Pular para o conteúdo principal

Justiça da Rússia condena à prisão mais um Testemunha de Jeová por extremismo

Acusado de promover reunião
 das TJs, Bubnov ficará
 seis anos na prisão

A Justiça da Rússia condenou Grigory Bubnov (foto), 54, a seis anos de prisão por ele estar envolvido em atividades das Testemunhas de Jeová, seita que naquele país é considerada organização extremista.

A sentença foi anunciada no dia 21 de janeiro de 2020. Preventivamente, Bubnov foi detido desde 19 de julho de 2019, quando ele e outras pessoas estavam supostamente promovendo uma reunião de Testemunhas de Jeová. Ele negou.

A Suprema Corte da Rússia aboliu a seita em abril de 2017 por considerá-la uma organização estrangeira dedicada em corroer os valores tradicionais russos. Vários religiosos estão cumprindo pena de prisão.


Entidades de direitos humanos acusam o governo russo de perseguir a crença religiosa.

Como ocorre em outros países, as TJs não participam de eleições para escolha de representantes governamentais, se recusam a prestar o serviço militar e não interagem com pessoas de outras religiões.

São conhecidos por rejeitarem a transfusão de sangue, colocando, muitas vezes, seus filhos em risco de morte.

Não têm conseguido muitos defensores contra a perseguição que sofrem na Rússia porque eles próprios discriminam seus ex-integrantes, o que também é  uma ofensa aos direitos humanos.

Com do The Moscow Times e de outras fontes.



Na Rússia, Testemunhas de Jeová tomam do seu próprio veneno

China indicia 18 Testemunhas de Jeová sob acusação de pregarem superstição

Tribunal russo mantém prisão de Testemunha de Jeová acusado de extremismo

MP da Itália investiga perseguição de Testemunhas de Jeová à ex-fiel



Comentários

  1. Imaginem se eles vissem os pentecostais brasileiros e os pastores ladrões tirando tudo dos miseráveis.

    ResponderExcluir
  2. lugar de maluco fanatico devia ser no hospicio ... mas prisao tambem quebra o galho

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Editor deste site
Paulo Lopes é jornalista
Trabalhou no jornal 
abolicionista Diario Popular, 
Folha de S.Paulo, revistas da
Editora Abril e em outras 
 publicações. 
Contato