Gays da Polônia protestam contra bispo para quem 'LGBT é nova peste'

Jedraszewski disse
 que a nova 'epidemia'
 ameaça os valores e
a família do país 


por Salvatore Cernuzio
para La Stampa, em 8 de agosto de 2019

Uma tempestade arco-íris atingiu a Igreja Católica da Polônia após as declarações do arcebispo de Cracóvia, Marek Jędraszewski, que em 1º de agosto, durante a homilia do 75º aniversário do levante de Varsóvia, comparou a ideologia LGBT a uma "peste" que ameaça "as almas, corações e as mentes" dos poloneses.

Recordando a insurreição da resistência em Varsóvia, Jędraszewski, teólogo respeitado, afirmou textualmente: "Não existe mais uma epidemia e uma praga vermelha, mas está surgindo uma nova, aquela criada pela cultura dos LGBT e pelas bandeiras arco-íris, uma ameaça aos valores e à solidez social e familiar da nossa nação”.

Esta "praga LGBT", acrescentou o pastor da arquidiocese que foi de João Paulo II e depois o seu secretário, o cardeal Stanisław Dziwisz, é "uma nova face da ameaça bolchevique à nossa nação e aos nossos valores", porque qualquer um que promova ou defenda a ideologia LGBT nega a dignidade da sociedade da família e de valores e tradições da nação, como em um novo e ainda mais ameaçador desafio bolchevique à nossa identidade".

Então, referindo-se ao heroísmo da resistência e dos soldados poloneses contra os nazistas, o bispo exortou a "defender" dessa "nova ameaça" o direito à vida e à dignidade de um homem e de uma mulher que constroem uma família para ter filhos para a pátria”.

Palavras duras, mas julgadas "vergonhosas" pela comunidade homossexual (e não só) depois que, nem um mês atrás, os participantes do "Orgulho" que envolveu cerca de vinte cidades polonesas entre 29 de junho e 6 de julho foram vítimas de violentos ataques por representantes da ultradireita. Como no caso de Białystok, onde várias pessoas sofreram espancamentos e insultos.

A acusação é, portanto, que a Igreja polonesa, que sempre teve posições conservadoras, alimenta esse clima de crescente intimidação contra gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros, participando ativamente da ofensiva contra a comunidade LGBT do partido soberanista no poder Prawo i Sprawiedliwość (Pis). Ofensiva que os representantes arco-íris definiram como verdadeiros “pogroms”.

Em particular, as declarações do Arcebispo de Cracóvia desencadearam um alvoroço no país do Leste Europeu com muitas manifestações sob a Nunciatura de Varsóviacom cartazes que traziam a foto do idoso prelado e a inscrição: "Dymisja subito" (Renúncia já).

Com tradução de Luisa Rabolini para IHU Online.



Polônia está se tornando a pátria do fanatismo católico

Padres da Polônia queimam livros de Harry Potter para combater bruxaria

Exorcismo avança na Polônia e igreja segue rumo à Idade Média

Menina de 12 anos se enforca para ficar com seu pai no céu


Comentários