Pular para o conteúdo principal

Estes dias de peste no Brasil fazem lembrar o poema 'O Corvo', de Edgar Alan Poe


Paulo Lopes / Notas de confinamento   No começo da quarentena, a minha filha Paula disse que eu não teria dificuldade com o isolamento social porque sou naturalmente recluso.

É verdade. Talvez por ser um “idoso com comorbidade”, para usar um termo do dicionário da pandemia, a minha percepção do passar do tempo se aguçou e eu tenho procurado fazer o que mais me agrada e ficar com quem mais gosto.

'NUNCA MAIS'

O que mudou na quarentena é que o meu dia-noite ficou bagunçado. 

Não tenho hora para dormir, acordar, tomar café, almoçar e jantar. Me perdi no calendário.

Outro dia (ou noite), ao acordar, perguntei para minha mulher se era quinta, segunda ou sábado.

Foi uma brincadeira minha, porque, nestes dias de peste, não faz a mínima diferença saber em que dia estamos, pelo menos para mim, embora me permaneça a sensação de que o tempo está se esvaindo cada vez mais rápido.

Diante de tantas pessoas morrendo, a ponto de não haver caixões para todas, acordar, não importa em que horário, já é bom.

Tenho insônia e, com frequência, pesadelos, que parecem tão verdadeiros quanto a realidade da consciência.

Ultimamente, os meus piores pesadelos ocorrem quando estou acordado, ao saber da devastação emocional que a pandemia está causando em muitas pessoas.

Tem gente que não está podendo velar o corpo da mãe ou pai ou filho que foi pego pelo vírus, porque o sepultamento tem de ser rápido. É cruel.

Um pouco antes da quarenta, eu e minha filha Júlia conversamos sobre Edgar Alan Poe — escritor que penetrou como ninguém na amargura imensa que pode conter na existência de uma pessoa.

Falamos, claro, sobre o “O Corvo”, um poema que parece que Poe escreveu ontem, nestes dias de peste.

Um trecho do poema diz:

E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
Com o solene decoro de seus ares rituais.
"Tens o aspecto tosquiado", disse eu, "mas de nobre e ousado, Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais."
Disse o corvo, "Nunca mais"
.

Ouça a íntegra de "O Corvo"








Vídeo: Quarentena, brigas políticas, remédios polêmicos. É a Gripe espanhola de 1918!

20 fatos que você precisa saber sobre entubação

Vídeo: prefeito que disse que cura da Covid-19 virá da igreja é internado

'Internet Segura' adverte para onda de golpes na quarentena

Cidade de Nova York improvisa necrotério fora de hospital

Psicóloga diz como é possível manter o equilíbrio emocional em tempo de pandemia

Microbiologista critica a negação à ciência e alerta que o Covid-19 mudou o mundo

66 atividades para fazer em casa durante a quarentena. E o que não fazer!



Comentários