Pular para o conteúdo principal

Redução de peixes de água doce na América Latina e Caribe chega a 83%

Relatório sobre biodiversidade aponta que a maior perda é de espécies pequenas


LAURA OLIVEIRA
jornalista

Jornal da USP

A 14ª edição do Relatório Planeta Vivo, documento emitido pela organização não governamental internacional World Wide Fund for Nature (WWF) sobre a biodiversidade, apontou que, entre os anos de 1970 e 2018, a América Latina e Caribe acumulou uma perda de 94% em sua biodiversidade. Desse total, 83% correspondem a espécies que vivem em água doce.

O professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da USP, Ricardo Macedo Corrêa e Castro, especialista em peixes de água doce, explica que grande parte das espécies ameaçadas é de peixes pequenos.

Poluição das águas
impacta mais nos
peixes pequenos

“Setenta por cento dessa enorme fauna de peixes de água doce têm aproximadamente 15 cm ou menos de comprimento quando adulta. Então, a nossa fauna de peixes é dominada por peixinhos, peixinhos que vivem em poças temporárias, os chamados peixes das nuvens ou peixes da chuva, ou então vivem em riachos.”

De acordo com Castro, parte da razão para a extinção dos peixes ao longo das décadas, é o histórico de abuso de corpos d’água, ou seja, oceanos, mares, lagos, poças, riachos, etc.

O uso de hidrelétricas, por exemplo, apesar de ser considerado energia limpa, impacta diretamente na reprodução e desenvolvimento de peixes maiores. “As grandes barragens impedem as migrações reprodutivas, as chamadas piracemas, […] você transforma um ambiente de água corrente, com ciclos de cheia e vazante, alagamento de várzea num lago imenso, muitas vezes com a água do fundo parada, quase sem oxigênio.”

O relatório aponta que a principal solução para a diminuição da população de peixes migratórios é a remoção de barragens. “A remoção de duas barragens e a melhora de outras no rio Penobscot, no Maine, EUA, resultaram em um aumento de algumas centenas para quase 2 milhões de arenques em cinco anos, o que permitiu que as pessoas retornassem à pesca”, exemplifica o documento.

Peixes pequenos

No caso dos peixes menores, que em geral vivem em riachos, o professor explica que o maior problema “está na retirada da vegetação nativa para produção de pastos ou plantações e esse ambiente apresenta pouca resistência a mudanças”.

Castro conta que a maior parte do Brasil era coberta de florestas na época do descobrimento, e que por isso a maioria dos riachos corria dentro de uma galeria fechada de mata. Essa mata impedia a erosão e a incidência direta da luz do sol na água, mantendo as águas frias e o leito formado por pedras e galhos, grandes fontes alimentícias para a biodiversidade do ambiente.

 “Quando você simplesmente retira essa mata, dá para imaginar o desastre que foi? A erosão aumenta; o fundo do riacho vira um areal estéreo; praticamente muda totalmente a disponibilidade de alimento. A temperatura da água começa a variar ao longo do dia, isso quando o riacho não seca.”

> Com informação do 14ª edição do Relatório Planeta Vivo e foto de Milada Vigerova/Unsplash

• USP identifica pela primeira vez microplástico ambiental em pulmão humano

• Atual extinção de espécies é comparável à que houve com queda de asteroide

• Biólogo americano explica em vídeo por que todos somos peixes



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Cientistas brasileiros e mexicanos descobrem pequena espécie de morcego

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Um em cada 4 brasileiros não tem acesso à coleta de esgoto, mostra IBGE

Veja os 10 trechos mais cruéis da Bíblia

Quatro séculos tentando provar a existência de Deus. E fica cada vez mais difícil

Contar o número de deuses é difícil porque são muitos, dezenas de milhares, milhões

Igrejas católicas alemãs estão sendo derrubadas. É a demolição da própria religião

Padre autor do mosaico de Aparecida é acusado de invocar a Trindade para ter sexo a três

Ministro 'terrivelmente' evangélico decide que financiar monumento religioso é constitucional