China indicia 18 Testemunhas de Jeová sob acusação de pregarem superstição

A promotoria de Xinjiang, que fica a noroeste da China, indiciou 18 TJs (Testemunhas de Jeová), por pertenceram a “uma seita maligna que espalha a heresia e superstição”.

O grupo está sendo acusado de doutrinar 63 pessoas, colocando-as contra as autoridades e o Partido Comunista.

Pelos dogmas dessa igreja, seus seguidores não podem ter nenhuma atividade politico-partidária.

Na China, a Igreja Testemunhas de Jeová é ilegal.

Pela primeira vez, uma promotoria recorreu o artigo 300 do Código Penal chinês, que estabelece prisão de três a sete anos, “ou mais”, a seguidores de “culto do mal”.

As informações são do site China Aid, que é uma organização cristã que defende a liberdade religiosa na China.

A organização avalia que o indiciamento significa um agravamento da perseguição do governo chinês às TJs.

Em outros países, incluindo o Brasil, essa religião é que é acusada de perseguir seus ex-seguidores, além de impedir a transfusão de sangue em fiéis e em seus filhos, havendo casos de óbito.


Cartazes como este, das
Testemunhas de Jeová,
são proibidos na China

Com informação da China Aid e de outras fontes.





Veja 14 proibições das Testemunhas de Jeová a seus seguidores

Testemunhas de Jeová fecham em apenas 3 anos 1.047 salões nos Estados Unidos

Testemunhas de Jeová usam a tragédia de Brumadinho para fazer proselitismo

Tribunal russo mantém prisão de Testemunha de Jeová acusado de extremismo

Testemunhas de Jeová preparam-se para o fim do mundo com kit Armagedom



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Luís Araújo disse…
Enquanto isso os cartazes que as testemunhas de Jeová usam na pregação são feitos na China. Desde que haja dinheiro a religião não é problema.
Unknown disse…
Quem disse que as tj perseguem os ex integrantes