Pular para o conteúdo principal

Escola pública chama-se Assembleia de Deus. Proselitismo evangélico não tem limite?

O caso representa um avanço até agora inédito de uso de bem público para marketing religioso

PAULO LOPES
jornalista

Acaba de ser inaugurada em Barra do Bugres, a 169 km de Cuiabá (MT), a Escola Evangélica Assembleia de Deus.

Pelo nome, é possível inferir que se trata de um estabelecimento confessional, mantido pela denominação religiosa, para alunos cujos país são fiéis da Assembleia.

Mas não. Trata-se de uma escola pública, estadual, construída e mantida pelos impostos pagos por pessoas de todas as crenças, sem religião, agnósticos e ateus, em um país laico.

O Ministério Público do Mato Grosso está investigando por que a escola recebeu o nome de uma igreja evangélica, embora, a rigor, não há muito o que apurar porque se trata da expropriação até agora inédita de um bem público pelo proselitismo religioso.

É uma 
escola
ou um
templo?

 Se a Assembleia de Deus quer uma escola como o seu nome, que ela construa uma com o seu dinheiro e a mantenha, pague os professores, cuide da preservação do prédio. A Igreja deveria entender que se aproveitar do dinheiro público é pecado.

No Brasil, há milhares de escolas com nome de santos, assim como cidades, em decorrência do histórico da forte influência da Igreja Católica na sociedade. Mas, ainda assim, não há nenhuma escola com o nome "Igreja Católica", mesmo considerando que ordens católicas são mantenedoras de estabelecimentos de ensino.

André Trapani, professor de direito constitucional, lembra que o Brasil é um Estado laico, portanto "não pode ter preferência a igrejas ou religiões".

"O nome da escola, que é pública, deve respeitar a laicidade do Estado e pode ser sensível a pessoas de outras religiões que queiram matricular seus filhos lá. Então, sim, há uma inconstitucionalidade no nome."

Diante da forte reação ao nome da escola, Saulo Scariot, secretário estadual de Educação de Mato Grosso, já admite escolher outra designação. 

Que assim seja, para evitar que pipoquem em todo o território nacional escolas com nome de "Igreja Universal", "Igreja Mundial", "Igreja do Reino da Graça", "Igreja Bola de Neve".

> Com informação do G1 e de outras fontes e foto de divulgação.

• Bananeiras afronta o Estado laico nas escolas e Câmara

• Leitura bíblica em Câmara de Catanduva é inconstitucional



Comentários

CBTF disse…
Imagina como são as aulas de ciência nessa escola, depois não sabem pq o ensino público está péssimo.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Marcha para Jesus se tornou palanque para candidatos da extrema direita