Pular para o conteúdo principal

Racismo no Brasil não se resolve com explicações binárias, afirma livro

Janaína Bastos, autora do Cinquenta Tons de Racismo, defende que, no Brasil, o racismo está no imaginário, indo, portanto, além do branco e do preto 


ANTONIO CARLOS QUINTO | Jornal da USP
jornalista

Após estudar as complexidades do racismo no Brasil em sua tese de doutorado, defendida na Faculdade de Educação (FE) da USP, foram necessários mais dois anos para que a educadora e pesquisadora Janaína Bastos transpusesse suas análises para o livro Cinquenta Tons de Racismo: mestiçagem e polarização racial no Brasil, que acaba de ser lançado pela Matrix Editora.

“Trata-se de uma ‘reorganização’ da tese para o grande público, contendo a síntese dos dados da minha pesquisa”, afirma Bastos.

Na tese intitulada "Na trama da branquitude mestiça: a formação de professores à luz do letramento racial e os meandros da branquitude brasileira", defendida em 2021, a pesquisadora teve a orientação da professora Mônica Guimarães Teixeira do Amaral, da FE.

O livro, de acordo com Janaína, também é uma atualização da pesquisa, visto que ela consultou fontes históricas e mais autores sobre o tema.

Concluída em março e lançada em julho deste 2023, a obra traz dados de interesse público e pretende explicar o fenômeno da mestiçagem. 

“Trata-se de um lugar conflituoso em nosso imaginário racial. Afinal, a questão racial no Brasil não se resolve com explicações binárias ou simplistas”, reflete a pesquisadora.

Um dos principais objetivos do livro, segundo a autora, é que as pessoas tenham acesso a esse conhecimento para que consigam, de alguma forma, desconstruir essa hierarquia social partindo da realidade, e sem uma perspectiva negacionista ou reducionista.

Bastos acredita ser possível resolver o problema do racismo no Brasil. 

“Enquanto se negava que o coronavírus existia, não se encaminhou uma solução. Vejo que o racismo não é visto em toda a sua complexidade. É preciso olhar a diversidade dos casos para se pensar numa solução”, diz.

É o que traz a obra, que ainda aborda a violência de gênero. “Falamos desse tema no começo do livro e como o colonialismo teve a marca da violência contra a mulher, sobretudo indígena ou negra. É fundamental olharmos para a nossa realidade”, recomenda Janaína.

A discriminação no tratamento aos negros deixa de existir para as pessoas pardas

Bastos vai às raízes de um “racismo à brasileira” para explicar o fenômeno da mestiçagem. Em seu estudo, levando-se em conta dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em que mais de 50% da população brasileira se autodeclara negra, ela que nessa maioria há pessoas mestiças, de pele nem tão preta. “São aquelas que se autodeclaram pardas, nas quais a mestiçagem se mostra mais evidente”, descreveu a educadora na reportagem publicada no Jornal da USP sobre a sua tese de doutorado, em que ela investigou a branquitude brasileira e os lugares de privilégios que as pessoas não negras – brancas e “mestiças”, estas últimas por vezes percebidas como brancas − acabam ocupando.

“O que denomino privilégios são algumas concessões dadas às pessoas percebidas como brancas, ou como quase brancas, de pele nem tão preta, mesmo que de forma implícita. Posso citar como exemplo algumas situações em que o preconceito e discriminação no tratamento aos negros deixam de existir para essas pessoas”, descreve.

“Se uma ou mais pessoas negras, passeando num shopping luxuoso, podem chamar a atenção de forma negativa, isso pode não ocorrer com as pessoas não negras, aquelas de pele mais clara, mas que não chegam a ser, de fato, sempre percebidas como brancas”, exemplificou na época.

“Existe uma pressão implícita para que o indivíduo se autodeclare branco ou negro. Contudo, um mesmo sujeito pode ser percebido como branco em um lugar, e como negro em outro. E, claro, se o mesmo for percebido como branco, poderá ter alguns privilégios. E o embranquecimento permite isso.”

Em sua tese, Bastos destacou a importância do letramento racial de educadores, que pode ajudar no combate à discriminação. Utilizando em seu estudo o método da pesquisa-ação, a educadora desenvolveu um projeto de formação de professores na área das relações raciais.

Durante dois anos, os docentes foram acompanhados por Bastos, por meio de reuniões semanais nas quais essa temática era discutida.

Como resultado, os professores que desenvolveram o letramento racial passaram a melhor perceber como a questão da discriminação racial ocorre no dia a dia.

Na opinião da autora, esse letramento é importante para todas as raças e os docentes puderam transmitir aos alunos referências negras positivas. “Os estudantes passaram a perceber que não precisariam ‘embranquecer’ para ter dignidade”, destaca.

Por meio de oficinas e filmes, foi possível perceber mudanças nos professores. Inclusive, nas formas de discurso. “No início, eles tinham dificuldade até em falar a palavra ‘negro’.” Houve até o caso de um professor que se autodeclarava branco e que, tempos depois, já se dizia pardo. Enfim, os docentes passaram a ter o hábito de falar sobre o assunto. Até mesmo os professores autodeclarados brancos perderam o medo de abordar a questão”, lembra.

A pesquisadora explica que o letramento racial é a habilidade de perceber e compreender como a questão do imaginário que existe em torno da raça afeta a nossa experiência, sendo que, para isso, o diálogo é fundamental.

“O que não é um trabalho fácil. Apesar da busca do letramento, por si só, já romper com o negacionismo em torno do racismo, temos que tomar cuidado para não cair em uma abordagem reducionista da questão. É preciso considerar as diferentes experiências, para que as pessoas possam se sentir validadas e assim falar sobre o assunto, a fim de que possamos chegar a uma solução real do problema.”

Escolhida pelo editor Paulo Tadeu, a capa do livro de Janaína Bastos traz a obra A Redenção de Cam, do pintor espanhol Modesto Brocos, de 1895. Para a autora, a tela retrata a mestiçagem das famílias brasileiras e o ideal de embranquecimento disseminado na época, fenômenos que perduram até hoje, impactando no racismo brasileiro

• Mais da metade da população já presenciou ato de racismo

• Racismo religioso de evangélicos sufoca cultura de quilombos de Pernambuco

• Só recentemente mórmons renunciam oficialmente ao racismo

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal