Pular para o conteúdo principal

Deputada federal usa copia-e-cola em projeto para punir sátira ao cristianismo

Bolsonarista da Câmara inspirou-se em uma proposta de uma bolsonarista da Assembleia do Amazonas para tentar impor uma lei de regime teocrático


A deputada federal Clarissa Tércio (PP-PE) apresentou projeto de lei que, se aprovado, criará um instrumento judicial comparável à legislação de países teocráticos, como o Irã.

Tércio quer instituir proibição ao que entende por "vilipêndio de dogmas e crenças cristãs sob a forma de sátira, ridicularização e menosprezo".

No Irã, quem vilipendiar o islamismo ou ridicularizar Maomé sofrerá punição que vai de chibatadas à pena de morte.

Tércio não chega a tanto, propondo que o infrator seja multado de 4 a 380 salários mínimos, o que hoje significa a faixa de R$ 5.280 a R$ 491.600.

A deputada também quer que o infrator seja impedido de participar de eventos públicos, como o Carnaval, por cinco anos, além de não poder receber financiamento público ou de ser contratado por instituições oficiais.

Deputada Clarissa Tércio
copia-e-cola projeto de outra
parlamentar de extrema direita

FOTO: REDE SOCIAL


O jornalista e militante da laicidade de Estado Eduardo Banks afirma que o projeto apresentado por Tércio é um "cópia-e-cola" de outros que, nos Estados, querem impor leis teocráticas.

Ele cita como exemplo o projeto de lei da deputada estadual bolsonarista Débora Menezes (PL), do Amazonas, que estabelecia multa de R$ 5 mil a R$ 500 mil q quem fizer piada com Jesus ou zombar do cristianismo.

Apesar de ser inconstitucional, de afrontar o Estado laico, o projeto de lei Menezes foi aprovado pela Assembleia Legislativa, mas vetado integralmente pelo governo Wilson Miranda Lima (União Brasil).

Como Menezes, a deputada Tércio é da extrema direita evangélica e bolsonarista. Filha de coronel aposentado e pastor, ela defendeu o uso da cloroquina e já foi condenada a pagar a um casal indenização de R$ 10 mil por transfobia.

Em 2020, ela comandou em Recife o ataque de um grupo de fundamentalistas religiosos a um hospital que tinha recebido do Espírito Santo para um aborto legal uma menina de 10 anos estuprada pelo padrasto.

Do lado de fora do hospital, a deputada puxou o coro acusando a menina de "assassina, assassina, assassina".

Comentários

CBTF disse…
Dei uma olhada no Instagram dela e fiquei surpreso, é só fake news de todos os tipos, como o governo permite alguém divulgar tantas mentiras, deveria ser cassada.
Wilson Silva disse…
Vitimimismo e coitadismo cristão legalizado.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Padre associa a tragédia das enchentes ao ateísmo de gaúchos. Vingança de Deus?

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Santuário de Aparecida inaugura mosaicos de padre suspeito de abuso sexual

Marcha para Jesus no Rio contou com verba de R$ 2,48 milhões

A prefeitura do Rio de Janeiro liberou R$ 2,48 milhões para a realização ontem (sábado, 19) da Marcha para Jesus, que reuniu cerca de 300 mil evangélicos de diferentes denominações. Foi a primeira vez que o evento no Rio contou com verba oficial e apoio institucional da Rede Globo. O dinheiro foi aprovado para a montagem de palco, sistema de som e decoração. O pastor Silas Malafaia, um dos responsáveis pela organização da marcha, disse que vai devolver R$ 410 mil porque o encontro teve também o apoio de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo. “O povo de Deus é correto”, disse. “Quero ver a parada gay devolver algum dinheiro de evento.” Pela Constituição, que determina a laicidade do Estado, a prefeitura não pode conceder verba à atividade religiosa. Mas o prefeito Eduardo Paes (PMDB), que compareceu à abertura da marcha, disse que o seu papel é apoiar todos os eventos, como os evangélicos e católicos e a parada gay. A marcha começou às 14h e contou com sete trios

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão