Bolsonaro logo vai descobrir que orações não resolverão os problemas do Brasil

[opinião]

Em sua primeira manifestação como presidente eleito, na noite de 28 de outubro de 2018, Jair Bolsonaro (foto abaixo) indicou que o seu governo vai ignorar a separação entre Estado e Religião, como, aliás, já era de se esperar.

Ele citou Deus várias vezes e repetiu o slogan de sua campanha, o qual coloca o divino acima de tudo, inclusive em relação à Constituição, como se o regime de governo brasileiro fosse uma teocracia, e não uma democracia.

Bolsonaro e Malta
oram, e o Estado laico
 sofre a primeira agressão
do futuro novo governo

Magno Malta, pastor que nestas eleições não conseguiu se reeleger como senador, fez uma oração antes do pronunciamento de Bolsonaro à TV, misturando política com religião.

“Os tentáculos da esquerda jamais seriam arrancados sem as mão de Deus”, disse o pastor, que é conhecido pela sua perseguição ao movimento gay..

Profundamente religioso, o povo brasileiro não se importa com o Estado laico e a maioria, é de se supor, gosta quando Bolsonaro diz que Deus está de seu lado.

Mas, quando começar o novo governo, Bolsonaro e a população vão logo perceber que orações não vão resolver os problemas brasileiros, que elas não criarão 13 milhões de empregos, por exemplo.

Em vez de pai-nosso, haverá necessidade de um bom programa econômico e de um pacto entre os segmentos da sociedade, para começar a colocar o Brasil no rumo do desenvolvimento econômico.

Bolsonaro conseguirá? Tomara que sim, porque se espera que o país saia do buraco, seja quer for o presidente.

Teme-se que Bolsonaro passe com um trator sobre minorias e sobre valores da diversidade que a sociedade conquistou com muito empenho ao longo de anos e que o resultado seja o colapso da democracia, diante de um governo autoritário.

Há de fato esse risco, até porque, entre outras coisas, não há democracia sem Estado laico.



Aviso de novo post por e-mail

Jair Bolsonaro faz ameaça de instituir um Estado cristão

Evangélicos apoiam Bolsonaro porque querem um crente na presidência a qualquer custo, acusa pastor

Drauzio Varella afirma ser fake news que ele seria ministro do Bolsonaro




Bolsonaro é fantoche de fundamentalistas religiosos, denuncia pastor


A responsabilidade dos comentários é de seus autores.

Comentários

  1. A esquerda cita tanto a palavra "minorias", mas nunca vi um político de esquerda lutar pela saúde de crianças que precisam de remédios do SUS.
    Dizem defender negros, sendo que eles são a maioria no Brasil. Esses esquerdistas não raciocinam.

    ResponderExcluir
  2. Parabens, Bolsonaro. Em frente. Se alguém se eleger e não puder fazer uma oração, o jeito é implantar uma
    ditadura ateísta leninista/trotskysta e fechar o “cabaré”

    ResponderExcluir
  3. Verdade. Mas sem a linguagem adequada ele não ganharia a eleição.
    Esse ponto é interessante na medida que as rédeas religiosas, no caso do Brasil, mantém o binômio esperança vs medo ativo em uma população com uma visão muito atrasada da vida e que na verdade não sabe votar.
    Bolsonaro está muito antenado nesse quadro e a comunidade ateia deverá crescer. Afinal de contas indicação técnica não tem nada a ver com religião.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

-------- Busca neste site