Pular para o conteúdo principal

Benefício a presos que lerem a Bíblia é parte de um projeto teocrático de poder

Paulo Lopes / Opinião   Por unanimidade, os deputados da Assembleia do Maranhão aprovaram um  projeto de lei que reduz a pena dos presidiários que lerem a Bíblia.

A cada livro lido do Novo ou Antigo Testamento, no máximo de 12 por ano, a condenação terá redução de quatro dias.

Ler é sempre bom, não só a Bíblia, mas todo e qualquer livro, desde que desperte o senso crítico do indivíduo.


Por isso, pergunta-se: por que os deputados não incluíram no projeto de lei outros livros, como o Corão, O Livro dos Espíritos, A Origem das Espécies (Darwin), A Religião Envenena Tudo (Christopher Hitchens) e milhares de outros, incluindo os clássicos da literatura brasileira?

A resposta é óbvia: o projeto de lei, de autoria da deputada evangélica Mical Damasceno (PTB), faz parte de um projeto nacional da tomada do poder estatal por evangélicos, o que já está em curso, acelerando-se agora, no Governo Bolsonaro.

Mical argumenta que “a Bíblia sempre foi agente de transformação na vida das pessoas”.

Depende, pode ser que sim, pode ser que não. E transformação pela Bíblia não significa necessariamente que seja para o bem, como bem sabe quem já ouviu falar das Cruzadas, da Santa Inquisição e de tantos outros derramamento de sangue e sofrimento em nome de Deus.

A deputada Mical deveria saber, ou ao menos desconfiar, que leitores de um único livro, como a Bíblia, geralmente não está interessado na multiplicidade do que pode ser identificado como “verdades”, cujo caráter é sempre provisório.

Leitores de um só livro tendem ao fanatismo. Eles não digerem o que lê, não questionam, e se deixam ser engulidos pelo livro. Por isso eles se acham portadores da “Verdade”, a única possível, a Verdade Divina, no caso da Bíblia.

Espera-se que o Ministério Público cumpra o seu dever de ofício, questionando na Justiça mais esse projeto teocrático de lei em um país cuja Constituição estabelece a laicidade de Estado — ou assim deveria ser.

Novos cruzados
continuam
avançando


Com informação do IHU On-Line, G1 outras fontes.




Governador de Goiás veta lei que obrigava leitura da Bíblia nas escolas

Religião na escola estimula a intolerância, diz antropóloga

Ensino confessional enfraquece Estado laico, afirma Karnal

Aluna candomblecista será indenizada por ter de rezar, decide TJ-SP

Comentários

  1. Dels sempre perdoa os bandidos que leem a bíblia .. podem roubar ... mas deixando o dizimo .. .tá de boas ...

    ResponderExcluir
  2. Os deuses das outras religiões são considerados pelo Deus da Bíblia como outros deuses, os quais o Deus da Bíblia proíbe culto.

    ResponderExcluir
  3. Tem que subir a pena de presos que fazem leitura de livros violentos e não reduzir.

    ResponderExcluir
  4. No crime, prevalece o tempo de prisão. No tratamento psiquiátrico, prevalece a perícia médica para dizer se o paciente está curado ou não. Se os criminosos fossem pacientes psiquiátricos, não haveria tempo determinado de prisão ou de tratamento e sim perícia médica. Assim, os advogados não teriam que decorar os diversos tempos de prisão para os diversos tipos de crime.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Vídeo: Rasmussen afirma que o homem mais perigoso é aquele que não crê em Deus

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Deputado pastor propõe fura-fila da vacina contra Covid-19 para religiosos em SC