Pular para o conteúdo principal

Na Alemanha, padres abusaram de 3.677 menores entre 1964 a 2014

por Deutsche Welle

Padres e membros ordenados da Igreja Católica da Alemanha abusaram sexualmente de mais de 3.677 menores de idade, principalmente de meninos de até 13 anos, entre 1964 e 2014, mostrou um estudo encomendado pela Conferência de Bispos Alemães.

Em um em cada seis casos houve diferentes formas de violação, segundo os sites da revista alemã Der Spiegel e do jornal Die Zeit, que divulgaram detalhes do estudo nesta quarta-feira (12 de setembro de 2018).

 Ao menos 1.670 religiosos estiveram envolvidos nos abusos, o que representa 4,4% do total de todos os clérigos de dioceses alemãs.

De acordo com o Die Zeit, 969 vítimas de abuso eram coroinhas. Três quartos de todas as vítimas mantinham uma relação religiosa ou de orientação espiritual com os clérigos, disse a Der Spiegel.


O estudo se baseia em mais de 38 mil documentos de 27 dioceses alemãs e foi conduzido por um consórcio de pesquisa formado pelas universidades de Mannheim, Heidelberg e Giessen durante quatro anos. A Conferência dos Bispos Alemães financiou o estudo com 1,1 milhão de euros, segundo o Die Zeit.

O número real de vítimas pode ser ainda maior, uma vez que, em muitos casos, documentos contendo informações sobre os acusados foram destruídos ou manipulados. Outra limitação do estudo é que seus autores não obtiveram permissão para avaliar os documentos originais.

Mais da metade de todos os casos só foi descoberta por conta de pedidos de compensações por parte das vítimas, uma vez que os arquivos sobre os clérigos não continham nenhuma referência aos abusos.

Em somente 566 dos casos, o equivalente a um terço dos clérigos envolvidos, os clérigos envolvidos nos abusos tiveram que enfrentar algum tipo de processo dentro da Igreja. Deles, 154 acabaram sem penalidades, e em 103 houve apenas uma advertência.

Quarenta e um culpados foram removidos de suas posições e 88 foram excomungados. Contudo, esse tipo de penalidades drásticas do ponto de vista da Igreja só atingiu 7,8% dos acusados, disse o Die Zeit. Em muitos casos, os padres foram simplesmente movidos para outras dioceses, cujos membros não foram informados sobre o passado dos religiosos transferidos.

O número de
predadores
pode ser maior

Segundo o estudo, não há razão para acreditar que o abuso de menores por membros da Igreja "seja um tema resolvido no passado e superado no momento", já que os abusos foram cometidos até o fim do período analisado pelos pesquisadores.

Os autores do estudo não fornecem um possível motivo para os abusos, mas dão algumas pistas. Os pesquisadores sugerem que a exigência de celibato pode ser "um possível fator de risco".

A Conferência dos Bispos Alemães não comentou o assunto imediatamente, afirmando que ainda prepara uma resposta. A instituição pretendia apresentar o estudo oficialmente apenas em 25 de setembro.

A Igreja Católica tem sido confrontada há anos com acusações de abuso sexual. No mês passado, um relatório apontou que mais de mil crianças foram vítimas de abusos sexuais cometidos por cerca de 300 padres no estado americano da Pensilvânia desde a década de 1940.

A Deutsche Welle é a emissora da Alemanha que produz jornalismo em 30 idiomas.


Aviso por e-mail de novo post

Treze das vítimas dos padres pedófilos belgas se suicidaram

Justiça da Pensilvânia identifica 300 padres que abusaram de mil crianças

Procurador da Pensilvânia acusa o Vaticano de acobertar padres pedófilos




Pedófilo obteve da Igreja Católica carta de recomendação para trabalhar na Disney

A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Nova espécie de ave descoberta na Caatinga tem origem em variações do São Francisco

BC muda cédulas do real, mas mantém 'Deus seja Louvado'

Louvação fere o Estado laico determinado pela Constituição  O Banco Central alterou as cédulas de R$ 10 e R$ 20, “limpou” o visual e acrescentou elementos de segurança, mas manteve a expressão inconstitucional “Deus seja Louvado”.  As novas cédulas, que fazem parte da segunda família do real, começaram a entrar em circulação no dia 23. Desde 2011, o Ministério Público Federal em São Paulo está pedindo ao Banco Central a retirada da frase das cédulas, porque ela é inconstitucional. A laicidade determinada pela Constituição de 1988 impede que o Estado abone qualquer tipo de mensagem religiosa. No governo, quanto à responsabilidade pela manutenção da frase, há um empurra-empurra. O Banco Central afirma que a questão é da alçada do CMN (Conselho Monetário Nacional), e este, composto por um colegiado, não se manifesta. Em junho deste ano, o ministro Marco Aurélio, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que a referência a Deus no dinheiro é inconcebível em um Estado moderno, cuja

Responda cristão: Deus criou as estrelas antes ou depois da Terra?

Livro conta em 300 páginas histórias de papas das quais poucos sabem

A física moderna sugere que o tempo não avança, é apenas uma ilusão

Evangélicos quebram imagens de umbanda no Rio

por Denise Menchen , da Folha Quatro integrantes da igreja evangélica Nova Geração de Jesus Cristo foram presos, acusados de invadir ontem à noite um centro de umbanda no Catete, zona sul do Rio de Janeiro, e quebrar cerca de 30 imagens religiosas, prateleiras e um ventilador (foto). O caso foi registrado na 9ª DP (Catete). Segundo uma das dirigentes do Centro Espírita Cruz de Oxalá, a advogada Cristina Maria Costa Moreira, 45, cerca de 50 pessoas aguardavam em fila a abertura do atendimento ao público, às 19h, quando Alessandro Brás Cabral dos Santos, Afonso Henrique Alves Lobato, Raimundo Nonato e uma jovem identificada apenas como Dominique chegaram ao local. De acordo com Moreira, eles ofenderam os presentes e forçaram a entrada na casa. "Eles chegaram dizendo que queriam ver onde estava o demônio e foram direto para o terreiro", conta Celso Quadros, 52, outro dirigente do centro espírita. "Quebraram tudo, inclusive imagens que temos há 40 anos". A a

Ateus americanos recorrem à Justiça na 'guerra ao Natal'

Bento 16 associa união homossexual ao ateísmo

Papa passou a falar em "antropologia de fundo ateu" O papa Bento 16 (na caricatura) voltou, neste sábado (19), a criticar a união entre pessoas do mesmo sexo, e, desta vez, associou-a ao ateísmo. Ele disse que a teoria do gênero é “uma antropologia de fundo ateu”. Por essa teoria, a identidade sexual é uma construção da educação e meio ambiente, não sendo, portanto, determinada por diferenças genéticas. A referência do papa ao ateísmo soa forçada, porque muitos descrentes costumam afirmar que eles apenas não acreditam em divindades, não se podendo a priori se inferir nada mais deles além disso. Durante um encontro com católicos de diversos países, Bento 16 disse que os “cristãos devem dizer ‘não’ à teoria do gênero, e ‘sim’ à aliança entre homens e mulheres no casamento”. Afirmou que a Igreja defende a “dignidade e beleza do casamento” e não aceita “certas filosofias, como a do gênero, uma vez que a reciprocidade entre homens e mulheres é uma expressão da bel

Xuxa pede mobilização contra o 'monstro' Marco Feliciano

Pela primeira vez a apresentadora se envolve em uma polêmica A apresentadora da Rede Globo Xuxa (foto) afirmou em sua página no Facebook que o pastor e deputado Marco Feliciano (PSC-SP), o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, não é “um religioso, é um monstro”. Sem citar o nome de Feliciano, ela ficou indignada ao ler que “esse deputado disse que negros, aidéticos e homossexuais não têm alma”. “Vamos fazer alguma coisa! Em nome de Deus, ele não pode ter poder.” É a primeira vez que Xuxa pede mobilização de seus fãs em uma questão polêmica. Amiga do padre Marcelo Rossi, ela é católica praticante. No Facebook, em seu desabafo, escreveu sete vezes a palavra "Deus" e argumentou que todos sabem que ela respeita todas as religiões. A apresentadora também se mostrou abalada ao saber que Feliciano, durante uma pregação, pediu a senha do cartão bancário de um fiel. “O que é isso, meu povo?” “Essa pessoa não pode ser presidente da C