Pular para o conteúdo principal

Igreja que pediu R$ 1 bilhão à Netflix por Jesus gay vai ter de pagar R$ 82 mil

A igreja Templo Planeta do Senhor,

do Rio, vai ter de arcar com as custas do processo impetrado por ela contra a Netflix por causa do especial do Natal de 2019 no qual o grupo Porta dos Fundos apresenta Jesus como homossexual, no filme “Primeira tentação de Cristo”.

Alegando ofensa à fé cristã, a igreja pediu a retirada do filme da plataforma e uma indenização de R$ 1 bilhão, mas agora terá de pagar R$ 82 mil, que correspondem a 3 mil Ufesps.


Esgotaram-se as possibilidades de recursos judiciais da igreja.

Caso a Netflix tenha sido notificada oficialmente sobre o processo, a igreja terá de assumir parte dos honorários dos advogados da defesa.

Quando recorreu à Justiça, o advogado Anselmo Ferreira de Melo da Costa, presidente do Templo, pediu gratuidade de Justiça, mas não conseguiu por não apresentar balancetes solicitados pela Justiça.

A igreja, então, desistiu do processo, mas isso não anula as custas processuais. 

Com informação de Veja e de outras fontes.





Dinamarca extingue lei da blasfêmia depois de 151 anos

Grécia deixa de ter lei da blasfêmia e juramento religioso

Católicos franceses descobrem blasfêmia no pai-nosso

Limitar casamento com crianças é 'blasfêmia', diz órgão islâmico




Comentários

marceloDC disse…
Deveriam processar por intolerância homofóbica. Afinal, inúmeros outros casos de Jesus Cristo "isso e aquilo" nada condenado, mas quando gay alegam "ofensa".
Fernando disse…
O tiro saiu pela culatra!