Assessor de Bolsonaro diz que filme ‘Coringa’ reflete um mundo sem Deus

Olavista diz que o vilão
 personifica o mundo cruel
esquerdista e sem Deus

[opinião] E acabou sobrando para os ateus, o que, aliás, em se tratando do governo em que “Deus está acima de todos”, já era esperado.

Filipe Martins, assessor de Assuntos Internacionais do presidente Bolsonaro, disse que o filme “Coringa”, um vilão de mente perturbada, faz parte de um “mundo sem Deus” e de “ressentimento esquerdista”.

Sobre o filme dirigido por Todd Phillips, Martins, que frequentou o telecurso do guru Olavo de Carvalho, escreveu:

“É uma demonstração do que a anomia social e o ressentimento esquerdista podem fazer com uma mente perturbada; um retrato desesperador das consequências do mundo sem Deus, sem propósito, sem transcendência e sem redenção que a geração de maio de 1968 tentou criar”.

Ao falar de “ressentimento”, o próprio Martins se revela como um ressentido.

Ele usa o discurso padrão da extrema-direita religiosa que coloca os cristãos como vítimas de um mundo cruel, sem compaixão, piedade e Deus, e blá-blá-blá.

Esse discurso simplório vale como argumento para tudo, com pequenas alterações de acordo com as circunstâncias.

A violência do filme protagonizado por Joaquin Phoenix de fato causa mal-estar, e essa foi a intenção do diretor, e ele merece uma análise profunda, que abarque tanto os delírios da direita como os da esquerda, e o ateísmo não tem nada a ver com isso.

Entre outros aspectos, esse “Coringa” pode ser interpretado como uma junção de muitos personagens ressentidos, incluindo Lula e Bolsonaro.



Com informação do Twitter e de outras fontes



Youtuber diz que sacrifício de bode atrapalha governo de Bolsonaro

Fundamentalismo religioso de Bolsonaro é pior que o da Idade Média, diz Roberto Freire

Em oito meses de governo, Bolsonaro teve 38 encontros com evangélicos

Malafaia e Olavo batem boca sobre quem é mais bolsonarista




Comentários

Anônimo disse…
Poxa, Paulo Lopes, botar o trailer do filme dublado, aí vc perdeu a moral, kkkkkkkkkk
Leandro Bueno disse…
Se você entende bem o que foi a filosofia de Rousseau e a imagem que ele tem do ser humano, em contraposição ao que Hobbes defendia, não há equívoco no que o Filipe Martins falou. O pior desta mentalidade que é tão comum na esquerda é aquela coisa de esquecer a auto-responsabilidade de cada indivíduo. Mas, fácil é adotar a perigosa ideia que o Coringa abraça de achar que o problema é do "sistema". Ou seja, não existe culpa pessoal nenhuma, se eu sou ressentido e vivo magoado, a culpa é do "mundo". Aí, para o niilismo se instalar e ver a vida sem um propósito maior é um passo.
Deso disse…
Ué, achei que o holocausto que refletia um mundo sem Deus.
Anônimo disse…
Eu prefiro um mundo sem "Deus" , já que o mundo com essa crença já é um inferno, os cristãos se tornam doentes da fé, perseguem os que não acreditam no seu papai do céu do faz de conta, pq isso é uma crença totalmente infantil e sem sentido nenhum numa mente racional como a minha.