Pular para o conteúdo principal

Igrejas na Alemanha perdem fiéis em ritmo acelerado

Pesquisador diz não ser mais normal pertencer a uma das duas grandes igrejas, a Católica e a Evangélica

RELIGIÓN DIGITAL

Em 2021, 51% dos alemães pertenciam à Igreja Católica ou à Igreja Evangélica. Em 1990, 72% eram membros de uma das duas grandes igrejas.

Além da morte de paroquianos, as Igrejas tiveram que enfrentar inúmeros pedidos de demissão nos últimos anos, no caso da Igreja Católica, em grande parte relacionados aos escândalos de abuso de menores por parte de clérigos.

Entre 1950 e 1989 o número de membros da Igreja Evangélica caiu na antiga RDA  [Alemanha Oriental] de 15 para 4 milhões. O número de católicos caiu pela metade para cerca de 1 milhão.

Menos da metade dos alemães pertence a uma das duas grandes Igrejas, a Igreja Católica ou a Igreja Evangélica, de acordo com um estudo do Grupo de Pesquisa Worldview na Alemanha (Fowid).

"Esta é uma virada histórica, não é mais normal pertencer a uma das duas grandes igrejas da Alemanha", disse um dos autores do estudo, Carsten Frerk.

No ano passado, 51% dos alemães pertenciam à Igreja Católica ou à Igreja Evangélica. Em 1990, 72% eram membros de uma das duas grandes igrejas.

A Igreja Evangélica, segundo dados oficiais, tinha 19,7 milhões de paroquianos no final de 2021, ante 20,2 milhões no ano anterior.

De acordo com os cálculos de Fowid na Igreja Católica, existem atualmente 21,8 milhões de paroquianos em comparação com 22,2 milhões no ano anterior.

"A tendência de queda já é observada há algum tempo, mas nos últimos seis anos acelerou mais do que muitos estimam", explicou Frerk.

Igrejas estão
cada vez
mais vazias

Enquanto entre 2000 e 2015 as igrejas perderam entre 0,6 e 0,8% dos membros anualmente, a partir de 2016 o número está entre 1,0 e 1,4%.

Além da morte de paroquianos, as Igrejas tiveram que enfrentar inúmeros pedidos de demissão nos últimos anos, no caso da Igreja Católica em grande parte relacionados aos escândalos de abuso de menores por clérigos.

O presidente da associação Interdenominacional Remid, Robert Stephanus, sustentou, em declarações ao semanário "Der Spiegel", que os motivos dos pedidos de retirada são variados e vão desde um protesto consciente contra as hierarquias eclesiásticas até o desejo de salvar o imposto que as igrejas são pagas.

Por outro lado, existem diferenças regionais na intensidade dos laços eclesiásticos.

Enquanto na Baviera, por exemplo, o número de pessoas pertencentes à Igreja permaneceu em níveis elevados por muito tempo, no território da antiga RDA já havia uma forte sangria durante os anos da divisão da Alemanha.

Entre 1950 e 1989 o número de membros da Igreja Evangélica caiu na antiga RDA de 15 para 4 milhões. O número de católicos naquela parte do país foi reduzido pela metade nesse período para cerca de 1 milhão.




Abuso em coral alemão desmente narrativa defendida por Bento 16

Comentários

A civilização do Planeta Terra não alcançará a Perfeição e a Verdadeira Paz enquanto a última pedra da última igreja não houver caído sobre o último padre, pastor, bispo, papa, esmagando-os, e o Planeta Terra estiver totalmente livre dessa corja amaldiçoada imunda, mentirosa, e desgraçada de ladrões e vagabundos religiosos de todas as cores, bandeiras, e denominações escravizadores da humanidade da Terra.*
A religião é o VERDADEIRO CÂNCER MORTAL de todo o Planeta Terra. As religiões e a política, juntas, são a VERDADEIRA causa número um de todas as guerras SANGUINÁRIAS.*
Um dia a denominada história "sagrada" será chamada pelo nome que merece: história amaldiçoada; as palavras "deus", "allah", "jeová", "salvador", "bíblia", "torah", "alcorão, qur'an ou koran", "mórmon", "pentecostal", "redentor", "evangélico", "evangelho", "crente", "batista", "maranatha", "pastor", "sacerdote" "bispo", "papa", "católico", "yeshua" "yehoshua", "cristo", "jesus", "igreja", "santo", "ocultista", "canalizador", "esotérico", todas estas palavras serão usadas como insultos, como maldições, como ofensas, assim como apelidos para criminosos psicopatas e sociopatas extremamente perigosos.
Helder Caires disse…
Fui criado na religião católica. Depois de adulto, lendo, vi o crime cometido pelos seguidores do nazareno durante mais de mil anos: sufocaram a cultura grega e toda cultura que fosse contrária aos interesses da elite da igreja romana. "Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (João, 8:32). A verdade não está em nenhuma igreja.
Unknown disse…
falou tudo as religiões são mais mortal e maléfica 100 vezes pior do que o veneno de escorpões
John disse…
O mundo só terá paz quando o Papa for o único governante do mundo. Assunto encerrado!
Anônimo disse…
Melhor que Bostonaro deve ser

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m