Saiba por que a seita Testemunhas de Jeová é um paraíso para pedófilos

As TJ vivem em um mundo
 à parte onde as leis divinas
valem mais que as terrenas;
 é um local perfeito para
os predadores sexuais
 

por Sylviane Nuccio

Há outro grupo religioso que está fazendo mais escândalos de casos de pedofilia do que a Igreja Católica, E o das Testemunhas de Jeová, também chamadas de Torre de Vigia, seu nome corporativo.

Até agora, ouvimos casos de pedofilia entre as Testemunhas de Jeová nos Estados Unidos, Canadá, Austrália e vários países da Europa, onde algumas ex-vítimas tiveram coragem de falar contra os líderes da Torre de Vigia e contra os anciãos da congregação local.

Os líderes têm protegidos os agressores diante das autoridades e também desacreditando as vítimas.

Em alguns casos, vítimas são excomungadas (desassociadas), o que no mundo das Testemunhas de Jeová significa perder a família, os amigos e toda a rede social, na maioria dos casos.

Em numerosos casos, a vítima desassociada é evitada por sua família e amigos, como tivesse se tornada invisível, enquanto o agressor continua na Igreja, desfrutando de prestígio e boa posição na hierarquia.

Pedófilos frequentam o salão do reino local (igreja das Testemunhas de Jeová) onde ninguém suspeitam de sua malignidade.

Além disso, é provável que um pedófilo toque a campainha ou bata à sua porta no domingo de manhã. Não estou dizendo isso apenas para escrever coisas sensacionais. Trata-se de uma comprovação, como no vídeo abaixo, que mostra um Testemunha de Jeová acusado de molestar crianças pronto para abordar as pessoas em sua casa.

Como tem aumentado as denúncias de abuso sexual de crianças e as provas são cada vez mais impressionantes, em 14 de agosto de 2019 entrou em vigor nos Estados Unidos uma lei mais rigorosa para os pedófilos.

No Estado de Nova York, a lei suspende por um ano a prescrição de crimes de abuso contra crianças. Centenas de ações já foram protocoladas.

Ainda não foi feito um balanço, mas, entre essas ações, é de se esperar que exista um grandes número de ex-Testemunhas de Jeová que, quando crianças, foram vítimas de predadores sexuais da Igreja.

Por que uma religião que se considera acima e além de todas as outras religiões, com muita ênfase nos pecados sexuais, que inclui todo tipo de conduta e orientação sexual fora do casamento, está tendo tantos pedófilos em seu meio?

De acordo com William Bowen, um ex-ancião das Testemunhas de Jeová e fundador da entidade sem fins lucrativos Silentlambs, existem 23.720 supostos pedófilos na organização.

Para um grupo religioso de apenas 8 milhões, esse é um número impressionante.

Bowen chamou a religião das Testemunhas de Jeová de “paraíso de pedófilos”.

Suspeito que a razão pela qual existem tantos pedófilos nessa religião é que os transgressores têm um lugar perfeito para seus crimes. Um paraíso para pedófilos.

Em 1989, a Torre de Vigia havia emitido uma instrução ultra-secreta para manter em segredo os abusadores sexuais de crianças conhecidos nas congregações.

As Testemunhas de Jeová vivem em um mundo paralelo, o que facilita que seja, de fato, o Éden dos abusadores de crianças

Casos conhecidos de pedofilia não saem dos muros da religião.

Na maioria das vezes, quando uma criança está denunciando um abuso sexual, ela o faz aos pais e / ou aos anciãos (o equivalente a pastores) da congregação. Mas nem os pais nem os anciãos denunciam o caso à polícia.

Nos casos em que o agressor é um dos pais, a criança não tem ninguém do seu lado para defendê-la.

A lavagem cerebral do ensino dessa religião é muito forte e as "autoridades mundanas" são vistas como inferiores à "autoridade de Deus". Por isso, elas lidam com os casos de pedofilia dentro de seu próprio sistema judicial, sem nunca envolver a autoridade legal do país.

Em muitos casos, o pedófilo recebe apenas uma pequena repreensão porque nega os fatos.

De acordo com o testemunho das vítimas, os anciões acreditam com mais frequência na defesa do agressor que na denúncia da vítima.

Na pior das hipóteses, mesmo que o agressor confesse e seja desassociado, ainda assim ele não será denunciado à polícia.

Isso significa que a congregação ficará livre do pedófilo, mas a sociedade não, porque ele não foi levado às autoridades oficiais.

Muitos dos pedófilos das Testemunhas de Jeová são anciãos e servos ministeriais.

As crianças aprendem desde a infância que esses homens são designados por Deus e devem ser respeitados, obedecidos e até temidos.

Não apenas esses homens são respeitados, mas também têm a confiança da maioria dos membros da congregação e, assim, obtêm fácil acesso aos filhos dos fiéis.

Como também são “professores”, podem facilmente fingir querer ensinar uma criança que pretendem abusar.

Quando abusam de crianças, os anciões sabem exatamente o que dizer para mantê-las caladas e com medo o suficiente para não contar a ninguém.

Essa tática é muito eficiente. A maioria das crianças vítimas de abuso nessa religião não revela a agressão até serem adultos.

Todo ex ou atual Testemunha de Jeová se viu nessa situação. Você vai a um ancião, ou a um “cristão maduro”, como eles chamam os mais experientes, com a sua queixa sobre alguém, mas você é rapidamente dispensado e informado de que “ Jeová sabe disso e ele o consertará no seu próprio tempo.”

Quantas crianças ou adolescentes pobres, ou mesmo adultos, ouviram essa frase quando foram aos anciãos para lhes contar sobre os abusos que estavam sofrendo? Se pode ser abuso sexual ou de outro tipo.

Qualquer pessoa não doutrinada seria capaz de fazer a diferença entre uma questão menor ou mesmo um “pecado” e o fato de molestar uma criança não é apenas uma questão ou mesmo um pecado, mas um crime de extrema importância. Um crime contra a humanidade.

Mas parece que as Testemunhas de Jeová que vivem na bolha da Torre de Vigia há anos perdem essa habilidade básica de discernimento.

Por mais grave que seja o problema, mesmo um crime como abuso sexual, pode ser descartado como algo que como “Jeová consertará”.

O grupo de líderes da religião chamado corpo governante gosta de fazer seus membros acreditarem que são valiosos moralmente.

Um deles, Steven Lett, considerou como mentiras as acusações de que integrantes da religião abusam de crianças.

"Isso é uma mentira."

A principal preocupação da organização não é o bem-estar das crianças, é que nenhuma denúncia seja trazida a Jeová.

É melhor para os governantes é esconder um pedófilo em vez de denunciá-lo às autoridades. É melhor para eles que os membros da congregação não saibam que existe um pedófilo no meio deles, deixando de dar o alertas para que as crianças sejam protegidas desses predadores.

A filosofia do corpo governante é: vamos ficar quietos, para que possamos salvar nossa reputação.

O único problema é que a Torre de Vigia não contava com os danos que a internet causaria à sua organização.

Hoje, com dezenas de canais de ex-membros do YouTube revelando todos os segredos de sua ex-religião, incluindo o grande problema de pedofilia entre as Testemunhas de Jeová, isso não é mais um segredo para ninguém.

E se isso não bastasse, o caso de Candace Conti (ex-testemunha de Jeová) nos Estados Unidos e a Comissão Real da Austrália em 2015, que julgou a Torre de Vigia por 1006 casos de pedofilia ocorridos entre 1950 e 2015 na Austrália, que não foram denunciados à polícia, abriram os olhos de muitos membros e não membros sobre o problema.

Hoje, como as notícias se espalham pela TV e por toda a internet, a pedofilia entre as Testemunhas de Jeová não é mais um segredo, e a Torre de Vigia tem sido forçada a revelar o que esconde há décadas.

Waymon Chandler Ivery, condenado por
molestar uma criança, é filmado quando
saia para a pregação de porta em porta



A americana Sylviane Nuccio é especializada em relacionamento humano e ajuda ex-Testemunhas de Jeová a vencerem seus traumas.



Corpo Governante das Testemunhas de Jeová abrigou molestador por 36 anos

Nos EUA, mais um ex-Testemunha de Jeová diz que sofreu abuso

Promotoria da Alemanha denuncia Testemunha de Jeová por abuso de jovens

Testemunhas de Jeová da Holanda são denunciadas até agora por 278 abusos




Comentários

Anônimo disse…
Tinha que fazer igual na Rússia e banir essa seita do Brasil.