Pular para o conteúdo principal

Bolsonaro e Damares são representantes da boçalidade cristã, diz psicanalista

Os boçais tentam reprimir
 nos outros o que não conseguem
 reprimir neles mesmos

O presidente Bolsonaro (foto) e a ministra Damares Alves (foto), da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, são legítimos representantes da boçalidade cristã.

O entendimento é do psicanalista Contardo Calligaris.

Ele lembra que Bolsonaro disse que pretende nomear para o STF um juiz "terrivelmente evangélico" e que antes Damares já tinha dito que o estado é laico, mas ela é "terrivelmente cristã".

Calligaris observa que tais afirmações só poderiam partir de boçais cristãs que tentam se impor por intermédio do medo.

E essa boçalidade ocorre porque "nenhum cristão consegue controlar seus desejos 'pecaminosos' e as dúvidas de sua fé.

"Quanto mais os desejos e as dúvidas o pressionam, tanto mais ele se torna boçal, ou seja, tenta reprimir nos outros tudo o que ele não consegue reprimir nele mesmo."



O psicanalista lembra que a boçalidade vem de longe, do primeiro milênio, quando a corrente de cristãos que se tornaria majoritária liquidou uma concorrente, o cristianismo hedonista, que não era tão chucro.

Na mesma época, os boçais cristãos destruíram a cultura clássica greco-romano.

"E a boçalidade vingou quando, na Renascença, a razão começou a semear dúvidas. Será que a terra é plana ou redonda? Será que está mesmo ao centro do universo? Os boçais foram deveras “terríveis”: para afastar as dúvidas que surgiam neles mesmos, eles se puseram a queimar bruxas e hereges."

"Há 400 anos, numa praça de Toulouse, um jovem filósofo, Giulio Cesare Vanini, foi executado por pensar que há leis da natureza e que talvez haja evolução das espécies. Antes de ser estrangulado e queimado (e que suas cinzas fossem no fim dispersadas), o algoz lhe cortou a língua, culpada por falar demais."

"A história de Vanini foi 400 anos atrás…o tempo passou, não é? Mas a clínica [psiquiátrica] mostra que os boçais continuam capazes de tudo para evitar encontrar seus próprios demônios."

Com informação da Folha de S.Paulo e foto da Agência Brasil.



Bolsonaro logo vai descobrir que orações não resolverão os problemas do Brasil

Benção de Edir Macedo confirma que Bolsonaro é um presidente 'terrivelmente evangélico'

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer



Comentários

  1. A esquerda não sabe como lidar com Damares Alves. Segundo a Folha de S. Paulo, “a avaliação positiva da ministra no Datafolha sinalizou a políticos que a agenda conservadora nos costumes segue forte e é hoje a principal conexão dos mais pobres a Jair Bolsonaro”.
    Uma ala do PT diz “que é preciso religar-se aos evangélicos, desbancando o público da ministra. A outra aposta que a única forma é mostrar que, ainda que a economia melhore, os frutos não chegarão ao andar de baixo”. Em números absolutos, Sergio Moro é ainda mais popular do que Damares Alves entre os mais pobres. O problema para a esquerda é duplo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Posts mais acessados na semana

Dona Religião é casada com sr. Atraso e têm vários filhos

Bolsonaro fica irritado com aprovação da CoronaVac que vai salvar vidas

Aprovação da CoronaVac significa duro golpe no bolsonarismo

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Bolsonaro compra a novela 'Os dez mandamentos' da Record para a TV Brasil