Funcionária se recusa a participar de grupo de oração. E é demitida por justa causa

Uma trabalhadora de Divinópolis (MG) entrou com ação na Justiça acusando um supermercado por tê-la demitida por justa causa por não participar de grupo evangélico de oração antes da jornada de trabalho.

O juízo da 1ª Vara do Trabalho da cidade condenou a empresa a pagar uma indenização por danos morais à ex-funcionária, e a sentença foi confirmada por unanimidade pela Sexta Turma do Tribunal Regional do Trabalho de Minas. A indenização foi fixada em R$ 9.000, com uma redução em relação ao valor inicialmente sentenciado.

Nos autos, a trabalhadora acusou um gerente de perseguição por ela não comparecer a um culto.

Uma testemunha apresentada pela ex-funcionária confirmou que a participação no grupo de oração era obrigatória, sob pena de advertência verbal.

Um representante do supermercado admitiu haver oração no começo do expediente, acrescentando que assuntos pertinentes à jornada também são tratados pelo grupo.

O desembargador Jorge Berg de Mendonça, relator do caso, entendeu que o gerente do supermercado desrespeitou as convicções religiosas dos empregados, que, diante da pressão que sofreram, são vulneráveis porque dependem do salário para o seu sustento e o da família.

Tribunal confirmou
condenação ao
fanatismo religioso

> Com informação do TRT-MG.

Escola obriga adepto do candomblé a rezar pai-nosso



Marcelo Rezende morreu crendo que a oração o salvaria