Pular para o conteúdo principal

Diocese de Assis suspende padre que abençoou união de homossexuais

Padre Gomes disse que
 Deus abençoa o amor
 entre Luiz e Claudinei

A Diocese de Assis (SP) decretou a suspensão “ad cautelam” (por cautela) do padre Vicente Paula Gomes por ele ter abençoado um casal gay, formado por Luiz Carlos dos Santos e Claudinei Batista de Almeida.

O bispo de Assis, dom Argemiro de Azevedo, considerou “as acusações” ao padre como grave, porque, segundo ele, o direito canônico proíbe esse tipo de benção.

Padre Gomes deu as bençãos aos homossexuais em dezembro de 2019. Fotos e vídeos que circulam na internet registram o momento.

A Luiz e Claudinei,o padre disse: “Não posso dar esse sacramento [do casamento], mas derramo sobre vocês a bênção para que tenham os deveres de companheiros até o fim de suas vidas e não se esqueçam que Deus abençoa o amor de vocês”.

A suspensão do padre Gomes é um pequeno exemplo entre outros, de maiores proporções, da dificuldade da Igreja Católica em se tornar uma religião contemporânea e, por isso, ela tende a continuar a perder fiéis nas próximas décadas, até virar um capítulo a história da humanidade.



Com informação da Diocese de Assis e de outras fontes.





Nos anos 50, Igreja Católica da Holanda castrou jovens gays

Juiz recusa acusação de Feliciano contra Porta dos Fundos

Novo texto reafirma homofobia da Igreja Católica

Livro critica hipocrisia do Vaticano: uma grande comunidade gay que prega a homofobia




Comentários

Anônimo disse…
Pra eles Deus nega benção aos diferentes, assim sempre foi na história dessa religião pedófila.
13.02.2020
O ÚLTIMO GRAU DA BESTIALIDADE HUMANA JÁ DOMINOU A REPÚBLICA BRASILEIRA DAS DIRETAS-JÁ. O TESTEMUNHO TENEBROSO DE UMA LINDA MULHER FANÁTICA PELO BISPO MACEDO, SEGUIDORA E ELEITORA DA IGREJA UNIVERSAL. SE É ISSO QUE VOCÊS QUEREM, CRISTÃOS INFERNAIS, ENTÃO COMAM ATÉ O CAROÇO! (PARTE I). Se o povo brasileiro do início da década de 1960 tinha razões para sair às ruas é suplicar por uma mudança na política, hoje, 2020, estamos com 1000 vezes mais razões. As palavras da bandeira nacional “Ordem e Progresso” foram há muitas décadas jogadas na lata do lixo. As Forças Armadas Brasileiras são, constitucionalmente, as últimas esperança para um povo, para a restauração da ordem, da seriedade, da honestidade e do progresso. As Forças Armadas do Brasil eram a grande esperança do povo para ser resgatado de um estado de barbárie em que nos encontramos; mas se acovardaram, se prostituíram e se corromperam também, por status, cargos, salários, penduricários e mordomias, e também por medo, covardia, comodismo, e sentimento de vingança pelo povo que queria “democracia”, pelo povo que hostilizou e difamou os militares de 1964. As coisas públicas chegaram, há muito tempo, à beira do transbordamento e agora se tornaram dilúvios sociais catastróficos e genocidas. Não vou precisar elencar coisa alguma neste momento, porque o povo brasileiro está no mais terrível estado de choque e sabe de tudo. E parece que quanto mais o povo sofre mais ele busca o inimigo desesperadamente. Sem conseguir relacionar causa e efeito o povo cai na armadilha das igrejas cristãs e outras religiões. Por exemplo, os cristãos não conseguem conectar os acordos entre o Bispo Macedo e sua igreja infernal e as organizações criminosas de Jair Bolsonaro e seus asseclas milicianos. As Forças Armadas Brasileiras já se tornaram milícias de Bolsonaro. Quando o iminente apocalipse brasileiro acontecer todas as milícias e organizações criminosas vão ter que lutar pelo poder, como aconteceu na Alemanha nazista, entre o Exército Oficial Alemão e as outras facções, como as SA (Sturmabteilung), organização paramilitar ou miliciana do Partido Nazista. Em meio a todo aquele armagedom nazista, os cristãos luteranos que apoiaram, nas urnas, Hitler e os nazistas se encontravam em estado de êxtase político, da mesma forma que os cristão evangélicos estão com Bolsonaro e seus asseclas das Forças Armadas. Todavia, existe um outro tipo de êxtase religioso ligado, aparentemente, mais à religião do que à política, o que Freud chamou de sublimação. “Aparentemente” porque esses evangélicos se tornam fantoches das igrejas cristãs e passam a votar e eleger os candidatos apontados pelas igrejas. Isto acontece quanto o ser humano não aguenta mais pensar ou ficar revoltado e envenenado contra os problemas ou tragédias pessoais, sociais e nacionais, devido à corrupção política, ao caos social, a criminalidade e a impunidade generalizada. Dessa forma, o cidadão deixa também de pensar nos outros e procura se salvar por meio da total alienação religiosa, entrando no modo de inteligência emocional paradisíaca. O crente entra em modo de piloto automático, celestial. LUÍS CARLOS BALREIRA. PRESIDENTE MUNDIAL DA LEGIÃO CIENTÍFICA BRASILEIRA.

Posts + acessados hoje

Gay ex-Testemunha de Jeová diz que voltou para casa dos pais por causa da pandemia e foi expulso

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Morre o cartunista Quino, que era um ateu que lia a Bíblia para se divertir