Bolsonaro e Damares são representantes da boçalidade cristã, diz psicanalista

Os boçais tentam reprimir
 nos outros o que não conseguem
 reprimir neles mesmos

O presidente Bolsonaro (foto) e a ministra Damares Alves (foto), da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, são legítimos representantes da boçalidade cristã.

O entendimento é do psicanalista Contardo Calligaris.

Ele lembra que Bolsonaro disse que pretende nomear para o STF um juiz "terrivelmente evangélico" e que antes Damares já tinha dito que o estado é laico, mas ela é "terrivelmente cristã".

Calligaris observa que tais afirmações só poderiam partir de boçais cristãs que tentam se impor por intermédio do medo.

E essa boçalidade ocorre porque "nenhum cristão consegue controlar seus desejos 'pecaminosos' e as dúvidas de sua fé.

"Quanto mais os desejos e as dúvidas o pressionam, tanto mais ele se torna boçal, ou seja, tenta reprimir nos outros tudo o que ele não consegue reprimir nele mesmo."



O psicanalista lembra que a boçalidade vem de longe, do primeiro milênio, quando a corrente de cristãos que se tornaria majoritária liquidou uma concorrente, o cristianismo hedonista, que não era tão chucro.

Na mesma época, os boçais cristãos destruíram a cultura clássica greco-romano.

"E a boçalidade vingou quando, na Renascença, a razão começou a semear dúvidas. Será que a terra é plana ou redonda? Será que está mesmo ao centro do universo? Os boçais foram deveras “terríveis”: para afastar as dúvidas que surgiam neles mesmos, eles se puseram a queimar bruxas e hereges."

"Há 400 anos, numa praça de Toulouse, um jovem filósofo, Giulio Cesare Vanini, foi executado por pensar que há leis da natureza e que talvez haja evolução das espécies. Antes de ser estrangulado e queimado (e que suas cinzas fossem no fim dispersadas), o algoz lhe cortou a língua, culpada por falar demais."

"A história de Vanini foi 400 anos atrás…o tempo passou, não é? Mas a clínica [psiquiátrica] mostra que os boçais continuam capazes de tudo para evitar encontrar seus próprios demônios."

Com informação da Folha de S.Paulo e foto da Agência Brasil.



Bolsonaro logo vai descobrir que orações não resolverão os problemas do Brasil

Benção de Edir Macedo confirma que Bolsonaro é um presidente 'terrivelmente evangélico'

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Políticos adotam pregação de pastores, e Estado laico tende a desaparecer



Comentários

  1. A esquerda não sabe como lidar com Damares Alves. Segundo a Folha de S. Paulo, “a avaliação positiva da ministra no Datafolha sinalizou a políticos que a agenda conservadora nos costumes segue forte e é hoje a principal conexão dos mais pobres a Jair Bolsonaro”.
    Uma ala do PT diz “que é preciso religar-se aos evangélicos, desbancando o público da ministra. A outra aposta que a única forma é mostrar que, ainda que a economia melhore, os frutos não chegarão ao andar de baixo”. Em números absolutos, Sergio Moro é ainda mais popular do que Damares Alves entre os mais pobres. O problema para a esquerda é duplo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


EDITOR DESTE SITE

Paulo Roberto Lopes é jornalista

profissional diplomado. Trabalhou

no jornal centenário abolicionista

Diario Popular, Folha de S.Paulo,

revistas da Editora Abril e

em outras publicações.

Contato