.

A advogada informou que associação obtém na Justiça ganho de causa para 70% dos casos.

Célia criou a associação em janeiro de 1991 após se recuperar da perda de um rim por ineficiência médica.

“Em uma cirurgia de cisto de ovário, a médica cortou meu ureter. Durante 14 dias, ficou vazando urina na minha cavidade abdominal. Eu reclamava e a médica dizia que as dores eram psicológicas. Fui internada às pressas e quando os médicos abriram minha barriga vieram que havia dois litros e meio de urina no abdômen. Meus órgãos estavam boiando na urina.”

Com informação do Portal Terra.

> Site da Associação das Vítimas.    > Erro médico?

> Hospital de São Paulo opera boca em vez de fimose de menino.
novembro de 2010

Postar um comentário