Pular para o conteúdo principal

O elevado consumo de energia do cérebro humano é um paradoxo da evolução?

A maioria dos animais tem cérebros pequenos e não parece precisar de mais neurônios. O elefante tem cérebro maior, mas não é mais inteligente que o humano. O que a ciência sabe até agora?


Robert Foley
professor emérito de evolução humana, Universidade de Cambridge, no Reino Unido

Marta Mirazón Lahr
professora de biologia evolutiva humana e diretora Coleção Duckworth, Universidade de Cambridge

The Conversation
plataforma de informação e análise produzida por acadêmicos e jornalistas

Este é um dos grandes paradoxos da evolução. Os humanos demonstraram que ter um cérebro grande é a chave para o seu sucesso evolutivo, mas esse tipo de cérebro é extremamente raro em outros animais. A maioria deles sobrevive com cérebros pequenos e não parece precisar de mais neurônios.

Por quê?

A resposta com a qual a maioria dos biólogos concorda é que cérebros grandes são caros em termos da energia necessária para operá-los. E, dada como a seleção natural funciona, os benefícios simplesmente não compensariam os custos.

Mas é apenas uma questão de tamanho? Como os nossos cérebros estão organizados afeta o seu custo energético? Um novo estudo, publicado na Science Advances, fornece algumas respostas interessantes.

Todos os nossos órgãos têm custos de energia para funcionar, mas alguns são baixos e outros muito altos. Os ossos, por exemplo, requerem relativamente pouca energia.

Embora representem cerca de 15% do nosso peso, os ossos utilizam apenas 5% do nosso metabolismo. 

Os cérebros estão no outro extremo do espectro e, com cerca de 2% do peso do corpo humano típico, o seu funcionamento utiliza cerca de 20% do nosso consumo total de energia. E isto sem qualquer pensamento particularmente intenso — isso acontece mesmo quando dormimos.

Para a maioria dos animais, os benefícios de ter um cérebro que consome tanta energia simplesmente não valeria a pena. Mas por alguma razão ainda desconhecida — talvez o maior enigma da evolução humana — os humanos encontraram formas de superar os custos de um cérebro maior e colher os benefícios.

Responsável por atividades
cognitivas, o córtex é a
região do cérebro que
mais exige energia

Os humanos deram um jeito de "pagar" custos mais elevados dos seus cérebros devido à natureza particular da sua cognição? Pensar, falar, autoconsciência ou adição custam mais do que as atividades diárias típicas dos animais?

Esta questão não é fácil de responder, mas a equipe responsável pelo novo estudo, liderada por Valentin Riedl, da Universidade Técnica de Munique, na Alemanha, aceitou o desafio.

Os autores tinham vários elementos conhecidos para começar. A estrutura básica dos neurônios é praticamente a mesma em todo o cérebro e em todas as espécies. A densidade neuronal também é a mesma em humanos e outros primatas, portanto é improvável que os neurônios impulsionem a inteligência. Se fosse esse o caso, alguns animais com cérebros grandes, como orcas e elefantes, seriam provavelmente mais “inteligentes” que os humanos.

Os pesquisadores também sabiam que durante a evolução humana, o neocórtex — a maior parte da camada externa do cérebro, conhecida como córtex cerebral — cresceu mais rapidamente do que outras partes. Essa região, que inclui o córtex pré-frontal, é responsável por tarefas que envolvem atenção, pensamento, planejamento, percepção e memória episódica, todas necessárias para funções cognitivas superiores.

Estas duas observações levaram os pesquisadores a questionar se os custos energéticos do funcionamento variam entre regiões do cérebro.

A equipe escaneou o cérebro de 30 pessoas usando uma técnica para medir simultaneamente o metabolismo da glicose (uma medida do consumo de energia) e a quantidade de trocas entre os neurônios no córtex. Eles foram então capazes de examinar a correlação entre esses dois elementos e ver se diferentes partes do cérebro usavam diferentes níveis de energia.

Resultados surpreendentes

Os neurobiólogos certamente analisarão e explorarão os mínimos detalhes desses resultados, mas, do ponto de vista evolutivo, já dá o que pensar. Os pesquisadores descobriram que a diferença no consumo de energia entre as diferentes áreas do cérebro é significativa. 

As partes do cérebro humano que mais se desenvolveram têm custos mais elevados do que o esperado. O neocórtex requer cerca de 67% mais energia do que as redes que controlam os nossos movimentos.

Isto significa que, ao longo da evolução humana, não só os custos metabólicos dos nossos cérebros aumentaram à medida que cresceram, como também o fizeram a um ritmo acelerado, com o neocórtex a desenvolver-se mais rapidamente do que o resto do cérebro.

Por que foi assim? Afinal, um neurônio é um neurônio. O neocórtex está diretamente ligado às funções cognitivas superiores.

Os sinais enviados através desta área são mediados por substâncias químicas cerebrais, como serotonina, dopamina e norepinefrina (neuromoduladores), que criam circuitos no cérebro para ajudar a manter um nível geral de excitação (no sentido neurológico do termo, ou seja, despertar). Esses circuitos, que regulam certas áreas do cérebro mais do que outras, controlam e modificam a capacidade dos neurônios de se comunicarem entre si.

Por outras palavras, mantêm o cérebro ativo para armazenamento de memória e pensamento — um nível geralmente mais elevado de atividade cognitiva. Talvez não seja surpreendente que o nível mais elevado de atividade envolvido na nossa cognição avançada tenha um custo energético mais elevado.

Em última análise, parece que o cérebro humano evoluiu para níveis tão avançados de cognição, não só porque temos cérebros grandes, nem apenas porque certas áreas do nosso cérebro cresceram desproporcionalmente, mas também porque a conectividade melhorou.

Muitos animais com cérebros grandes, como elefantes e orcas, são muito inteligentes. Mas parece que é possível ter um cérebro grande sem desenvolver os circuitos “corretos” para a cognição ao nível humano.

Estes resultados ajudam-nos a compreender porque é que cérebros grandes são tão raros. Um cérebro maior pode permitir a evolução de uma cognição mais complexa. Contudo, não se trata simplesmente de aumentar o tamanho e a energia do cérebro ao mesmo ritmo, mas de incorrer em custos adicionais.

Isto não responde realmente à questão fundamental: como é que o homem conseguiu romper o limite energético cerebral? 

Como muitas vezes acontece na evolução, a resposta está na ecologia, a principal fonte de energia. Desenvolver e manter um cérebro grande — independentemente das atividades sociais, culturais, tecnológicas ou outras a que se destina — requer uma dieta confiável e de qualidade.

Para saber mais sobre a interface entre o gasto energético e a cognição, precisamos de explorar o último milhão de anos, o período em que os cérebros dos nossos antepassados ​​realmente se desenvolveram, 

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão