Pular para o conteúdo principal

Três em cada quatro infectados por coronavírus desenvolveram sintomas de Covid longa

Pacientes relataram sintomas como dores de cabeça, fadiga, perda de olfato e paladar, tosse, queda de cabelo e complicações neurológicas


Um estudo inédito que acompanhou mil pacientes durante os últimos três anos mostra que três em cada quatro infectados pelo coronavírus desenvolveram Covid longa, ou seja, sintomas persistentes da doença após três meses de contaminação. Pessoas que não completaram o ciclo vacinal contra a Covid-19 tiveram 23% mais chance de ter Covid longa.

 As conclusões da pesquisa coordenada por pesquisadores das universidades federais de Pelotas (UFPel) e do Rio Grande do Sul (UFRGS) estão em artigo publicado na segunda (4) na revista científica “Cadernos de Saúde Pública”.

Na coorte Pampa (Prospective Study About Mental and Physical Health), os autores coletaram informações sobre pacientes no Rio Grande do Sul infectados pelo coronavírus em diferentes momentos desde o início da pandemia de Covid-19, entre junho e dezembro de 2020, e junho de 2021, 2022 e 2023, por meio de questionários online.

“A ideia era ter uma visão a curto, médio e longo prazos”, explica Natan Feter, pesquisador da UFRGS e autor do estudo. “No início da pandemia, estávamos preocupados com as taxas de infecção. Agora estamos preocupados com as consequências da Covid-19”, diz o autor.

Sintomas se apresentaram
acentuados em pessoas que
praticam atividades físicas

A Covid longa é caracterizada pela persistência de sintomas da Covid-19 por três meses ou mais. Dores de cabeça, fadiga, perda de olfato e paladar, tosse, queda de cabelo e complicações neurológicas foram os sintomas mais relatados pelos participantes da pesquisa.

 Mulheres relataram mais sintomas de fadiga, dores de cabeça e queda de cabelo do que os homens.

Condições como obesidade e tabagismo intensificaram sintomas de dores de cabeça, perda de olfato e paladar e complicações neurológicas.

Pessoas que praticam atividade física apontaram menos sintomas comparados a sedentários, assim como quem não tomou a primeira e segunda doses da vacina da Covid-19 e as doses de reforço.

 “Existe um gradiente dose-resposta entre vacinas e Covid longa: quanto mais doses, maior a proteção. Assim, quem não tomou dose de reforço ficou mais vulnerável a desenvolver Covid longa”, explica Feter.

Segundo avalia o pesquisador, a Covid longa é considerada como uma nova fase pós-pandemia de Covid-19. “Essa condição crônica está associada a perda de produtividade e maior gasto do sistema de saúde pública, especialmente em países de baixa e média renda, onde o sistema é mais frágil”, comenta. 

Os resultados da pesquisa, segundo ele, coincidem com achados de pesquisas internacionais sobre essa doença. “Talvez a pandemia tenha dado uma trégua, mas ainda vamos ouvir falar das suas consequências por mais tempo”, observa o autor.

A equipe pretende continuar acompanhando a prevalência de sintomas da Covid longa no Rio Grande do Sul por meio de novos questionários online. A expectativa é de que um novo levantamento seja feito em junho de 2024. 

O grupo também quer investigar a associação da persistência de sintomas da Covid com outros fatores, como uso de cigarro eletrônico e sintomas de depressão e ansiedade. As novas análises podem auxiliar na elaboração de tratamentos e terapias para a condição.

• Negacionismo de Bolsonaro impediu desenvolvimento de vacina contra Covid-19

• Covid-19 deixa 80% dos pacientes com falhas na atenção, mostra pesquisa do InCor

• Desafio da humanidade na era pós-Covid-19 será obter a solidariedade global, diz Harari

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios