Pular para o conteúdo principal

Robinho: de jogador promissor a evangélico fanático e estuprador

Este texto foi publicado em 21 de janeiro de 2022 e atualizado em 20 de março de 2024 porque a Justiça brasileira decidiu que Robinho terá de cumprir no país a condenação de juízes da Itália


Paulo Lopes
jornalista, trabalhou na Folha de S.Paulo, Agência Folha, Diário Popular, Editora Abril e em outras publicações

O jogador Robinho foi condenado em definitivo, sem direito a recursos, pela Justiça italiana não por ser evangélico, evidentemente, mas por estupro coletivo. Ele poderia ter qualquer outra religião. Ser católico, por exemplo. Ou não ter nenhuma, ou ainda ser ateu.

O destaque dado ao atacante por ser evangélico se deve a ele mesmo, porque usa o futebol para fazer proselitismo de sua religião, apresentando-se como um escolhido de Deus.

E personalidade pública, seja quem for, tem de ser criticada, destacando, no caso, que prega a religião do amor ao próximo, mas age em desacordo com o seu proselitismo. Ainda mais quanto a um crime horroroso contra mulher, como este do Robinho.

A Bíblia, em alguns trechos, valida a violência sexual, como todo mundo sabe, mas religião evangélica alguma aceita que fiel saia por aí violentando mulher.


Jogador é um
craque em violência
contra mulher
FOTO: DIVULGAÇÃO

Robinho começou no futebol alimentando a expectativa de ser um novo Pelé. Demonstrava talento para tanto. Foi um ídolo para a criançada. Mas de repente se aflorou o seu fanatismo evangélico e agora ele termina a carreira da pior maneira possível, como estuprador.

No noticiário, o desvio do caráter religioso do jogador chamou a atenção em abril de 2010, em um dia em que o Santos FC levou os jogadores para entregar ovos de Páscoa a 34 crianças com paralisia cerebral assistidas por uma instituição espírita. 

Robinho não só se recusou a sair do ônibus, como também convenceu outras jogadores evangélicos, como Neymar, Fábio Costa e Ganso, a não entrarem no Lar Mensageiros da Luz, no bairro da Encruzilhada, em Santos. Se o insano Robinho soubesse que seria levado para um lar espírita, ele não entraria no ônibus.

Três anos depois, na boate Sio Café em Milão, Robinho, participou de um estupro cometido por pelo menos cinco homens contra uma albanesa radicada na Itália. Entregar chocolate a crianças de uma instituição espírita não pode, mas violentar mulher indefesa sim. 

O jogador nega o crime argumentando que a relação sexual foi consensual, mas sua condenação de 9 anos de prisão se baseou em depoimentos e provas sólidas, incluindo uma gravação onde o próprio Robinho admite o ataque à mulher dizendo que ela “estava completamente bêbada”.

“Estou rindo, não estou nem aí, porque ela nem sabe o que aconteceu.”

Durante a tramitação judicial do caso, Robinho se manteve em delírio religioso, longe da realidade do crime que cometera. Em um dos áudios vazados em 2020 cita o nome de Deus seis vezes e se coloca como um seguidor de “valores cristãos”.

“Esses caras [jornalistas da Rede Globo] não vão me afetar não, porque Deus tá no controle de tudo”, diz. Falou estar sendo vítima de Satanás.

Condenado na Itália, Robinho terá de cumprir a pena no Brasil, onde se encontra. Havia dúvida de que isso ocorresse porque ricos e celebridades são dificilmente colocados em uma prisão. Mas no dia 20 de março de 2024 o Superior Tribunal de Justiça decidiu por 9 votos a 2 que o Robinho terá de cumprir a pena no Brasil.

> Com informação de sites italianos e de outras fontes e foto da Agência Brasil.

Comentários

Ricardo RadD disse…
Poucas vezes li tanta merda na minha vida...
Anônimo disse…
Você tem razão, Robinho fez muita merda.
Anônimo disse…
Robinho realmente fez muita merda.
Anônimo disse…
Se o Brasil mantivesse a coerência do caso Battisti, poderia mostrar respeito à justiça italiana fazendo o jogador cumprir pena em nosso país. Mas em terra de goleiros brunos, acho difícil que aconteça, ainda mais aqui, onde se relativiza tanto a violência contra a mulher. De todo modo, o cristão estuprador já foi impedido de jogar no Santos por pressão da torcida e da opinião pública, um pouco de alento nessa história toda.
Anônimo disse…
Este não foi o primeiro estupro, ou pelo menos, acusação de. Na Inglaterra também teve algo mal explicado.
Deusão fodao disse…
veradade, radd, esse seu comentário é mesmo uma merda.
PODER, muitos religiosos de certas vertentes "se acham os corretos" e as outras pessoas que não se convertem "abaixo e fadadas ao Inferno". Já começa por aí em se acharem "especiais".
És um jogador de alto gabarito, passa a ganhar muito $$$ e pessoas assim, juntando religião (desses tipos nefastos) com dinheiro e fama "se acham autorizados" de muitas coisas. Tendo propenção ao crime, nem necessário dizer o que vai ocorrer.
Desconsiderando as pessoas quem vão praticar crimes de qualquer jeito ou outras causas, o PODER é o melhor teste de caráter que há.
Leo Souza disse…
O fanatismo religioso encontra um lar aconchegante na cabeça daqueles que já possuem algum distúrbio mental. A partir daí a coisa toda só piora.

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Escola Estadual Igreja Evangélica muda de nome e deixa de afrontar o Estado laico

Malafaia divulga mensagem homofóbica em outdoors do Rio

Juiz que anulou união estável gay é pastor da Assembleia de Deus

Pastor Boas: "Não  nego minha fé" O juiz  Jeronymo Pedro Villas Boas (foto), 45, da 1º Vara da Fazenda Municipal e de Registros de Goiânia (GO), que anulou a união de um casal homossexual, admitiu hoje (22) que é pastor. "Sou pastor da Assembleia de Deus Madureira e não nego minha fé." Ele reafirmou  que a sua decisão está amparada pela Constituição que exige que para uma união o casal receba a autorização de um juiz. Justificou que a decisão do STF (Supremo Tribunal Federal), que garante aos homossexuais os mesmo direito civis dos demais brasileiros, não é vinculante e o acórdão daquela sessão ainda não foi publicado. "As pessoas no Brasil para viverem juntas e se unirem têm que ter os requisitos formais da lei. Quem reconhece isso é um juiz.". O juiz foi convidado a participar hoje (22)  de uma sessão da bancada Evangélica da Câmara, que entregou a ele uma moção de apoio. A corregedora-geral de Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco

Essência do totalitarismo é querer fazer o 'bem para todos'

Título original: Tentação totalitária por Luiz Felipe Pondé para Folha Você se considera uma pessoa totalitária? Claro que não, imagino. Você deve ser uma pessoa legal, somos todos. Às vezes, me emociono e choro diante de minhas boas intenções e me pergunto: como pode existir o mal no mundo? Fossem todos iguais a mim, o mundo seria tão bom... (risadas). Totalitários são aqueles skinheads que batem em negros, nordestinos e gays. Mas a verdade é que ser totalitário é mais complexo do que ser uma caricatura ridícula de nazista na periferia de São Paulo. A essência do totalitarismo não é apenas governos fortes no estilo do fascismo e comunismo clássicos do século 20. Chama minha atenção um dado essencial do totalitarismo, quase sempre esquecido, e que também era presente nos totalitarismos do século 20. Você, amante profundo do bem, sabe qual é? Calma, chegaremos lá. Você se lembra de um filme chamado "Um Homem Bom", com Viggo Mortensen, no qual ele é um cara

As mulheres deveriam ficar longe do cristianismo. Oito razões

Arcebispo afirma que vida dos descrentes não tem sentido

Para Battisti, o sentido da vida está no sobrenatural  O arcebispo Anuar Battisti (foto), 59, de Maringá (PR), escreveu um artigo onde aborda um tema recorrente por parte de religiosos, o de que não há sentido na vida dos descrentes em Deus. “Este ambiente de descrença, misturado com ateísmo, leva a pessoa a viver no deserto da vida sem gosto, sem rumo, vagando em busca de um sentido”, escreveu dom Battisti no artigo publicado no Diário.com. “A ausência de Deus cria na alma humana um vazio de sentidos que leva ao desespero, à negação de tudo o que diz respeito ao sobrenatural”, acrescentou. A americana Paula Kirby, consultora de organizações seculares, escreveu recentemente no Washington Post que quem precisa de Deus para que a sua vida tenha um significado é porque a sua família e amigos, em tese, não têm nenhum valor. O que, obviamente, é um absurdo. Ninguém precisa de Deus, por exemplo, para amar seus filhos. Kirby argumentou que é o cristianismo que tenta tirar todo

Médico acusado de abuso passa seu primeiro aniversário na prisão

Roger Abdelmassih (reprodução acima), médico acusado de violentar pelo menos 56 pacientes, completou hoje (3) 66 anos de idade na cela 101 do pavilhão 2 da Penitenciária de Tremembé (SP). Foi o seu primeiro aniversário no cárcere. Filho de libaneses, ele nasceu em 1943 em São João da Boa Vista, cidade paulista hoje com 84 mil habitantes que fica a 223 km da capital. Até ser preso preventivamente no dia 17 de agosto, o especialista em reprodução humana assistida tinha prestígio entre os ricos e famosos, como Roberto Carlos, Hebe Camargo, Pelé e Gugu, que compareciam a eventos promovidos por ele. Neste sábado, a companhia de Abdelmassih não é tão rica nem famosa e, agora como o próprio médico, não passaria em um teste de popularidade. Ele convive em sua cela com um acusado de tráfico de drogas, um ex-delegado, um ex-agente da Polícia Federal e um ex-investigador da Polícia Civil. Em 15 metros quadrados, os quatros dispõem de três beliches, um vaso sanitário, uma pia, um ch

Música gravada pelo papa Francisco tem acordes de rock progressivo. Ouça