Pular para o conteúdo principal

Drauzio Varella afirma ser idiotice falar em 'ideologia de gênero'

O médico Drauzio Varella disse que não existe na ciência o termo “ideologia de gênero” e que se trata de uma “idiotice” inventada por pessoas mal-intencionadas para discriminar os homossexuais.

Disse que parece que o Brasil está retroagindo aos anos 50 e 60 do século passado, quando vigoravam ideias preconceituosas contra os gays.

Varella afirmou que a definição sexual é complexa, envolvendo nuances do equilíbrio dos cromossomos xy, e que, por falta de conhecimento científico da sociedade, o tema tem sido aproveitado por políticos "malandros".

Em um vídeo (abaixo) falou ser impossível reprimir um desejo e que a homossexualidade existe desde sempre.

Explicou ser mentira que é um comportamento antinatural, porque ele se manifesta em todos os mamíferos.




Drauzio critica religiosos por tentarem controlar sociedade

Drauzio Varella ironiza o ‘fervor religioso’ à medicina chinesa

Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella

'Boçais’ e ‘cretinos’ usam ideologia de gênero para perseguir gays, diz Varella




Comentários

Emerson Santos disse…
Idiotice ... religião... burrice ...intolerância todas palavras com o mesmo sentido ...
Leandro Bueno disse…
E por que acho esta ideologia uma total mentira? Isto porque, ela coloca em segundo plano o próprio determinismo biológico e a evolução dos seres humanos, que criaram as diversas diferenças fisiológicas que existe entre um homem e uma mulher.

Ou seja, tal ideologia é claramente uma PSEUDOCIÊNCIA, pois, para ser considerada ciência, conforme nos explica Karl Popper, ela deveria ter 2 (duas) características fundamentais, a saber: a) falseabilidade – a capacidade de ser refutada, coisa que você não vê no discurso de seus defensores; b) ser aferida a partir do método hipotético-dedutivo – basta ler qualquer dos livros dos defensores da teoria queer e se verá que nunca se pautam em tal método, para chegarem às suas conclusões.

Em outras palavras, o sexo passa a não ser mais considerado um elemento dado pela Natureza e que o ser humano deve aceitar e estabelecer um sentido pessoal para a sua vida. Em vez disso, o sexo passa a ser um papel social escolhido pelo indivíduo. Ora, a profunda falsidade desta teoria e a tentativa de uma revolução antropológica que ela contém são um tanto óbvias.


Com efeito, essa ideologia acaba contribuindo ainda mais para a confusão em que as pessoas hoje vivem em suas mentes, deixando a sexualidade “à la carte”, bem fluida. Isto porque, uma das coisas que mais dá estabilidade emocional a uma pessoa é a sua identidade, ela saber quem, de fato é. No momento em que essa ideologia cria inúmeras possibilidades abertas ao gosto (fala-se em até 30 tipos de gêneros em cidades como Nova York), a confusão só tende a aumentar. A quem interessa isso?

Fora que tempos atrás li um absurdo projeto de lei, não sei se verdadeiro, porém, amplamente divulgado na internet, prevendo a possibilidade de intervenções cirúrgicas em menores, que quisesse trocar de sexo, mesmo sem autorização dos pais/responsáveis. Caso estes não concordassem com a cirurgia, poderia o menor procurar a defensoria pública, que moveria uma ação para ela, pleiteando autorização judicial.

Ou seja, um completo absurdo, não só por passar por cima da autoridades dos pais, mas, levando-se em conta que até perto dos vinte anos muitas pessoas têm dúvidas ou questionamentos acerca de sua sexualidade, por ser um período de muitas mudanças e descobertas.

Outro aspecto que me chama a atenção é o fato de que muitas das pensadoras desta ideologia são membros da comunidade GLBT e vindo de ambientes extremamente repressivos no tocante à sexualidade, como no judaísmo ortodoxo. Será que uma ideologia como esta não seria, talvez, uma espécie de catarse a buscar espantar os supostos “fantasmas” de um ambiente repressivo e, muitas vezes, adoecedor?

Concluindo, eu penso que a ideologia de gênero nada mais é do que um discurso “politicamente correto” para se referir à comunidade GLBT. O problema é que ela parte de premissas falsas, que não se sustentam diante da própria ciência. Fora que para alguém respeitar um homossexual, um transexual, ou quem quer que seja, não precisa-se para isso se valer de uma mentira que certos educadores querem empurrar na marra na cabeça de alguém. Basta apenas ter caráter.


Quem tem caráter, respeita os outros e não tem homofobia. Daí, ser também falacioso dizer que só se conseguirá diminuir a homofobia no país, se abraçarmos essa ideologia de Gênero, que em certos países já começou até a ser deixada de lado, e virado motivos de piadas, tal é o nível de sua inconsistência.
Rafael disse…
Paulo, sei que vc nem vai aprovar meu comentário(pois é, a censura é forte), mas sinceramente, vai se informar um pouco. Vc e o Varella não sabem que ideologia de gênero é aquela coisa de que cada um escolhe o próprio sexo. Ninguém está proibindo gay de amar quem quiser.
Novo Satanás disse…
Se o sexo servisse apenas para reprodução, não existiria prazer, existiria apenas o racionalismo de decidir criar outros seres, como quem cria um carro.
É impossível ir contra um desejo? Que ilógico tal afirmação... Se fosse assim não haveria pessoas fiéis num relacionamento, não seria possível condenar um assassino, pois seu desejo seria "absoluto"... Patético isso...

Post mais lidos nos últimos 7 dias

90 trechos da Bíblia que são exemplos de ódio e atrocidade

Lei anti-ciência de Ohio permite que alunos deem resposta com base na religião

Milagrento Valdemiro Santiago radicaliza na exploração da fé

Pai de vocalista dos Mamonas processa Feliciano por dizer que morte foi por ordem de Deus

Capela em centro espacial é absurdo, afirma estudante

do leitor Sérgio "Este prédio da capela poderia abrigar um bom laboratório" Sou físico e aluno de doutorado do INPE [Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais] em São José dos Campos (SP) e gostaria de fazer um breve comentário. Há 5 anos, quando ingressei no mestrado no instituto, fique fascinado com a estrutura física/financeira oferecida ao desenvolvimento da pesquisa. Sinceramente não tenho do que me queixar, mas uma coisa  chama muito atenção (não só a minha, claro). É que dentro do INPE (um centro de pesquisa principalmente física), acreditem, tem uma capela para oração. No local que é considerado o maior centro de pesquisa tecnológica da America Latina (a Nasa brasileira, como muitos dizem) existe tal absurdo. Esse prédio poderia, por exemplo, abrigar um bom laboratório ou coisa mais útil. O INPE (englobando todas as áreas – astrofísica, meteorologia, sensoriamento, engenharia de materiais, etc.) é formado por pesquisadores/cientistas de várias partes do mu

Ministro do STF critica a frase ‘Deus seja louvado’ do real

Marco Aurélio lembrou  que somente no  império  a religião era obrigatória  O ministro Marco Aurélio (foto), 65, do STF (Supremo Tribunal Federal), disse que não consegue conceber “que nas notas de moedas do real nós tenhamos ‘Deus seja louvado’”, porque isso fere a laicidade do Estado. Em uma entrevista ao UOL, lembrou que na argumentação de seu voto favorável à descriminalização do aborto de fetos anencéfalos, em abril, ressaltou que o Brasil não está mais no império, “quando a religião católica era obrigatória e o imperador era obrigado a observá-la”. “ Como outro exemplo de incompatibilidade com o Estado laico ele citou o crucifixo do plenário do STF. “Devíamos ter só o brasão da República.” Aurélio elogiou a decisão do Tribunal de Justiça gaúcho pela retirada do crucifixo de todas as suas dependências, o que demonstra, segundo ele, que o Rio Grande do Sul é um Estado que “está sempre à frente em questões políticas”. Celso de Mello, outro ministro do Supremo, já

Intel deixa de ajudar escoteiros que discriminam gays e ateus

Evangélico, chefão do tráfico no Rio manda fechar igrejas católicas

PSC radicaliza ao dar apoio a Feliciano, afirma Wyllys

por Ivan Richard da Agência Brasil Deputado disse que resposta também será a radicalização O deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ), na foto, criticou a decisão do PSC de manter o pastor Marco Feliciano na presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorais da Câmara. Para Wyllys, o acirramento dos ânimos por parte do PSC pode provocar ainda mais confusão nas sessões da comissão. Feliciano é acusado por de ter feito afirmações homofóbicas, como a de que a "Aids é câncer gay", e racistas. “Não falo em nome do movimento [LGBT], mas, se um lado radicaliza, o outro tende a radicalizar. Se o PSC radicaliza e não ouve a voz dos movimentos socais, das redes sociais, o pedido para que esse homem saia da presidência, se a tendência é radicalizar e não dar ouvidos, é lógico que o movimento radicalize do outro. Isso não é bom para a Câmara, para o Legislativo, para o PSC, nem para o país”, disse Wyllys. Wyllys afirmou que as lideranças do PSC estão “confundindo” as criticas ao

Família esperou por três dias, mas Neide não ressuscitou; corpo foi sepultado cheirando mal