Pular para o conteúdo principal

Redução de peixes de água doce na América Latina e Caribe chega a 83%

Relatório sobre biodiversidade aponta que a maior perda é de espécies pequenas


LAURA OLIVEIRA
jornalista

Jornal da USP

A 14ª edição do Relatório Planeta Vivo, documento emitido pela organização não governamental internacional World Wide Fund for Nature (WWF) sobre a biodiversidade, apontou que, entre os anos de 1970 e 2018, a América Latina e Caribe acumulou uma perda de 94% em sua biodiversidade. Desse total, 83% correspondem a espécies que vivem em água doce.

O professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP, Ricardo Macedo Corrêa e Castro, especialista em peixes de água doce, explica que grande parte das espécies ameaçadas é de peixes pequenos.

Poluição das águas
impacta mais nos
peixes pequenos

“Setenta por cento dessa enorme fauna de peixes de água doce têm aproximadamente 15 cm ou menos de comprimento quando adulta. Então, a nossa fauna de peixes é dominada por peixinhos, peixinhos que vivem em poças temporárias, os chamados peixes das nuvens ou peixes da chuva, ou então vivem em riachos.”

De acordo com Castro, parte da razão para a extinção dos peixes ao longo das décadas, é o histórico de abuso de corpos d’água, ou seja, oceanos, mares, lagos, poças, riachos, etc.

O uso de hidrelétricas, por exemplo, apesar de ser considerado energia limpa, impacta diretamente na reprodução e desenvolvimento de peixes maiores. “As grandes barragens impedem as migrações reprodutivas, as chamadas piracemas, […] você transforma um ambiente de água corrente, com ciclos de cheia e vazante, alagamento de várzea num lago imenso, muitas vezes com a água do fundo parada, quase sem oxigênio.”

O relatório aponta que a principal solução para a diminuição da população de peixes migratórios é a remoção de barragens. “A remoção de duas barragens e a melhora de outras no rio Penobscot, no Maine, EUA, resultaram em um aumento de algumas centenas para quase 2 milhões de arenques em cinco anos, o que permitiu que as pessoas retornassem à pesca”, exemplifica o documento.

Peixes pequenos

No caso dos peixes menores, que em geral vivem em riachos, o professor explica que o maior problema “está na retirada da vegetação nativa para produção de pastos ou plantações e esse ambiente apresenta pouca resistência a mudanças”.

Castro conta que a maior parte do Brasil era coberta de florestas na época do descobrimento, e que por isso a maioria dos riachos corria dentro de uma galeria fechada de mata. Essa mata impedia a erosão e a incidência direta da luz do sol na água, mantendo as águas frias e o leito formado por pedras e galhos, grandes fontes alimentícias para a biodiversidade do ambiente.

 “Quando você simplesmente retira essa mata, dá para imaginar o desastre que foi? A erosão aumenta; o fundo do riacho vira um areal estéreo; praticamente muda totalmente a disponibilidade de alimento. A temperatura da água começa a variar ao longo do dia, isso quando o riacho não seca.”

> Com informação do 14ª edição do Relatório Planeta Vivo e foto de Milada Vigerova/Unsplash

• USP identifica pela primeira vez microplástico ambiental em pulmão humano

• Atual extinção de espécies é comparável à que houve com queda de asteroide

• Biólogo americano explica em vídeo por que todos somos peixes



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

AdSense desmonetiza página do texto 'Ateísmo significa libertação do medo do sobrenatural'

Pastores do Malafaia têm salário de até R$ 20 mil, casa e carro

Pastores mais habilidosos  estão sendo disputados  pelas igrejas Silas Malafaia, 53, informou que o salário dos pastores de sua igreja, a Assembleia de Deus Vitória em Cristo, vai de R$ 3.000, para iniciantes, a R$ 20.000, com benefícios que incluem casa mobiliada, escola para filhos e plano de saúde. Pastores com experiência têm direito a carro do ano. É a primeira vez que um líder religioso neopentecostal revelou o salário dos pastores. Na falta de maiores informações, os valores citados por Malafaia podem ser tomados como referência do mercado de salários dos pregadores da Bíblia. As perspectivas desses profissionais são as melhores possíveis, considerando que não precisam ter formação universitária. Um professor de ensino médio não ganha tanto, nem sequer um médico em início de carreira, por exemplo. “Mas é preciso saber ler a Bíblia, pregar, explicar”, disse Malafaia à jornalista Daniela Pinheiro, que escreveu para a revista Piauí de setembro reportagem sobre o pastor.

Em vídeo, Malafaia pede voto para Serra e critica Universal e Lula

Malafaia disse que Lula está fazendo papel de "cabo eleitoral ridículo" A seis dias das eleições, o pastor Silas Malafaia (foto), da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, gravou um vídeo de 8 minutos [ver abaixo] pedindo votos para o candidato à prefeitura de São Paulo José Serra (PSDB) e criticou a Igreja Universal e o ex-presidente José Inácio Lula da Silva. Malafaia começou criticando o preconceito que, segundo ele, existe contra pastor que emite opinião sobre política, o mesmo não ocorrendo com outros cidadãos, como operários, sindicalistas, médicos e filósofos. O que não pode, afirmou, é a Igreja, como instituição, se posicionar politicamente. “A Igreja é de Jesus.” Ele falou que tinha de se manifestar agora porque quem for para o segundo turno, se José Serra ou se Fernando Haddad, é quase certeza que será eleito, porque Celso Russomanno está caindo nas pesquisas por causa do apoio que tem recebido da Igreja Universal. Afirmou que apoia Serra na expectativa de

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

Padre explica seu vídeo sobre mulher apanha porque quer

O padre cantor Fábio de Melo tem tentado nos últimos dias, nas redes sociais, rebater as acusações de que é machista.

Eleição de Haddad significará vitória contra religião, diz Chaui

Marilena Chaui criticou o apoio de Malafaia a Serra A seis dias das eleições do segundo turno, a filósofa e professora Marilena Chaui (foto), da USP, disse ontem (23) que a eleição em São Paulo do petista Fernando Haddad representará a vitória da “política contra a religião”. Na pesquisa mais recente do Datafolha sobre intenção de votos, divulgada no dia 19, Haddad estava com 49% contra 32% do tucano José Serra. Ao participar de um encontro de professores pró-Haddad, Chaui afirmou que o poder vem da política, e não da “escolha divina” de governantes. Ela criticou o apoio do pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus do Rio, a Serra. Malafaia tem feito campanha para o tucano pelo fato de o Haddad, quando esteve no Ministério da Educação, foi o mentor do frustrado programa escolar de combate à homofobia, o chamado kit gay. Na campanha do primeiro turno, Haddad criticou a intromissão de pastores na política-partidária, mas agora ele tem procurado obter o apoio dos religi

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão