Pular para o conteúdo principal

Desafios da pandemia mostram à sociedade a importância da ciência, afirma físico

Os desafios decorrentes da pandemia tornaram ainda mais evidente a importância da ciência para as sociedades contemporâneas. A afirmação é do professor Paulo Nussenzveig, do departamento de física experimental da USP.

Ele afirma que as mais altas taxas de letalidade do vírus Sars-Cov-2 ocorreram naqueles locais que escolheram ignorar ou menosprezar as recomendações dadas com base na melhor ciência disponível.

“Infelizmente, o Brasil é o país com o segundo maior número de fatalidades, apenas inferior ao dos Estados Unidos. Porém, logo os americanos se verão livres do presidente obscurantista que elegeram em 2016.”

Observa que a ciência ocupou vastos espaços nas mídias e redes sociais e divulgadores científicos ganharam importante visibilidade. Isso seguramente deixará reflexos positivos no futuro.

Contudo, afirma, as redes também amplificaram teorias conspiratórias, negacionismo da pandemia e partidarizações de questões técnicas, como isolamento social e uso de máscaras faciais.

Cientistas deram respaldo ao fiasco da hidroxicloroquina, ora querendo enxergar benefícios que os testes não comprovavam, ora defendendo o uso mesmo sem qualquer comprovação de benefício.

“A imagem de Jair Bolsonaro oferecendo hidroxicloroquina para as emas do Alvorada marcará para sempre essa época.”

Os cientistas, lembra, foram duramente colocados à prova pelo negacionismo, obscurantismo e seguidos cortes de financiamento do governo federal.

“O governo de São Paulo apresentou dois projetos (PL 529 e PL 627) para cortar recursos das universidades e da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), principalmente, e atropelar a autonomia dessas instituições."

“Os cientistas se mobilizaram, resistiram, impediram a aprovação do PL 529. Ainda não está garantida a preservação da autonomia da Fapesp. Mas é certo que continuaremos trabalhando e defendendo a ciência com paixão e dedicação.”

Nussenzveig lembra que os
cientistas tiveram os negacionistas

Com texto do Jornal da USP e foto de reprodução de vídeo

Comentários

  1. Bolsonaro é um caudilho populista, quer tirar a autonomia das faculdades, da mesma forma que tirou da Anvisa, da PF, do IBAMA, do MEC, da ANCINE (filmes com gays ou ateus foram banidos) e de várias outras instituições. Está fazendo o mesmo que o ditador da Venezuela, aparelhando todas as instituições, vai demorar décadas para desfazer o estrago.

    ResponderExcluir
  2. Sim, a (extrema) importãncia da Ciência, mas ainda há muitos crédulos em suas bolhas e os anticiência agindo.
    Torna-se necessária também Educação Básica decente.. Ah, mas lógico, encsinar a PENSAR não é nada conveniente nos jogos sujos pelo poder. No máximo as pessoas devem ser produtivas e consumidoras. Além de ser preservadas a fé, para o devido alienamento.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Igreja Católica da Alemanha admite que freiras forneciam crianças a padres pedófilos

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil

Papa Francisco confirma que lugar da mulher na Igreja é na cozinha

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade