Pular para o conteúdo principal

Meus ancestrais foram escravizados pelos jesuítas. Como a Igreja pode reparar isso?

Documentação da comercialização de negros pela Companhia de Jesus faz parte de uma história que ainda precisa ser contada


Monique Trusclair Maddox
presidente da Fundação Verdade e Reconciliação dos Descendentes, EUA, e voluntária em atividades na Igreja Católica

America
revista americana da Companhia de Jesus

No domingo, 16-04-2016, saí da missa com o coração cheio. Lembro-me de que era um dia bonito, mas outros detalhes são indistintos para mim agora. Porque momentos depois meu telefone se iluminou com palavras que mudariam minha vida e que nunca esperava ver.

“272 escravos foram vendidos para salvar a Universidade de Georgetown”, lia a manchete do New York Times. “O que ela deve aos seus descendentes?”

Na reportagem, vi menções a Maringouin, no estado de Louisiana, minha cidade natal. Vi os sobrenomes de meus pais e avós em uma escritura de venda de 1838 de 272 homens, mulheres e crianças. 

Mais tarde, descobriria que uma das crianças, Jackson Hawkins, de 3 anos, era bisavô de minha mãe, nascido escravo e vendido como criança pelos jesuítas por um pouco de lucro. Outro ancestral, Nace Butler, tinha um nome que mostrava a devoção de seus próprios pais à igreja que os escravizou. Nace é uma abreviação de Inácio.

Monique: o bisavô da mãe
dela foi vendido pelos
jesuítas; ele era criança
FOTO: ARQUIVO PESSOAL

Como posso expressar em palavras os sentimentos que me invadiram quando descobri que minha família era propriedade e foi vendida pela minha própria igreja? 

Eu nem sequer conseguia entender como a ordem dos jesuítas, que ostenta 52 santos e centenas de membros beatificados, poderia também ter perpetrado, não apenas em Georgetown, mas ao longo de centenas de anos, um dos crimes mais profundos contra a humanidade na história moderna. Por um tempo, não estava certo de como jamais conseguiria olhar nos olhos de um padre novamente.

Termos de reconciliação

Nos oito anos desde aquele dia, eu e muitos outros descendentes da escravidão jesuíta temos viajado em uma jornada do coração e da alma. Mesmo hoje, permaneço confusa e desiludida ao ponto do entorpecimento que minha igreja não apenas cometeu esse pecado, mas também levou centenas de anos para confessar que era um pecado. 

Os descendentes não tiveram escolha senão enfrentar esse aspecto de nossa história. Seu legado percorre nossas árvores genealógicas e nunca se afasta de nossas mentes. Ele eternamente enredou nossa fé com a agonia de nossos ancestrais.

Mas, quando confrontados com a escolha entre endurecer nossos corações para a instituição que atormentou nossas famílias ou abrir nossos corações no espírito de reconciliação, escolhemos a unidade.

Jesuítas individuais tomaram nossas mãos e começaram a caminhar conosco. Mas o peso desse pecado paira sobre o pescoço da Igreja — e somente a Igreja pode reconciliar com nosso passado compartilhado e tomar as ações necessárias para restaurar a justiça de Deus.

Os termos sempre foram claros: o perdão é uma empreitada espiritual que apenas um indivíduo pode completar, enquanto a reconciliação é um ato externo que requer dois. 

Essa parceria entre os errantes e os prejudicados é parte do que torna a reconciliação tão difícil, e nós descendentes sabíamos intimamente que este não era um capítulo de sua história que os jesuítas queriam ler. 

Também reconhecemos que, sem reconciliar com o passado, a Igreja nunca seria capaz de liderar com integridade ou autoridade. Como olharíamos para nossos padres da mesma forma se eles não fizessem, nas palavras de São Francisco de Assis, “curar feridas, unir o que foi separado e trazer de volta aqueles que se perderam”?

Parece-me que minha igreja é melhor em ajudar outros que se perderam do que em reconhecer quando a igreja mesma se perdeu. Talvez seja por isso que os descendentes não abrirão mão desta visão de reconciliação. 

Nossa fé católica nos foi transmitida por nossos ancestrais, e é a única coisa de valor que a igreja já deu a eles. Somos compelidos a ajudar a igreja a encontrar seu caminho e, principalmente, a restaurar tudo o que foi perdido.

Além disso, nosso compromisso em restaurar a dignidade de nossos ancestrais não nos permite nos afastar. Não podemos. 

O simples fato de nossa existência significa que a luta deles pela sobrevivência não foi em vão, e não permitiremos que seja. A Igreja pode ter lançado uma longa sombra de vergonha sobre nossas famílias há 200 anos, mas estamos comprometidos em expulsá-la com a luz brilhante da verdade.

Ao mesmo tempo, o compromisso da Igreja em transformar o mundo por meio dos valores do Evangelho não deve permitir que a instituição se afaste também. Esse é um trabalho longo, difícil e ocasionalmente confuso. Mas é o trabalho que Deus, em sua sabedoria, colocou aos nossos pés como um empreendimento que nenhum de nós pode fazer sozinho.

Tentando entender

Pouco após saber da escravidão dos meus ancestrais pelos jesuítas, li uma carta de 12-11-1838. Foi escrita pelo padre Peter Havermans, superior jesuíta da plantação de Newtown, ao superior geral em Roma, o padre John Philip Roothaan.

Na carta, o padre Havermans expressou sua angústia com o que testemunhou em 1838 com a venda de meus ancestrais. 

Ele escreveu logo após para o superior religioso da Província Jesuíta de Maryland e o ex-governador da Louisiana chegarem a Newtown — ou, como meus ancestrais teriam conhecido esses homens, o vendedor e comprador daquelas vidas humanas.

Afirmou: "Uma mulher, mais piedosa que as outras, e na época grávida, mais exigia minha compaixão. Ela estava vindo em minha direção para pela última vez poder me cumprimentar e buscar benção, e ela observou enquanto se ajoelhava: 'Se alguém alguma vez tivesse razão para se desesperar, eu não a tenho agora?' 'Não sei em que dia o parto virá, seja na estrada ou no mar.' 'O que será de mim?' 'Por que mereço isso?'

Seu testemunho, misericordiosamente documentado pelo angustiado padre Havermans, é um convite de nossa história e das almas que nos precederam.

Fotografias de descendentes de
escravos vendidos pela
Georgetown University e
pelos jesuítas de Maryland
para o sul da Louisiana em 1838

FOTO: CLAIRE VALL / AMERICAN ANCESTORS


Não encontro palavras para descrever como seu testemunho me afeta. Vender uma mulher grávida viola cada fibra moral em minha alma. Para ela se ajoelhar diante do padre sabendo que outro padre havia realizado a transação horrenda é abominável para mim. Se eu ficar sozinho com esse e outros trechos semelhantes, quem sabe que emoções esses excertos desencadearão?

As emoções são importantes e essenciais para o processo de cura e reconciliação, mas não são suficientes. É no compartilhar, na companhia de outros, na oração e no discernimento juntos sobre nosso passado que podemos encontrar uma resposta mais repleta de fé para nosso futuro. Pois sei que esta não é apenas minha história; também é a história dos jesuítas. A história da Igreja. É nossa história compartilhada.

A Fundação Verdade e Reconciliação dos Descendentes foi criada para podermos nos levantar para enfrentar este momento da história. Precisamos de apoio financeiro para apoiar as aspirações educacionais dos descendentes, apoiar descendentes idosos e enfermos e promover programas de cura racial em toda a América. Mas não importa o quão formidável uma visão de bilhões de dólares possa parecer, não é uma resposta adequada ao que foi tirado de minha família.

Não queremos apenas que os programas sejam financiados, queremos uma parceria com a Igreja. Queremos reconstruir nossa relação. Assim como enfrentarei meus antepassados, Nace Butler e Isaac Hawkins, quando encontrar minha recompensa eterna, os líderes eclesiásticos poderão ficar cara a cara com o padre Havermans e outros que terão grande interesse no que os católicos fizeram desde que conheci descendentes como eu.

Rezo para que todos possamos dizer que aproveitamos todas as oportunidades para experimentar o perdão, a cura e a renovação espiritual em nosso relacionamento com Deus e uns com os outros. A verdade do passado está escrita, mas a verdade do futuro depende de nós. Comecemos de novo.

> Esse artigo foi publicado originalmente em inglês com o título My ancestors were enslaved by the Jesuits. What does the church owe to descendants like me?

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Morre o americano Daniel C. Dennett, filósofo e referência contemporânea do ateísmo

Entre os 10 autores mais influentes de posts da extrema-direita, 8 são evangélicos

Ignorância, fé religiosa e "ciência" cristã se voltam contra o conhecimento

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Oriente Médio não precisa de mais Deus. Precisa de mais ateus

Vídeo mostra adolescente 'endemoninhado' no chão. É um culto em escola pública de Caxias

Ateu, Chico Anysio teve de enfrentar a ira de crentes