Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens com o rótulo racismo

Trabalhadora acusa a empresa Morhena de demiti-la por intolerância religiosa

Uma funcionária de uma

Pastor recusa batismo à negra porque 'cabelo crespo não é de crente', denuncia jovem

Pastor José Azevedo teria humilhado uma jovem fiel O pastor José Mauricio Azevedo (foto), de uma das igrejas da Assembleia de Deus de Jacobina (BA), afirmou diante de fiéis à Rebeca Santos, negra de 16 anos, que não ia batizá-la porque “cabelo crespo não é de crente”.

Voto de ministro que criminaliza homofobia diz que pastores não podem incitar o ódio

A Constituição garante a ampla liberdade de religião, mas pregadores, como quaisquer outras pessoas, não podem incitar o ódio contra LGBTs. É o que decidiu o ministro Celso de Mello , do STF, em seu voto como relator da ADO (Ação Direta de Inconstitucional por Omissão), do PPS.

Italianos ficam indignados com Jesus negro de presépio

"E uma vergonha" Aborrecido com os sucessivos furtos da representação de Jesus do presépio da cidade, o prefeito Giorgio Del Ghingaro, de Viareggio , Itália [mapa], colocou no lugar a uma estátua de um bebê negro. 

Homofobia deve ser equiparada ao crime de racismo, diz Janot

do EcoDebate Procurador quer que homofóbicos sejam criminalizados A homofobia e a transfobia devem ser julgadas como crime de racismo. Esse é entendimento defendido pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em parecer enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo Janot, deve-se interpretar a Lei 7.716/89 (Lei de Racismo) para tipificar como crime de racismo comportamentos discriminatórios e preconceituosos contra a população LGBT. A manifestação refere-se à ação direta de inconstitucionalidade por omissão (ADO 26/DF), proposta pelo Partido Popular Socialista (PPS) por inércia do Congresso Nacional em editar uma lei específica para criminalizar todas as formas de homofobia e transfobia. Para o PPS, a criminalização de todas as formas de racismo abrange as condutas de discriminação de de cunho homofóbico e transfóbico. Os crimes previstos pela Lei 7.716/89, que define os delitos resultantes de preconceito de raça ou de cor, abarcam as condutas homofóbicas. “A homo

Líderes religiosos criticam decisão de juiz contra umbanda

da Agência Brasil Imagem ilustrativa: juiz do Rio decidiu que  umbanda  e candomblé não são religiões Líderes de diversas religiões repudiaram na segunda-feira (19) a decisão do juiz da 17ª Vara Federal do Rio, Eugênio Rosa de Araújo, que negou o pedido de retirada de vídeos com mensagens de intolerância contra religiões afro-brasileiras, por considerar que a umbanda e o candomblé “não contêm os traços necessários de uma religião”, como um texto-base, a exemplo da Bíblia, uma estrutura hierárquica e um Deus a ser venerado. As críticas foram feitas durante o lançamento da campanha promovida pela Pastoral do Esporte da Arquidiocese do Rio para a Copa do Mundo de 2014. Intitulada 'Por um mundo sem armas, drogas, violência e racismo', a campanha foi promovida em um evento inter-religioso no Estádio Jornalista Mário Filho, Maracanã. O babalorixá Carlos Ivanir dos Santos afirmou que o candomblé vive tempos difíceis e agradeceu o apoio de representantes de outras denomi

Só agora mórmons renunciam oficialmente ao racismo

Smith reforçou a versão  de  que pessoas de pele  escura  são malditas Fundada nos Estados Unidos por  Joseph Smith , somente agora, 183 anos depois, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, a Igreja Mórmon, renunciou oficialmente ao trecho racista do seu livro sagrado.

Contra acusação de racismo, pastor mostra foto de sua mãe

Assessoria do pastor-deputado publicou no sábado esta foto no Facebook O pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), na foto, divulgou em seu perfil no Facebook, no sábado, uma fotografia onde aparece entre o seu padrasto (negro) e sua mãe (mulata). A foto, aparentemente tirada em 2012, é uma resposta do pastor às críticas de que é racista. Feliciano escreveu no Twitter em 2011 que o continente africano é maldito — o seria, segundo ele, a explicação de miséria e doenças da região — porque sua população descende de um filho amaldiçoado de Noé. Nenhum outro pastor brasileiro assume, ao menos publicamente, essa interpretação da Bíblia. A escolha de Feliciano para presidir a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara desencadeou uma onda de protestos contra ele por causa de suas afirmações sobre a África e outras tidas como homofóbicas, como a de que a Aids é um “câncer gay”. Um vídeo onde aparece pedindo a senha do cartão bancário de um fiel também causou indignação.

