Pular para o conteúdo principal

Vídeo: política do Governo Federal é eugenista, diz médico do Hospital das Clínicas

Maria Fernanda Guimarães O patologista  Arnaldo Lichtenstein, médico assistente do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, é o primeiro cientista brasileiro a falar claramente sobre as possíveis intenções da gestão Bolsonaro, em insistir no fim da política de isolamento social. "É eugenia", afirmou o médico  no Jornal da Cultura edição desta segunda feita, 11 de maio de 2020.


/>


Ao responder a pegunta de um telespectador, Lichtenstein, diretor técnico de clínicas do Hospital das Clínicas, diz: "Isso [o comentário] do telespectador é muito importante. " Não é negacionismo da Ciência. É uma linha de raciocínio muito diferente e cruel. O que se sabe é que a pandemia vai passar quando 50% da pessoas pegarem o vírus. Ou por vacina ou por contágio".

"Quando se pega isso, o vírus arrefece. São 140, 120 milhões de pessoas" – calcula. "O que vai acontecer quando as pessoas não defendem o isolamento? Não se fecha comércio, a economia não para, o Governo não precisa colocar dinheiro na economia. Pessoas que vão morrer – muitas! – são os idosos".

"Aí vem a fala: ‘mas iam morrer mesmo, já estavam doentes!’ Vão ficar os jovens e atletas. Se a gente pegar pedaços da fala, ela tem uma lógica intrínseca. Isso se chama eugenia. Lembre-se de que sistema político mundial usava isso. Então, [o discurso ] ‘que morram os vulneráveis para a gente ter uma geração saudável’ pode ser que esteja permeando narrativas como: ‘vamos acabar logo com essa tortura’, ‘não devemos ter o derretimento da economia’. É uma situação muito mais perversa do que simplesmente não acreditar na Ciência. É eugenia".

Eugenia: o que é 

Eugenia é uma teoria social, hoje superada pela Ciência, mas ainda com adeptos,    cuja meta  é "melhorar" a raça humana  ou grupos sociais. A eugenia deu a base  "científica" para a imigração de colonos europeus para o Brasil em substituição á mão de obra escrava, como atesta o noticiário da época. 

Também foi argumento do Nazismo para matar judeus, ciganos e eslavos  considerados "sub-raça" homossexuais ou  pessoas com problemas mentais,  transtornos emocionais,  déficit cognitivo e todos os "frágeis e débeis" do III Reich

O eugenismo reivindica melhorar as características genéticas de populações humanas pelo método de acasalamento seletivo de pessoas, esterilização obrigatória de débeis e frágeis e  até por meio da seleção de óvulos e espermatozoides por  engenharia genética. 

Discussão séria 

Também em seu Facebook, o médico explicita. Finalmente entendi a lógica do comportamento de Bolsonaro. É a lógica do Osmar Terra. Vamos atingir a imunidade de rebanho, sem fazer quarentena. Assim o governo não precisa colocar dinheiro na economia, os velhos morrem ( 'já iam morrer mesmo'), melhorando a previdência. 

Para o patologista, é tudo muito cruel. Além disso, "os doentes morrem e resolve o SUS. Ficam os jovens e atletas. Uma verdadeira eugenia. Argumentos deles: a letalidade é de 0,1 por cento, segundo eles,  'muito baixa para todos os países'. Pessoalmente, acho que é cinco vezes isto".

E finaliza Arnaldo Lichtenstein: "se não houver uma discussão séria, com abordagem vários outros aspectos (colchão social para pobres e empresas), discussão com lideranças sociais para isolamento e evidências reais, entraremos num caos. Não é à toa que a revista médica [Lancet] fez aquele editorial histórico".

Causa estranheza Nelson Teich, de ascendência judaica, permanecer no Ministério da Saúde num governo com discurso eugenista. Um médico judeu apoiar um discurso eugenista em 2020 é  muito esquisito.

A  ponto de três  entidades judaicas, Instituto Brasil-Israel, Judeus Pela Democracia-RJ e o Observatório Judaico dos Direitos Humanos no Brasil 'Henry Sobel' terem repudiado informação de que Teich foi indicado "pela comunidade judaica", conforme foi veiculado em alguns blogs e colunas. Isso porque é voz corrente em Brasília que o ministro  Nelson Teich  foi indicação do empresário Meyer Nigri  (Tecnisa)   que teria  aproximado o o presidente da comunidade judaica. 


Mas muitos médicos foram eugenistas, inclusive no Brasil, onde o racismo se irmanou à eugenia. Foram eugenistas, entre outros,  Miguel Couto, que dá nome ao hospital no Rio de Janeiro, Gonçalves Vianna, Vital Brazil e Arnaldo Vieira de Carvalho e   mais de uma centena de intelectuais de outras áreas de todo canto do País.

Eugenia e Racismo

No Brasil, a eugenia se irmanou ao racismo. Tudo em nome do "progresso".

O farmacêutico Renato Kehl, o mais óbvio dos nossos racistas-eugênicos,   postulava nos anos 1920:
“A nacionalidade brasileira só embranquecerá à custa de muito sabão de coco ariano”.

Você se horroriza? Temos resquícios desse pensamento permanentes na nossa sociedade. O vice-presidente Hamilton Mourão, ao invés de prezar de ser fruto da miscigenação, como deviam se orgulhar tos brasileiros, vai na direção contrária. 

O VICE, GENERAL MOURÃO, 
COM O FILHO E O 'NETO BONITO'

"Meu neto é um cara bonito, viu? Branqueamento da raça!”, descreveu  Hamilton Mourão em 6 de outubro de 2018.

Acompanhando o raciocínio de Lichtenstein, faz todo sentido a acusação que pulula nas redes sociais sob a hashtag #BolsonaroGenocida

 Assim, Jair Messias Bolsonaro não é "burro", não é "louco" ou "insano",  nem "irresponsável" e muito menos "negacionista" como todos amenizamos. Trata-se de uma política eugenisticamente genocida.


Com informação de Jornalismo - TV Cultura   e Observatório da Imprensa








Vídeo: Quarentena, brigas políticas, remédios polêmicos. É a Gripe espanhola de 1918!

20 fatos que você precisa saber sobre entubação

Vídeo: prefeito que disse que cura da Covid-19 virá da igreja é internado

'Internet Segura' adverte para onda de golpes na quarentena

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

Microbiologista critica a negação à ciência e alerta que o Covid-19 mudou o mundo

66 atividades para fazer em casa durante a quarentena. E o que não fazer!



Comentários

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Empresa avisou que as instituições preconceituosas não terão subsídios  Um grupo inglês de escoteiros rejeitou a filiação de George Pratt, 11, porque ele, ateu, disse que, no juramento de lealdade, não podia declarar obediência a Deus. Trata-se de um juramento padrão, seguido por escoteiros de todo o mundo. Nos Estados Unidos, a partir de agora, os grupos de escoteiros que discriminam ateus e gays deixarão de receber ajuda financeira do programa de voluntariado da Intel. A fabricante de chips informou aos grupos de escoteiros, entre outras entidades, que adotou uma nova política de não conceder ajuda a quem promove de discriminação. Chuck Mulloy, porta-voz da Intel, disse que as instituições, para receber subsídios, terão de assinar um documento declarando estar de acordo com as políticas de não discriminação da empresa. A decisão afeta principalmente os escoteiros de Oregon, onde a Intel tem uma fábrica. Somente em 2010, as doações foram de US$ 180.000 (R$ 360.000). Matt

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal