TJ da Noruega terá de indenizar mulher por acusá-la de ‘fornicação’

Expulsa, mulher agora é
rejeitada pelos integrantes da
 religião, incluindo parentes

Um Tribunal de Justiça da Noruega condenou as TJ (Testemunhas de Jeová) a pagarem uma indenização equivalente a R$ 40 mil a uma mulher por ele ter sido expulsa da congregação sob a acusação de fornicação. 

A mulher passou a se acusada da prática de sexo inadequado, fora do casamento, depois que ela contou na congregação ter sofrido violência sexual.
A congregação não aceitou a explicação e a desassociada.

Ela abriu um processo no comitê de apelação da congregação.

Como a expulsão foi mantida, a mulher recorreu à Justiça, obtendo uma sentença favorável.

Além de pagar a indenização e os honorários do advogado da mulher, a congregação vai ter de recebê-la de volta.

Para a mulher a reintegração é importante para ela continuar a conviver com amigos e parentes, incluindo mãe e pai, que seguem a religião. 

De acordo com dados de 2018, as Testemunhas de Jeová têm 11.000 fiéis na Noruega, em 167 congregações.

O caso da acusação de fornicação não está encerrado. As Testemunhas de Jeová vão recorrer à Justiça, porque se recusam receber a mulher de volta.

A intolerância está explícita nos dogmas dessa religião.

Com informação do site VG e de outras fontes, com foto de Bjørn Frostad.




Ex-fiel diz por que as Testemunhas de Jeová são uma 'seita destrutiva'

China indicia 18 Testemunhas de Jeová sob acusação de pregarem superstição

Testemunhas de Jeová recorre para não pagar US$ 35 milhões por acobertar pedófilo

Testemunhas de Jeová tentam recrutar fiéis até em hospitais psiquiátricos


Comentários

Unknown disse…
https://br.sputniknews.com/asia_oceania/2019072914298656-direita-indiana-pede-censura-ao-alcorao-alegando-ameaca-a-seguranca-nacional/