Pular para o conteúdo principal

Cabe à mulher decidir sobre aborto, não Estado ou religião


Hélio Schwartsman
para Folha

Hoje vou discordar do editorial da Folha publicado no último domingo. Não acho que a descriminalização do aborto deva ser decidida em plebiscito, como defendeu o texto. A consulta direta à população é uma excelente ferramenta para definir uma série de políticas públicas, que vão das prioridades orçamentárias a normas de convívio social, mas penso que ela não serve bem para lidar com direitos e garantias fundamentais – o que, no fundo, é o caso do aborto.

Plebiscito poderia
impor a vontade
da maioria religiosa
A inoportunidade do plebiscito fica patente com um experimento mental. Num país com expressiva e aguerrida maioria religiosa, uma proposta para tornar oficial e obrigatório o credo mais popular seria facilmente aprovada, apesar de constituir clara violação ao princípio da liberdade individual das minorias.

Transpondo o raciocínio para o caso do aborto, não me parece correto delegar a vizinhos a decisão sobre o que a mulher pode fazer com suas vísceras. Existe uma esfera da vida privada que é tão íntima que o Estado não tem legitimidade para regular. Nessas situações, faz mais sentido que o Judiciário trace, por via jurisprudencial, a linha entre o que pode ser objeto de leis e o que fica reservado ao livre-arbítrio do indivíduo.

Não é só a interrupção da gravidez que cai no guarda-chuva da intimidade. Ele deveria abarcar também o uso de drogas e a eutanásia. O que cada um faz com o próprio corpo e não afeta diretamente terceiros (embriões com poucas semanas de desenvolvimento ainda não são pessoas) não é da conta de mais ninguém.

Embora possa parecer antidemocrático não dar ouvidos ao que pensa a maioria, creio que prevalece aqui o princípio da ampliação das liberdades individuais, que é indissociável da consolidação da democracia. Basta lembrar que, até poucas décadas atrás, a maioria dos países ocidentais ainda mantinha leis que criminalizavam o homossexualismo, o que hoje soa absurdamente ditatorial.

O título do texto é de autoria deste site.



Não grite 'assassina' à mulher que abortar por causa do zika

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Só metade dos americanos que dizem 'não acredito em Deus' seleciona 'ateu' em pesquisa