No Reino Unido, médico cristão se recusa a chamar transgênero de 'ela'

Médico David Mackereth
argumenta que o seu direito
 de crença foi desrespeitado

O médico David Mackereth (foto), 56, abandonou o seu emprego no Departamento de Trabalho e Pensões, do Reino Unido, depois de ter sido suspenso por um mês por, em uma avaliação de atendimento a pacientes, ter dito que se recusaria a chamar um transgênero barbudo de 1,80 m de altura de “ela” ou de "senhora".

Mackereth deixou o emprego depois que foi avisado por seu chefe de que ele provavelmente seria demitido por sua conduta incompatível com a dignidade humana, violando a Lei da Igualdade de 2010.

Mackereth deixou o trabalho no dia 25 de junho de 2018 e agora está processando o governo com a alegação de que foi demitido por sua crença religiosa.

O médico tem uma pregação cristã fundamentalista, em detrimento ao seu profissionalismo.

Ele disse que não aceita pessoas transgêneras porque se trata de “uma rebelião contra Deus”.

O caso continua tramitando na Justiça.

O médico disse que não
chamaria alguém como este aí,
 da foto, como "ela" ou "senhora".
Saiu do emprego talvez com
medo de apanhar

Com informação do The Telegraph e de outras fontes e fotos de divulgação.





Mais da metade da população do Reino Unido não tem religião; cresce o ateísmo

Médico do Reino Unido poderá perder registro por pregar cura pela oração

Cadetes do Reino Unido podem optar por juramento sem Deus

Justiça do Reino Unido proíbe orações nas câmaras municipais



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários