Drauzio Varella afirma ser idiotice falar em 'ideologia de gênero'

O médico Drauzio Varella disse que não existe na ciência o termo “ideologia de gênero” e que se trata de uma “idiotice” inventada por pessoas mal-intencionadas para discriminar os homossexuais.

Disse que parece que o Brasil está retroagindo aos anos 50 e 60 do século passado, quando vigoravam ideias preconceituosas contra os gays.

Varella afirmou que a definição sexual é complexa, envolvendo nuances do equilíbrio dos cromossomos xy, e que, por falta de conhecimento científico da sociedade, o tema tem sido aproveitado por políticos "malandros".

Em um vídeo (abaixo) falou ser impossível reprimir um desejo e que a homossexualidade existe desde sempre.

Explicou ser mentira que é um comportamento antinatural, porque ele se manifesta em todos os mamíferos.




Drauzio critica religiosos por tentarem controlar sociedade

Drauzio Varella ironiza o ‘fervor religioso’ à medicina chinesa

Quem se opuser às vacinas deve responder por crime, diz Varella

'Boçais’ e ‘cretinos’ usam ideologia de gênero para perseguir gays, diz Varella




Comentários

Emerson Santos disse…
Idiotice ... religião... burrice ...intolerância todas palavras com o mesmo sentido ...
Leandro Bueno disse…
E por que acho esta ideologia uma total mentira? Isto porque, ela coloca em segundo plano o próprio determinismo biológico e a evolução dos seres humanos, que criaram as diversas diferenças fisiológicas que existe entre um homem e uma mulher.

Ou seja, tal ideologia é claramente uma PSEUDOCIÊNCIA, pois, para ser considerada ciência, conforme nos explica Karl Popper, ela deveria ter 2 (duas) características fundamentais, a saber: a) falseabilidade – a capacidade de ser refutada, coisa que você não vê no discurso de seus defensores; b) ser aferida a partir do método hipotético-dedutivo – basta ler qualquer dos livros dos defensores da teoria queer e se verá que nunca se pautam em tal método, para chegarem às suas conclusões.

Em outras palavras, o sexo passa a não ser mais considerado um elemento dado pela Natureza e que o ser humano deve aceitar e estabelecer um sentido pessoal para a sua vida. Em vez disso, o sexo passa a ser um papel social escolhido pelo indivíduo. Ora, a profunda falsidade desta teoria e a tentativa de uma revolução antropológica que ela contém são um tanto óbvias.


Com efeito, essa ideologia acaba contribuindo ainda mais para a confusão em que as pessoas hoje vivem em suas mentes, deixando a sexualidade “à la carte”, bem fluida. Isto porque, uma das coisas que mais dá estabilidade emocional a uma pessoa é a sua identidade, ela saber quem, de fato é. No momento em que essa ideologia cria inúmeras possibilidades abertas ao gosto (fala-se em até 30 tipos de gêneros em cidades como Nova York), a confusão só tende a aumentar. A quem interessa isso?

Fora que tempos atrás li um absurdo projeto de lei, não sei se verdadeiro, porém, amplamente divulgado na internet, prevendo a possibilidade de intervenções cirúrgicas em menores, que quisesse trocar de sexo, mesmo sem autorização dos pais/responsáveis. Caso estes não concordassem com a cirurgia, poderia o menor procurar a defensoria pública, que moveria uma ação para ela, pleiteando autorização judicial.

Ou seja, um completo absurdo, não só por passar por cima da autoridades dos pais, mas, levando-se em conta que até perto dos vinte anos muitas pessoas têm dúvidas ou questionamentos acerca de sua sexualidade, por ser um período de muitas mudanças e descobertas.

Outro aspecto que me chama a atenção é o fato de que muitas das pensadoras desta ideologia são membros da comunidade GLBT e vindo de ambientes extremamente repressivos no tocante à sexualidade, como no judaísmo ortodoxo. Será que uma ideologia como esta não seria, talvez, uma espécie de catarse a buscar espantar os supostos “fantasmas” de um ambiente repressivo e, muitas vezes, adoecedor?

Concluindo, eu penso que a ideologia de gênero nada mais é do que um discurso “politicamente correto” para se referir à comunidade GLBT. O problema é que ela parte de premissas falsas, que não se sustentam diante da própria ciência. Fora que para alguém respeitar um homossexual, um transexual, ou quem quer que seja, não precisa-se para isso se valer de uma mentira que certos educadores querem empurrar na marra na cabeça de alguém. Basta apenas ter caráter.


Quem tem caráter, respeita os outros e não tem homofobia. Daí, ser também falacioso dizer que só se conseguirá diminuir a homofobia no país, se abraçarmos essa ideologia de Gênero, que em certos países já começou até a ser deixada de lado, e virado motivos de piadas, tal é o nível de sua inconsistência.
Rafael disse…
Paulo, sei que vc nem vai aprovar meu comentário(pois é, a censura é forte), mas sinceramente, vai se informar um pouco. Vc e o Varella não sabem que ideologia de gênero é aquela coisa de que cada um escolhe o próprio sexo. Ninguém está proibindo gay de amar quem quiser.
Novo Satanás disse…
Se o sexo servisse apenas para reprodução, não existiria prazer, existiria apenas o racionalismo de decidir criar outros seres, como quem cria um carro.