Igreja americana que negou casamento a negros pede desculpas

Te'Andrea e Charles Wilson tiveram de se casar em outra igreja A Igreja Batista de Crystal Springs (EUA) pediu desculpas por impedir que se realizasse em seu templo ao final de julho a cerimônia de casamento de um casal de negros, Charles Wilson e Te'Andrea (foto). A cidade tem cerca de 6.000 habitantes e fica no Estado de Mississipi. Os noivos, que planejaram o casamento havia meses, ficaram sabendo da proibição na véspera da data marcada. O pastor Stan Weatherford, que tinha sido contatado por eles, teve de realizar a cerimônia em outra igreja, embora o casal fosse frequentador da Batista. Comunicado da Igreja pediu desculpas e perdão pela “dor” do casal e disse estar passando por uma “reconciliação com o nosso Senhor Jesus Cristo”. O pedido de desculpas ocorreu somente depois de o caso ter repercutido internacionalmente com base em uma entrevista do pastor à CNN de que o veto tinha partido de integrantes da congregação responsável pela igreja. Desde a instalaçã

Igreja de Mississipi proíbe pastor de casar noivos negros

O casal foi avisado da proibição um dia antes do casamento Constrangido, o pastor Stan Weatherford (foto abaixo) teve de informar Charles Wilson  e Te'Andrea (ambos na foto acima) que não poderia casá-los no dia seguinte na Igreja Batista de Crystal Springs porque a congregação proibiu que ali se realizasse esse tipo de cerimônia entre pessoas negras. Crystal Springs é uma cidade com cerca de 6.000 habitantes do Estado de Mississipi, nos Estados Unidos.  Weatherford teve celebrar a união em outra igreja Os noivos tiveram um baque porque jamais imaginaram que seriam vítimas de racismo na igreja que frequentavam, embora não fossem fiéis assíduos. Mas o pai de Te'Andrea é membro ativo da igreja, paga dízimo, e um tio dela trabalha lá. Como não dava para mudar a data do casamento — já estava tudo preparado e seria um transtorno avisar os convidados —, o pastor celebrou o casamento na igreja mais próxima. Mas ficou o ressentimento do casal. “Eu não gosto disso

Nos EUA, igreja promove evento só para 'cristãos brancos'

Panfleto diz que conferência é só para brancos Uma igreja está promovendo em Beaverton, em Alabama (EUA), uma conferência anual de pastores para a qual estão convidados só os “cristãos brancos”, conforme diz o panfleto do evento. Trata-se da Christian Identity Ministries . O pastor William Collier, organizador do encontro, disse que os cristãos negros não foram convidados porque o local da conferência não comportaria todo mundo. Argumentou que a igreja não é racista, mesmo sendo “a raça branca o povo escolhido de Deus”. Ele afirmou que judeus, por exemplo, não convidam negros e muçulmanos para seus eventos e não são acusados de racistas. O prefeito Wayne Silas lamentou que a cidade tivesse sido escolhida para um evento controvertido. “Não estamos satisfeitos com isso porque não reflete a postura da comunidade”, disse. Ele informou o FBI sobre o evento. Líderes religiosos de outras denominações afirmaram que os seguidores da  Christian Identity Ministries "não são ver

Nos EUA, igreja recua e aceita casal de branca com negro

Chikuni e Susie foram postos para fora da igreja  frequentada por ela desde criança Em junho deste ano, a branca Stella Harville (foto), a Susie, levou seu noivo, o negro Ticha Chikuni , para assistir a um culto dominical na igreja a qual frequenta desde criança, a Gulnare Free Will Baptist, em Pike County, no Estado de Kentucky (EUA). Ela estava ao piano cantando uma música para  cerca de 50 fiéis quando o pastor Melvin Thompson se aproximou e disse: “Susie, você não tem mais permissão para cantar nesta igreja. Vá embora e leve o seu namorado de onde tirou”. Susie queixou-se ao colegiado que administra a igreja, e este, por 9 votos contra 6, decidiu no dia 27 de novembro que o pastor Thompson agiu corretamente. O ato discriminatório teve grande repercussão nos Estados Unidos, e a igreja foi criticada inclusive por líderes religiosos. A Associação Nacional dos Batistas, por exemplo, emitiu nota deixando claro que não respaldava a decisão da igreja de Pike County.