'Bandidos de Jesus' destroem terreiro de candomblé na Baixada Fluminense

Criminosos teriam se
convertido em
evangélicos
 dentro de presídios

por Leonardo Rocha e Adriano Araújo
para O Dia

A Polícia Civil e o Ministério Público Federal (MPF) investigam o caso de intolerância religiosa que aconteceu no dia 11 de julho de 2019 no Parque Paulista, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.

Criminosos, que se intitulam "bandidos de Jesus", invadiram e destruíram um terreiro de candomblé, dando ordens para que o espaço fosse fechado. 

É o décimo sexto caso de ódio à crenças africanas registrado no município, só neste ano, até agora.

De acordo com dados da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), até agora foram contabilizados 40 ações criminosas na capital, 20 em São Gonçalo e 15 em Campos dos Goytacazes.

No momento do ataque ao terreiro em Duque de Caxias, a mãe de santo líder do espaço religioso, de 85 anos, sofreu ameaças sob a mira de uma arma. 

Os "bandidos de Jesus" são apontados como traficantes que tomaram conta do Parque Paulista, ligados à facção Terceiro Comando Puro (TCP). 

O terreiro existe há mais de 50 anos no bairro,  já sofreu várias ameaças, mas essa é a primeira vez que sofre ataque.  

"Eles já fecharam três, quatro espaços religiosos. Estamos ali há 52 anos e nunca passamos por situação parecida. Não vamos voltar, a segurança dela (mãe de santo) em primeiro lugar", disse um parente da mãe de santo.






MPF apura denúncia sobre pastor de traficantes que persegue terreiros

Cresce intolerância; evangélicos atacam mais um terreiro

Milícia religiosa é suspeita de ataques a terreiros do Rio

Evangélico apedreja casa de umbanda e faz ameaça de morte



Receba por e-mail aviso de novo post

Comentários

Leandro Bueno disse…
Se é bandido, não é de Jesus, já começa por aí. Por outro lado, o que ocorre muito na realidade carioca é que nos morros e na baixada, há uma forte influência cultural neopentecostal. Assim, não é difícil encontrar um traficante que tenha origem familiar neste ramo religioso, ou eventualmente que até frequente nominalmente um templo, para "expurgar" sua consciências. Porém, ser cristão é COISA BEM DIFERENTE, fora que em muitas destas notícias de destruições de terreiros, nem os envolvidos são pegos ou identificados. Ou seja, a mídia usa genericamente a coisa para atacar a fé cristã, um grande obstáculo para agenda que a mídia busca meter na cabeça do povo.