Pular para o conteúdo principal

Câmara de Artur Nogueira recorre contra veto à leitura bíblica. Sua fundamentação é fraca

A abordagem da casa legislativa da cidade paulista desvia-se do mérito da decisão do Tribunal de Justiça — o Princípio da Laicidade


EDUARDO BANKS
jornalista e ativista da
laicidade de Estado

A Câmara Municipal de Artur Nogueira (SP) interpôs recurso extraordinário contra o acórdão do Órgão Especial do TJ (Tribunal de Justiça) que derrubou a leitura bíblica na abertura das sessões. Invocou a incidência do tema 1120 da Repercussão Geral, que se refere à inconstitucionalidade por vícios no processo legislativo.

Não é o caso. O MP-SP (Ministério Público de São Paulo) não imputou nenhum vício na elaboração do regimento interno da Câmara Municipal, apenas ressaltando que o artigo que falava em "fazer leitura bíblica" viola à laicidade do Estado.

A norma pode ter sido aprovada em um processo legislativo perfeitamente regular, e ser inconstitucional, o que é o caso.

Além disso, a questão posta no recurso não foi prequestionada no acórdão recorrido, ou seja, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo não construiu tese sobre o artigo 29, inciso IX da Constituição Federal, que a Procuradoria da Câmara invocou, e nem a Câmara opôs Embargos de Declaração para forçar a discussão da tese (o Recurso desatende à Súmula 356 do Supremo Tribunal Federal).

Vereadores resistem em
acatar a laicidade de Estado
determinada pela Constituição
Foto: divulgação

Observa-se que o recurso não ataca os fundamentos do acórdão, os quais assentam na violação ao Princípio da Laicidade (artigo 19, inciso I da Constituição Federal), sendo inepto neste ponto por não infirmar todas as conclusões alcançadas pelo acórdão para julgar procedente a ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade).

O recurso até poderia alegar que o Regimento Interno é ato interna corporis, mas deveria ter um capítulo demonstrando que a "leitura bíblica" não violaria à laicidade estatal, o que não foi feito, logo, é inadmissível pela súmula 283-STF, posto que não impugna todos os fundamentos do Acórdão recorrido).

Apenas alega que a "leitura bíblica" seria um ato interna corporis da Câmara Municipal, algo que, certo ou errado, ela teria o poder de fazer, e somente a própria Câmara poderia mudar.

Não é assim que funciona. O Ministério Público pode e deve fiscalizar o teor de qualquer norma jurídica, principalmente quanto aponta inconstitucionalidade material, e não apenas formal.

É o pior Recurso Extraordinário que já vi nessa matéria. O da Câmara Municipal de Piracicaba chegou a ser admitido pela presidência do TJ-SP, mas teve o seguimento negado pelo ministro do STF Ricardo Lewandowski (que se aposentou).

O recurso da Câmara Municipal de São Carlos foi sobrestado, até que se julgue o Tema 1086 da Repercussão Geral (ostentação de símbolos religiosos em prédios públicos), mas esse da Câmara Municipal de Artur Nogueira não deve passar sequer no exame de admissibilidade no TJ-SP.

• Eduardo Banks se destaca como ativista em defesa do Estado laico

• Estado laico não é contra Deus nem a favor


Comentários

CBTF disse…
O coroné Aboberto fez ontem uma moção de aplausos as mulheres solteiras que querem ter filhos e não podem. Tudo isso em protesto a legalização do aborto, dei muita risada quando vi, uma verdadeira sessão de comédia.
Uma (ou mais) vez explanei que no caso da Bíblia, que seja isento a lógica de "inclusão religiosa". Lembrar dos "maravilhosos" versículos BEM CLAROS a respeito do "amor DE Deus" etc. Nada de aceitar "versícuos da conveniência". E salientar que HÁ "versões" da Bíblia, algumas até tem LIVROS a mais (ou as outtras seriam a menos?), versículos a mais etc.
Não esquecendo de incluir OUTROS livros religiosos, afinal, há ou não liberdade religiosa? Ou melhor, de crença ou não crença? Logo esotéricos, místicos, wicca, ateístas, céticos etc.
Ou seja, independete de ferir a laicidade, seria impraticável ter que recintar por haver TANTAS da própria Bíblia e outras.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Terraplanista vai a Noruega, vê o sol da meia-noite e admite que a Terra é redonda

Bíblia tem mais de 2,5 milhões de mortes em nome de Deus

Trechos bíblicos cuja existência crente finge não saber

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três