Pular para o conteúdo principal

Igrejas vão ter acesso a empréstimos subsidiados emergenciais da pandemia

Parlamentares do lobby religioso — principalmente os da bancada evangélica — conseguiram incluir as igrejas na Medida Provisória 944, a do Programa Emergencial de Suporte a Empregos em decorrência da pandemia.

A medida entrará em vigor quando o Bolsonaro a sancionar, o que ocorrerá logo, porque os evangélicos são a principal base de sustentação política do presidente.

Assim, para pagar seus funcionários até quatro meses, as igrejas e suas entidades poderão ter acesso à mesma linha de crédito concedida às instituições sem fins lucrativos.


A taxa de juros do empréstimo é de 3,75% ao ano, valendo para salários de até R$ 2.090 (dois mínimos).

As igrejas terão prazo de 36 meses para pagar o empréstimo, com carência de seis meses até o início do vencimento da primeira parcela. 

Do total disponível nessa linha de crédito, o Tesouro Nacional entrou 85%, ou R$ 17 bilhões. O restante ficou por conta de instituições financeiras.

Isso significa que, nos casos de inadimplência, o prejuízo maior será do Tesouro. Ou seja, dos contribuintes.

Ajuda oficial
para as igrejas


Com informação do Estado de S.Paulo.



Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer

Criacionista afronta o Estado laico ao autorizar grupo de orações na Capes

Governo Bolsonoro usa verba publicitária para pagar ‘dízimo’ às igrejas amigas

Fundamentalismo religioso de Bolsonaro é pior que o da Idade Média, diz Freire

Comentários