Pular para o conteúdo principal

Igreja Católica da Alemanha admite que freiras forneciam crianças a padres pedófilos

O bispo Karl-Heinz Wiesemann, de Speyer, uma das mais antigas cidades da Alemanha, reconheceu como verdadeiras as acusações de um homem de que freiras responsáveis por um orfanato forneciam crianças para padres e políticos pedófilos e elas eram pagas por isso. 

Atualmente com 63 anos, o homem relatou à Justiça que foi nos anos 60 e 70 uma das crianças abusadas, principalmente pelo então vigário-geral Rudolf Motzenbäcker, que o estuprou cerca de mil vezes.

O Tribunal de Bem-Estar Social de Darmstadt examinou as acusações do homem em maio de 2020, e agora a agência católica de notícias KNA e a protestante EPD obtiveram cópias do processo, com dezenas de páginas. 

A história chegou à Justiça porque o homem acionou a Lei de Compensação de Vítimas de Abusos, e as freiras Niederbronn disseram que não tinham informações porque o orfanato foi fechado em 2.000. Então a Justiça determinou que seus peritos fizessem uma investigação.

A vítima contou que as freiras da congregação Niederbronn "literalmente arrastaram" meninos e meninas para os padres abusadores.

Ele disse ao tribunal que tinha de se apresentar ao padre Motzenbäcker uma ou duas vezes por mês, sob o pretexto de cuidar do jardim da moradia do sacerdote, onde com frequência havia orgia com crianças. Compareciam de três e sete homens entre 40 e 60 anos.

Lembrou que uma vez encontrou na casa de Motzenbäcker três outros sacerdotes, que o usaram para "jogos sexuais", como penetração oral e anal. Havia espancamentos e encarceramento em um porão frio.

Transcrição de um trecho do depoimento da vítima ao tribunal: “Havia uma sala em que as freiras serviam bebidas e comida aos senhores, no outro canto as crianças eram estupradas. Os cavalheiros presentes teriam feito generosas doações às freiras"

Prossegue: “Os lençóis de linho ficavam manchados com o sangue dos órgãos genitais das crianças que tinham sido rasgados."

O homem disse que houve vítimas que se mataram. Contou que chegou a ir à polícia com uma menina do orfanato porque ela teria ficado grávida em uma orgia, mas os dois foram chamados por mentirosos pelas autoridades.

Duas semanas depois, ele sentiu a falta da menina no jantar e a procurou. Encontrou o corpo dela dependurado no sótão do orfanato. Ele não acredita que tenha havido suicídio, mas assassinato, porque a menina sabia demais. 

As autoridades policiais e o Ministério Público não têm informação sobre a suposta morte da menina, mas, para a Justiça, isso não prejudica a credibilidade do denunciante.

A Diocese de Speyer informou que outras vítimas apresentaram acusações de abuso, com histórias semelhantes entre si. O bispo Wiesemann disse que a Igreja está ajudando as investigações e as freiras também, embora, de início, elas resistiram em colaborar.

O principal denunciante disse que a maioria das pessoas envolvidas nos "estupros coletivos" promovidos por Motzenbäcker, inclusive as freiras cafetinas, já morreram, incluindo o padre, em 1998.

Por isso e também por causa da prescrição dos crimes, não houve nenhuma condenação. Ainda assim, o Ministério Público pagou ao denunciante a indenização de 15.000 euros em reconhecimento ao seu sofrimento.

Laudo de um perito da Justiça diz que o homem apresenta "sintomas psicopatológicos em uma extensão clinicamente relevante resultado da experiência de abuso”.

Os escândalos de pedofilia dentro da Igreja Católica, como esse, têm sido a principal causa na Alemanha de os fiéis deixarem de frequentar as missas, abandonando a religião.

Foto do acusador diante do
orfanato em que morou
 

Com informação da agência católica KNA e de outras fontes e foto de arquivo.





Igreja Católica do Brasil tem menos pedófilos do que outras?

Comentários

Max disse…
Igreja Criminosa Hedionda! Aliás, qual igreja não é?
Adilton Sampaio disse…
A Vida Sexual dos Santos Papas: Eric Frattini


Acessar
Irena Kinaszewska
Moisés Koch Dias
Mirella Gregori
Roberto Calvi
Kevin Annett


Acessar e pesquisar

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Mescla da política e religião intimida ateus no Brasil. E defendê-los e defender a razão

Deputado estadual constrói capela em gabinete. Ele pode?

Fé de pais TJs não supera direito à vida de um bebê, decide juíza

Como as memórias são armazenadas em nosso cérebro?

Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Ateu manda recado a padre preconceituoso de Nova Andradina: ame o próximo

No noticiário, casos de pastores pedófilos superam os de padres

Holanda pede a religiosos provas de que animal não sofre no abate

Marianne Thieme: "Liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento de humanos ou de animais"  O Parlamento da Holanda concedeu aos líderes do judaísmo e do islamismo um ano para provar cientificamente que o abate religioso não causa sofrimento nos animais.  Em junho de 2011, a Câmara dos Deputados aprovou lei que proíbe esse tipo de abate porque é feito sem o atordoamento dos animais. A lei terá de ser votada pelo Senado, para ser confirmada ou não, o que ocorrerá após o prazo dado para a manifestação dos religiosos. A lei foi proposta pelo Partido pelos Animais, o único do gênero no mundo. Para Marianne Thieme (foto), líder do partido, “a liberdade religiosa termina onde começa o sofrimento humano ou animal”. Ela é seguidora da Igreja Adventista do 7º Dia. A proposta da nova lei uniu judeus e muçulmanos do país. Eles acusam o Parlamento de querer acabar com a liberdade de religião. Pela tradição judaica e islâmica, os animais têm de estarem conscientes no m