Pular para o conteúdo principal

Pastor recusa batismo à negra porque 'cabelo crespo não é de crente', denuncia jovem

Pastor José Azevedo
teria humilhado
uma jovem fiel

O pastor José Mauricio Azevedo (foto), de uma das igrejas da Assembleia de Deus de Jacobina (BA), afirmou diante de fiéis à Rebeca Santos, negra de 16 anos, que não ia batizá-la porque “cabelo crespo não é de crente”.

O suposto ato de racismo ocorreu no dia 11 de dezembro de 2019, durante uma palestra sobre os ministérios da igreja.

Quando a palestrante elogiou os cabelos de Rebeca, o pastor Azevedo interferiu dizendo que crente não tem cabelo daquele jeito.

No domingo, 15, amigos da jovem compareceram ao culto do pastor [foto abaixo] em protesto contra o racismo.

A estudante Martha Miranda, 24, amiga de Rebeca, disse que o pastor, após a repercussão do caso nas redes sociais, tentou fazer um acordo.

Segundo ela, Azevedo chamou Rebeca e lhe apresentou um formulário de batismo, mas pediu que ela mudasse o penteado, porque, reafirmou, crente não pode ter aquele tipo de cabelo.

A jovem recusou a proposta e deixou de frequentar aquela igreja.

Até agora, o pastor não se manifestou para se defender da acusação.

Amigos de Rebeca fizeram
 uma manifestação silenciosa
 no culto do pastor acusado
de racismo

Com informação do site Alma Negra e outras fontes, com foto da rede social.



Só agora mórmons renunciam oficialmente ao racismo

TJ de São Paulo condena professora por racismo contra colega

Livro afirma que Mahatma Gandhi foi racista e pedófilo

Igreja de Mississipi proíbe pastor de casar noivos negros




Comentários

  1. Isso que dá querer se batizar em igrejas que só visam o lucro, essa franquia AD só serve pra lavagem de dinheiro, Eduardo Cunha lavava dinheiro em uma igreja dessa franquia em Campinas.

    ResponderExcluir
  2. Gente gelo nessas igrejas e pastores deixa o caboclo falando sozinho! Chega! Não precisamos desses caças níqueis da fé. Fora pastor racista!

    ResponderExcluir
  3. Esse palhaço nem vai se pronunciar.

    ResponderExcluir
  4. ELA DEVERIA ESTAR FELIZ,POIS ESSE HOMEM NÃO MERECE BATIZAR NINGUÉM,ANTE DEVERIA SER BATIZADO,PARA O ARREPENDIMENTO DOS PECADOS,PORQUE CONDENA-SE A FAZER DISTINÇÃO DE PESSOAS!ELE E MERCENÁRIO E NÃO PASTOR,O BOM PASTOR DÁ A VIDA PELAS OVELHAS,ESSE É JESUS! ;

    ResponderExcluir
  5. A questão laica é RECÍPROCA. Valores estritamente INTERNOS das IGREJAS / RELIGIÕES (ou outro grupo crédulo) devem ser respeitados ou tolerados. O problema é quando passam para FORA, mesmo restrito contra outras denominaçẽs religiosas / crédulas.
    A ICAR e outras não admitem mulheres em altos cargos, gays e lésbicas não podem casar na maioria das igrejas... por que tipo de cabelo, ou mesmo cor da pele, tipo de olhos etc tem que ser diferente nas questões MERAMENTE religiosas? SE restrito às questões internas sem problemas, se não gosta, mude de igreja!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato

POSTS MAIS LIDO EM 7 DIAS

Hospital de campanha de evangélicos em Nova York não aceita voluntários gays

Vídeo: R.R. Soares manda o Covid-19 para o inferno, mas não tira a máscara do rosto

Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos