Pular para o conteúdo principal

França introduz na Constituição direto ao aborto. Exemplo para o mundo de respeito às mulheres

Lei francesa já prevê essa autonomia, mas agora fica mais difícil haver um retrocesso na legislação


A França é o primeiro país a aprovar o aborto como um direito garantido pela Constituição. Trata-se de um exemplo de respeito ao direito de mulher de decidir sobre o seu corpo, independentemente de leis governamentais e de pregações religiosas.

Por uma expressiva maioria (780 votos contra 72), o Parlamento tomou a decisão nesta segunda-feira (4). O presidente Emmanuel Macron sancionará a medida no Dia Internacional da Mulher (8).

O direito ao aborto se tornará "irreversível", disse Macron.

Vitória das francesas é
histórica e influenciará 
países mais preocupados
com as mulheres 

As mulheres da França já têm direito ao aborto até a 14ª semana de gestação, desde 1975, ano em que foi aprovada uma lei muito criticada na época por religiosos e religiosos em geral. 

Agora ficou mais difícil haver um retrocesso na legislação. No artigo 34 da Constituição será acrescentado que "a lei determina as condições em que uma mulher tem a liberdade garantida de recorrer ao aborto". 

“Temos uma dívida moral com as mulheres (...) Temos a chance de mudar a história", disse antes da votação  o primeiro-ministro francês Gabriel Attal. 

É a oportunidade que a França tem de se tornar líder mundial na defesa dos direitos das mulheres e um exemplo para o mundo, acrescentou ele.

Quanto a esse direito, o Brasil é um dos países mais atrasado.

> Com informação do Parlamento e governo da França.

Comentários

CBTF disse…
Com um congresso igual o da França o Brasil seria rapidamente um país de primeiro mundo.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m